Quando eu crescer…

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

São sacadas como a do vídeo abaixo que tornam a carreira na publicidade sonho para milhares de jovens imberbes. Progagandas bem amarradas como essa me influenciaram ao optar pelo curso de Comunicação.

Dêem o play. Essa vai agradar às garotas do Ladies Room.

link vídeo

A cereja do bolo foi a escolha de uma trilha sonora fuderosa – quem não conhece pode procurar outro site pra ler.

--

No entanto, após assistir essa propaganda algumas vezes, e lembrar de minha adolescência, quando era capaz de ficar horas e horas vendo Globo/SBT/Record/50 canais de TV a cabo sem nada interessante, apenas para conhecer os novos comerciais, me peguei pensando no que de fato influencia um homem a escolher seu caminho profissional.

Algumas hipóteses:


  • influência familiar

  • influência paterna/materna – muitas vezes pesa mais do que todas as outras

  • profissionais de destaque em certa área

  • glamour ou status envolvido em certa profissão

  • possibilidades de crescimento/remuneração na carreira

Tenho vinte e poucos, mas a minha escolha parece ter sido feita há milênios, não lembro exatamente como foi. Quando pequeno, pensava em ser desenhista, depois arquiteto, depois passei por um longo hiato no qual minha única aspiração era criar jogos. Passava longo tempo folheando revistas em bancas sem comprar nada, para desespero dos vendedores. Criava jogos de tabuleiro, jogos de estratégia. Escrevia um bocado de coisas em cadernos, na verdade meus cadernos de segundo grau tinham mais anotações aleatórias do que exercícios feitos.

Então, cara, isso aqui é só bico, na verdade sempre quis ser neurocirurgião.
Então, cara, isso aqui é só bico, na verdade sempre quis ser neurocirurgião.

Dentre tantas lembranças desconexas, não me recordo de nenhum momento “Eureka! Vou cursar publicidade!”. Sinto que foi um caminho natural, dado meus traços de personalidade. Sempre fui curioso, interessado em criar, em saber mais, ler mais, descobrir mais, ansioso, com pressa. Aliás, traços bem comuns na minha geração.

Bom, o raciocínio não está fechado, apenas joguei algumas palavras por aqui.

No caso de vocês, qual foi o fator determinante na escolha da carreira? Quando se viram como um médico/advogado/engenheiro/gari/professor/empresário/etc etc? Já pensaram a respeito? Aos já formados, estão na trilha certa?


publicado em 20 de Junho de 2009, 15:55
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: