Quando uma aluna mudou minha vida| Caixa-preta #6

A experiência de ser um "educator" e cruzar o trabalho de professor com o de palhaço.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

 

Quando o assunto é a relação aluno e professor, a maioria de nós foi criado dentro de uma caixa com moldes. Construiu-se uma hierarquia que tende a colocar o primeiro como um exemplo a ser seguido e o segundo como "subordinado", e muito se segue essa lógica sem questionar o porquê. 

Parece que os papéis foram engessados.

Comecei a pensar sobre quando eu era aluna na escola (e seria interessante se vocês também fizessem esse exercício pra compartilhar com a gente depois). Lembro de ver um professor no shopping e ficar surpresa, como se aquele cenário não combinasse com ele, ou ir na casa de amigas que eram filhas de educadoras e achar estranho ver a professora de matemática fazendo o almoço.

Nessa visão congelada sobre o lugar que aluno e educador ocupam, um lá outro cá, muitas travas acabam surgindo. Conversar com nosso entrevistado da semana me fez perceber o quanto perdemos com isso.

Varlei é diretor de teatro estudantil e também faz um trabalho de palhaço em sala de aula. No site do grupo em que atua ele explica melhor:

Somos um grupo de Teatro Estudantil. Isso, porém, não nos faz menores que outros artistas ou coletivos teatrais. O que nos difere, neste sentido, é que o trabalho é realizado com jovens atores, em idade escolar e atuamos dentro de uma escola, o Colégio Central Casa Branca. Temos, dessa forma, forte ligação e compromisso com a educação.

Varlei com uma turma de alunos em 2016

Ele é alguém hierarquicamente "acima" dos alunos, funcionário da escola e auxiliar do professor, mas não está ali para ditar regras e falar o que os alunos devem fazer. Campônio, nome do palhaço que o Varlei faz, entra em sala de aula para sentar junto com os alunos e fazer as atividades, mas com uma diferença: ele abre espaço para vulnerabilidade. Ele auxilia, conversa e erra. A partir disso, as crianças se conectam com ele e perdem o receio de cometer  equívocos e serem rechaçadas.

Em outros momentos da conversa, Varlei compartilha que está sempre aprendendo com as crianças. Elas fazem com que ele perceba seus defeitos e fraquezas. “A vulnerabilidade está sempre presente” disse, tanto nos jovens quanto nele, e acho que perceber, sentir e fazer algo a respeito disso é que nos torna mais humanos. 

São trocas assim que desmontam a relação engessada entre professor e aluno, trazendo possibilidades mil de aprendizado e deixando evidente a importância de perceber nuances em uma relação.

* * *

Caixa-preta é uma série de relatos em primeira pessoa, na qual homens quebram o silêncio e discutem momentos importantes de suas vidas ou do masculino. Sai toda quinta, aqui no portal e em nosso canal no YouTube.  


publicado em 13 de Abril de 2017, 10:00
Anahiga

Ana Noemi Higa

Videomaker do PapodeHomem e uma das idealizadoras do canal Papo de Mulher, espaço para contar as histórias de mulheres incríveis do nosso tempo.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: