Se faz, se paga

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Ah... vou te contar que a Lurdinha fodia bem, viu. Era um primor de mocidade, aquela menina.

Eu gostava era de pegar a pequena em pé mesmo, com as mãos na parede, bundinha empinada e na ponta dos pés. Lembrar dela me chamando de 'painho' enquanto gemia até hoje me deixa aceso. Não que isso seja lá algum grande feito. Ainda mais lá no bar. O povo de lá vive com a cabeça pros lados errados.

Meu amigo, quando a Lurdinha passava na frente da bodega, geralmente com aquele vestidinho de um azul quase mórbido que ela tinha que usar pra trabalhar, era um deus-nos-acuda com a rapaziada lá da sinuca. Não ficava um sem ouvir aquele capetinha bem do sacana a sussurrar putarias deliciosas de se fazer naquele corpinho que deslizava por debaixo daquele vestidinho azul “de funerária”.

E pensar que nem foi difícil. Bastou uma meia-dúzia de papo no ponto de ônibus ali pelas bandas da Cardeal Maior e ela já estava se engalfinhando comigo por aí.

Quando passava lá na frente do bar, fazia nem me conhecer, pra não dar nas vistas, sabe. A gente se achava quando ela descia do trabalho, encaixada naquele tubinho azul-defunto (ela ria de se mijar todinha quando eu botava esses nomes no azul do vestido). Ela ia por um lado da rua, eu seguia pelo outro lado, sabe como é. E a gente se acabava em algum daqueles quartinhos da pensão na Cardeal Maior.

lurdinha

Nunca vi uma apetência que nem aquela. A pequena me chegava cansada toda do trabalho e, mal fechava a gente no quarto, me agarrava todo, buscando os meus colhões. Dizia que só eu nesse mundo tinha colhões que nem aqueles meus. Dizia isso justamente porque só eu que tive a destemidez de querer algo assim com ela e que por mais que muitos homens por aí ficassem de cara quando ela passava, eu só que fui me aproximar pra mostrar esse intento.

A Lurdinha não dava mole pra ninguém porque ninguém chegava a dar bola pra ela e, quando a porta de qualquer que fosse o nosso quartinho se fechava, a Lurdinha despirocava de vez.

Eu só não sabia que a Lurdinha, mulher direita que se fazia na rua e na frente da bodega, ficava assim como ficava era por vingança. Eu nem sabia que a pequena era casada e muito menos que ela não recebia um tratamento desses quase que nada em casa. Mas o que eu deveria saber, meu irmão (e deus é testemunha que eu queria era saber), é que o marido da Lurdinha era polícia. Nada de graduação das grandes. Chutador de pombo mesmo. Mas ainda sim, um polícia.

Belo dia, como qualquer outro dia desses aí, apareceu arrebentando a porta do quartinho que eu estava. A Lurdinha lá, se enfiando embaixo do lençol pra me fazer um carinho e nem viu o primeiro murro. Tomei tanta pancada, tanta cacetada que fui enxergar com o olho esquerdo uns quatro dias depois.

Chutaram o pobre aqui nas costelas, o marido e mais dois lá do quartel. O danado do dono da pensão, cansado de ver tanto carnaval com a mulher de um cumpridor da lei, deu com a língua nos dentes e deu no que deu. Apanhei que nem homem feito e, por graças, não me deixaram desmaiar.

A coronhada no nariz me causou a dor maior. Naquele momento eu quis chorar de verdade. Mas não dava. Não quando se está apanhando por comer a esposa de um polícia. Se eu não firmo a cara, não estaria tomando aqui contigo.

A danada ainda passa por aqui. Nem veste mais aquele vestido com o azulado horroroso. Ainda faz nem me ver, mas agora é mais que compreensível. Não levantaram um dedo pra ela. E ela, esperta que só, não levanta um olhinho sequer pra ver como eu estou.

A Lurdinha foi, sem dúvida, a melhor foda que eu já tive.


publicado em 16 de Janeiro de 2010, 06:51
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: