Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Por que um CEO deveria pedir desculpas?

Tem gente que prefere comer prego a pedir desculpas. Consideram o ato uma derrota, confissão de asnice.

Quase como se fôssemos capazes de esquecer o quão hábeis somos em maquiar, manipular e justificar nossos deslizes, atrasos, equívocos, confusões e trapalhadas diárias. Tudo pra nos manter 100% cagada-free, valorizar nosso passe.

Sérgio Chaia nos ensina outro caminho, com a cancha de quem já foi CEO da Nextel e da Sodexho. O vídeo abaixo é um extra da entrevista feita com ele para a primeira temporada de nossa série PapoExecutivo.

É tão bom que consideramos digno de um artigo próprio.

Link YouTube

Hay que ablandar, pero sin perder la firmeza

Se escolhemos não agir pelo viés da competição, não existem vencedores nem perdedores, há parceria.

O problema é quase ninguém se propor a criar empresas nas quais o poder e a competição não sejam pilares centrais. Esses ambientes criam um paradoxo, reforçam uma noção de hierarquia predatória, ao mesmo tempo em que a empresa fala em parceria e camaradagem. Ok, a gente também acha lindo o RH, mas sabe que nas trincheiras é tubarão comendo tubarão. O discurso não bate com a prática.

Em posições de autoridade, a carapuça engrossa e a sinceridade se torna relativa. Presidentes e diretores e chefes em geral parecem imunes a falhas, exceto por aquelas friamente calculadas para humanizar sua imagem. Às vezes dezenas de pessoas se mobilizam para criar e operacionalizar uma nova rota cuja única razão de existir é o chefe não ter assumido sua falha e se proposto a corrigi-la ele mesmo. Isso fode quem está abaixo e o próprio ser habitando essa claustrofóbica e impenetrável couraça.

É a cultura dos erros individuais, destinados aos subalternos, e dos acertos sempre compartilhados com os superiores.

Ao conversar com o psicólogo Fred Mattos sobre, escutei:

"Quando um chefe omite ou falseia seu erro ele incentiva a cultura do ressentimento.
No fundo os subalternos sabem que ele errou, pois lidam com os mesmos processos. E com o tempo eles próprios se sentem legitimados a mentir, omitir e falsear a questão toda. E o ciclo se repete."

Isso transforma a organização e seus funcionários num barril de pólvora. É como se a real postura do superior fosse uma sinuca da qual não se pode escapar, uma rota certa para a loucura:

"Eu erro, você sabe, mas não deixo espaço nem pra você falar sobre isso. Então eu exijo seu acerto sempre e você tenta a todo custo acertar e exigir que eu também acerte sempre, mas nunca consegue porque aponto o seu erro, mas nunca o meu."

Na psicologia isso é conhecido como o perverso duplo vínculo e se refere a "relacionamentos contraditórios em que são expressados comportamentos de afeto e agressão simultaneamente". Tal conceito foi usado inicialmente no estudo de famílias esquizofrênicas, sendo a ele associados sentimento de insegurança, reações de agressividade, medo e a dificuldade em entender e se identificar com outras pessoas.

Qualquer semelhança com o contexto corporativo é mera coincidência, claro.

Dos dramas corporativos que todos engolem e pouco se faz para mudar. Espero que alguns líderes e CEOs estejam nos lendo.

* * *

Pra seguir a conversa:

→ Como pedir desculpas e assumir seus erros

→ Sobre outras possibilidades de empresas e negócios

→ Será que é possível? (entrevista com Sergio Chaia) | PapoExecutivo #2

Agradecimentos a Fred Mattos e Gustavo Gitti pela ajuda com o texto.


publicado em 10 de Março de 2014, 21:01
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura