Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Quantas pessoas você ama?

Os praticantes de poliamor não querem que você também se torne praticante de poliamor. Na verdade, a gente não liga a mínima para o que você faz. Queremos somente que VOCÊ não venha NOS dizer como viver nossa vida. Entendeu? É bem simples.

A família nuclear monogâmica heterossexual é tão válida como qualquer outra, mas acho graça quando as pessoas se referem a ela como sendo "a norma", "o normal" ou como algo que a modernidade corrompeu mas temos que "resgatar". Resgatar de onde? Normal em relação a quê?

Em milhares de anos de história dos relacionamentos humanos, passando por todas as combinações possíveis e imagináveis, esse pretenso paradigma não foi a regra nem mesmo na pequena parte do mundo que pretendeu fazer dele a regra: por exemplo, hoje nos EUA apenas 25% das famílias são a típica família nuclear monogâmica heterossexual.

Só muita ignorância da diversidade cultural humana explica considerar esse tipo de família como a regra geral da espécie em todos os tempos.

Sobre isso, recomendo o artigo Iconic 'Nuclear' Family Is a Work of Fiction ("A família nuclear icônica é uma ficção"), ou o sensacional livro O mito da monogamia, que traça as origens culturais da monogamia pelas sociedades humanas e por outras espécies animais.

Na verdade, só escrevi esse curto texto pra recomendar que assistam "Poliamor" (abaixo), o curta-metragem de José Agripino sobre pessoas que fizeram a opção de viver um amor diferente.

Se você leu esse texto e se sentiu ofendido, engajado, enojado, etc, talvez seja uma boa idéia ver o filminho.

E perceber que são pessoas como você e eu.

Poliamor from Zé Agripino on Vimeo.


publicado em 07 de Dezembro de 2011, 07:10
File

Alex Castro

alex castro é. por enquanto. em breve, nem isso. // esse é um texto de ficção. // veja minha vídeo-biografia, me siga no facebook, assine minha newsletter.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura