#porramaridos e a postura dos homens com os afazeres domésticos

A hashtag levantou um debate sobre a participação do homem nas atividades domésticas, que ainda são, na maioria dos lares, responsabilidade única da mulher.

Volta e meia algumas discussões ganham a pauta na internet por meio de hashtags no Twitter.

Dessa vez, a discussão que surgiu foi a respeito de um conceito que vem surgindo na busca por relacionamentos mais igualitários, o de carga mental.

Para quem não sabe, a tal carga mental se refere ao desgaste psicológico invisível que o acúmulo de responsabilidades gera em uma pessoa.

Dentro de um relacionamento, a questão passa a ser, então, o fato de que a preocupação constante da gerência doméstica e cuidado com os filhos acabam recaindo quase exclusivamente para as mulheres. Sem contar que isso acontece em acúmulo com a vida profissional, pessoal e com os cuidados com o próprio relacionamento.

Assim, uma vez que esse esgotamento mental é invisível, temos a receita para que as mulheres não se sintam reconhecidas em seus esforços e acabem estourando, frente à negligência e falta de proatividade de seus maridos.

Aqui embaixo, listamos alguns relatos.

Algumas mulheres se manifestam em defesa dos maridos que não são assim.

E há os homens que se revoltam, pois sentem que contribuem à sua maneira. 

Assim, a discussão acaba até ganhando ares de maior reflexão, incluindo insights sobre a forma como os meninos são criados.

Alguns sentem que não conseguem contribuir sem serem reprimidos em suas tentativas.

 

É até compreensível a revolta por parte de muitos homens. Gostamos de nos ver como pessoas ocupadas, esforçadas, que estão dando o máximo. Assim, não é fácil ver o dedo apontado para nós.

Mas, apesar do tom muitas vezes não ser dos mais amigáveis, vale respirar fundo e tentar entender de onde vem tamanha indignação por parte das esposas, assim como o instinto dos homens de se defender a qualquer custo. É muito comum que dentro das relações os homens até aceitem dividir uma parte das tarefas, mas o gerenciamento da casa acaba recaindo mais sobre as mulheres e, mais do que isso, é tratado de uma maneira como se a atividade não fosse mais do que a sua obrigação.

A nós, homens, cabe refletir e entender que cuidar dos afazeres é algo que precisa vir de comum acordo e de uma maneira que seja confortável ou, ao menos, justa para ambas as partes. Principalmente, tomando a iniciativa e não esperando um eventual burnout da esposa para agir.

Se você de alguma forma se irrita ou se identifica, é a chance de fazer diferente. Que tal começar agora?


publicado em 26 de Julho de 2018, 17:35
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura