Pulseira eletrônica: a última moda dos criminosos... recém-nascidos?!

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Sabe aqueles dispositivos de segurança que algumas lojas colocam em seus produtos e que fazem o alarme disparar caso tentem sair do local sem retirá-los?

Então, o mais novo e inusitado produto bem que pretende aderir ao acessório mecanismo é... o seu filho! Quer dizer, pelo menos se você for morador da cidade de São Paulo.

A Câmara Municipal da capital paulista aprovou, na quarta-feira, um projeto de lei que obriga hospitais e maternidades públicos e privados a colocar pulseiras eletrônicas nos bebês logo após o nascimento. A retirada do dispositivo ocorreria somente na alta e na presença da mãe ou responsável.

O projeto de lei, de autoria do vereador Carlos Apolinário, do DEM, tem como finalidade coibir uma prática imoral e cruel, o sequestro, e evitar a troca de bebês, acidental ou não. Duas situações não tão incomuns assim.

Rastreamento de criminosos em potencial?

Alguns detalhes técnicos ainda precisam ser resolvidos. Além do alto custo do equipamento e da integração satisfatória dos sensores ao espaço físico dos hospitais e maternidades, certas características particulares das pulseiras prometem interferir, como o tamanho e a possibilidade de molhá-las.

O projeto foi encaminhado ao prefeito Gilberto Kassab que deverá aprová-lo ou vetá-lo, total ou parcialmente. Caso aprove, a lei entrará em vigor somente no ano que vem.

A intenção sem dúvida é louvável, mas cá entre nós: a que ponto chegamos, hein?

Fontes: G1 e Estadão.


publicado em 14 de Agosto de 2010, 08:00
7bad5b31f4d700d0a7b1550a64b104e4?s=130

Danilo Freire

Advogado que não lida bem com prazos. Estudante de Filosofia que tem déficit de atenção. Cadeirante, era ruim em matemática, calculou mal um mergulho e desde então é tetraplégico. No Twitter, responde por @danilotetra.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: