A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Qual o problema do bigode?

Eu perco 75% da minha personalidade sem o bigode. Sério!

Não se sabe exatamente qual a origem do bigode, mas relatos históricos nos levam até o século XVI, quando homens penetraram nos sertões brasileiros em busca de riquezas minerais. Homens estes chamados de Bandeirantes, donos de longos conjuntos de pêlos faciais localizados entre o nariz e o lábio superior.

Tecnicamente o bandeirante foi o primeiro homem da história. Sábio, ele não levava mapas, anotações e jamais pedia informações. Quando não tinha para onde ir, abaixava a calça e tinha uma ereção. O pênis apontava o próximo rumo. Sendo que, na selva ou na caatinga, a ereção era instantânea. O responsável por esse vigor? O bigode, não tenham dúvida.

Infelizmente os tempos mudaram. O fim desse admirável estimulante veio após o surgimento do culto ao metrossexualismo e a disco dance. O bigode caiu em desuso, sendo substituído por uma crescente exigência de limpeza visual. O charmoso milhar de pelos que demonstrava poder sexual e tinha uso quase que obrigatório entre os homens de grande importância virou motivo de chacota. Sinônimo de sujeira.

Mas, por que?

borbagato
Borba Gato: bigode e uma barba esperta pra garantir a segunda

Em busca de uma resposta para esse paradoxo da estética, o PdH ouviu dezenas de mulheres. A pergunta era simples: "por que vocês não gostam de homens com bigode?". Unanimidade: "é nojento". Contudo, uma resposta derrubou qualquer teoria científica.

Observe:

"Esteticamente, há tempos, o bigode está ligado à falta de bom gosto. O primeiro motivo, altamente plausível, seria uma associação direta com aqueles coronéis malvados das novelas da 6. Ou, talvez, com o trocador do ônibus que você pegou ontem.

O máximo de glamour que um bigode pode ter é com o Bino do Carga Pesada. Quem sabe o Antonio Bandeiras em algum filme de médio orçamento. E, pra isso, você tem que ser um coroa sensacional. Ou um latino muito gato.

Outro motivo é o desconforto. Bem, eu gosto de barba. Ela faz carinho, aquele arrepio frio. Já bigode, não. É como bater com um pincel velho na nuca. É como se fosse um apêndice. Algo não controlável pelo corpo. A barba você mexe o queixo e controla. O bigode, não.

E por último: a imaginação mata o bigode. Imagina, o cara fazendo sexo oral na mulher. Quando ele tira a boca, a imaginação te leva a pensar em cada fio sujo de você. Ou quando ele vai te beijar, você lembra do macarrão no jantar. Ou do espirro mais cedo.

Eca. Bigode, não.

Bigode não dá."

A leitora pediu para não ser identificada. E eu, já sem bigode, respeito.


publicado em 04 de Agosto de 2008, 20:44
File

Fred Fagundes

Fred Fagundes é gremista, gaúcho e bagual reprodutor. Já foi office boy, operador de CPD e diagramador de jornal. Considera futebol cultura. É maragato, jornalista e dono das melhores vagas em estacionamentos. Autor do "Top10Basf". Twitter: @fagundes.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura