A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Quando o futebol nos faz crescer na porrada

O baque. A porrada. A desilusão. A lista de definições de uma transformação de caráter e/ou determinação de crescimento é do tamanho de sua força. São fatos e passagens que, de modo bastante sutil e subjetivo, exemplificam aquele escondido ritual obrigatório que transforma nosso mundo, ao mesmo tempo que apresenta-nos um novo.

No Brasil e com seu derivado, o brasileiro, isso aconteceu para uma gigante parcela de uma maneira deveras brasileira: pelo futebol.

O esporte amadureceu depois desses fatos (especificamente, as copas de 1950 e 1982). Já os brasileiros, tanto torcedores quanto meros espectadoes, creio eu, incorporaram isso à própria realidade de um modo que servisse de referência. Isso porque o homem precisa de referências. Um dia, uma data, um acontecimento, casos que, quando relatamos nossas mudanças de percepções e caráter, são citados com um entusiasmo que só a dor pode causar.

Duas gerações, dois tapas na cara.

1950

Um dos mais puros e singelos pensamentos de uma criança é a confiança. Aquela barreira invisível que o protege do desconhecido, seja devido ao cobertor da cama ou a presença do pai no cômodo, garante algo que vai além do bem estar: a segurança. A ideia de que tudo está correto, encaminhado e nada mais pode dar errado. Foi assim, com a inocência de um menino, que a torcida e a Seleção Brasileira se prepararam para a Copa do Mundo de 1950.

Tratar o fator casa como vantagem foi o primeiro dos equívocos. O visitante, também aqui visto como inimigo, fortaleceu-se com aquilo que o Brasil preparou para intimida-lo: o Maracanã. A construção do maior estádio do Mundo serviu como motivação para toda e qualquer Seleção. Desde as Europeias, claramente enfraquecidas pela Segunda Guerra, até as Sul-Americanas - mesmo sem a Argentina. O nosso “estufar o peito” e chamar para a briga foi uma atitude  irresponsável, até tola. Digna de uma seleção jovem.

Um dia antes da final, a fatídica e tão discutida final, os jornais estampavam “Ganharemos do Uruguai”. Ora, não era à toa. O Brasil jogava em casa, os times Europeus já estavam de volta para o velho continente reconstruindo seus países e havia - ainda(!) - o temido Maracanã. Isso, para um ser inocente, é mais seguro que uma boa noite de sono dormindo entre os pais.

Mas não foi.

Foi um enorme pesadelo.

Esqueçam os choros, as análises que se estendem até hoje e as 4 ou 5 pessoas que morreram no Maracanã durante o jogo. A derrota serviu para algo. Foi a partir de 1950 que o futebol brasileiro iniciou um processo de profissionalização que transformou-se em referência mundial e o deixou ainda mais popular que o remo - esporte mais tradicional do país no início do século.

Foi preciso perder uma Copa do Mundo em casa para ganharmos três das cinco seguintes - fato inédito até hoje.

1982

Primeira Lei de Newton. Inércia.

Um corpo não submetido à ação de forças não sofre variação de velocidade. Isto significa que, se está parado, permanece parado, e se está em movimento, permanece em movimento em linha reta e a sua velocidade se mantém constante.

Eis uma lei da física que não se aplica ao futebol. E o Brasil caiu nessa armadilha da inércia. Nosso movimento não se manteve na mesma direção.

Pelo contrário: regredimos.

timing point

A Copa do Mundo de 1982 deveria servir como do futebol brasileiro. É bastante claro: perdemos 50, ganhamos 58, nos consagramos em 70 e faríamos mais história do que nunca em 82. Curiosamente, tudo voltou-se para isso. A geração de jogadores e comissão técnica era a melhor desde a época de Pelé - e não tinha influência da Ditadura na escalação, como no anos anteriores.

A Copa do Mundo agora era do outro lado do oceano. Porém, o vírus daquele clima e festa de 1950 foi junto no avião até Sevilha. E por mais que isso fosse claro e admitido - tanto por imprensa como para torcedores - parecia haver argumentos para acreditar. A Seleção desfilava em campo e atropelava quem aparecesse pela frente. Demorou pouco para que a confiança se transformasse em soberba.

“O meu é melhor que o seu e vai te arrebentar”, diziam os torcedores menos céticos. Assim, a maioridade ética adquirida com o vexame de 1950 foi engolida pela ganância.

A Seleção Brasileira se tocou para a frente. Venceu a Argentina da Maradona e tomou-se de orgulho. Eis que surgiu a Itália. Somente um empate, um simples empate contra aquela seleção decadente que ainda não havia vencido no Mundial garantia o Brasil na final.

Veio Paolo Rossi.

Veio até o empate num golação de Falcão.

Mas veio um Telê Santana, possivelmente o melhor treinador de futebol que o país já teve, jogando o time para o ataque e buscando a classificação com vitória, não empate.

E aí veio mais um gol de Paolo Rossi.

A Itália foi para a final. A Itália foi campeã do Mundo. O Brasil ficou tal como sua postura naquele jogo indicaria: chupando o dedo.

Essa derrota de toda uma geração tem nova importância na construção do futebol brasileiro. A partir da metade dos anos 80 e inicio dos anos 90, descobrimos que era preciso, sim, continuar jogando como Brasil. Mas tinha muita gente boa jogando na Europa. O futebol vistoso descobriu que nada se ganha sem construção tática - até mesmo uma retrancada competição de tiro curto, como as Copas.

É óbvio que ninguém quer perder. Mas a idealização da derrota precisa ir além da vitória do adversário. O mero fato de admiti-la demonstra enfraquecimento de orgulho, uma postura adulta. O jogo, seja ele qual for ou qualquer resultado render, é vitorioso. Ou como escreveu Nelson Rodrigues após a final da Copa do Mundo de 1950 sintetizando com maestria o fracasso:

“Explode o silêncio.”

Perde-se, silencia-se, aprende-se. Continuamos crescendo.

Mecenas: Schweppes

Link YouTube

Não tem nada a ver com idade: um menino se torna um homem quando começa a ter atitude de um.

Homens não fazem doce, eles sabem que um toque amargo deixa tudo bem mais interessante.

Saiba mais na timeline da Schweppes no Facebook


publicado em 13 de Novembro de 2012, 07:24
File

Fred Fagundes

Fred Fagundes é gremista, gaúcho e bagual reprodutor. Já foi office boy, operador de CPD e diagramador de jornal. Considera futebol cultura. É maragato, jornalista e dono das melhores vagas em estacionamentos. Autor do "Top10Basf". Twitter: @fagundes.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura