Compressorhead: a banda de heavy metal composta por robôs

Pois bem, apresento Compressorhead. A banda mais pesada do mundo. A banda de metal definitiva.

Sim, uma banda composta apenas por robôs!

Link Youtube | Motörhead – Ace Of Spades de um jeito que o Lemmy aprova

Link Youtube | Pantera tocado por robôs. Tão foda, tão absurdo, tão engraçado que só fica melhor com o som dos pistões pneumáticos

Link Youtube | HEY! HO! LET'S GO!

Quantos bateristas não sonharam com a possibilidade de ter quatro braços para tocar? Quantos guitarristas não gostariam de ter muito mais dedos para fazer seus solos? E quantos baixistas não gostariam de ser tão precisos a ponto de nunca, jamais, tocar uma nota fora do lugar?

Olha só o release deles.

Você já imaginou como Danny Carey soaria se tivesse quatro braços? E se Angus Young tivesse 78 dedos? Imagine como Robert Trujillo soaria se ele fosse feito de metal?
Bem, não imaginem mais, sacos de carne.
Compressorhead é a banda de heavy metal mais pesada do mundo.
Stickboy, Fingers e Bones certamente vão sacudir e agitar o mundo da música dos sacos de carne.
Stickboy (bateria) foi criado com as exatas especificações. Quatro braços, duas pernas, uma cabeça e nenhum cérebro. Ele toca uma Pearl com 14 peças e pedal duplo. Stickboy Junior, o filho bastardo de uma mãe desconhecida controlar o chimbal. Surgido em 2007.
Fingers (guitarra) se juntou ao Stickboy em 2009 e traz 78 dedos convenientemente construídos, o suficiente para tocar e dedilhar o braço inteiro.
Bones (baixo) é o baixista mais preciso de quem se tem conhecimento e o membro mais jovem da banda. Surgido em 2012.
Afastem-se, sacos de carne. Óleo é mais denso que sangue.

Agora eles só precisam do Stephen Hawking como vocalista.


publicado em 27 de Abril de 2013, 05:53
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura