Seja qual for o desfecho do impeachment, vamos precisar dialogar

Uma curadoria de artigos úteis e práticos para não se perder no dia da votação do impeachment e darmos conta de dialogar no dia seguinte

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Depois da votação das 14h, espero que o plano não seja pular o muro do impeachment com foice na mão e cortar cabeças do outro lado.

Vai ter amor sim. Beijo-protesto fura o muro do impeachment, criado para separar os que são pró e contra, em Brasília

Ninguém vai se mudar pro Canadá, ou pra Buenos Aires, acho. Todo mundo vai seguir no Brasil, aspirando que o país avance e que as condições de vida melhorem. É um beco sem saída: vamos precisar negociar, escutar, lidar com impasses indigestos.

Pesquisas indicam que 61% querem a saída de Dilma, mas 58% querem que Temer saia junto e 95% (!) rejeitam Eduardo Cunha, o segundo na linha sucessória da presidência.

Segundo a imprensa internacional, nossa democracia está sendo testada.

Vai ser lento. Mas talvez mais rápido se houver abertura ao diálogo.

Não sou o mais adequado para esmiuçar o contexto político do país, mas seria uma tristeza o PdH passar em branco em um dos dias mais importantes de nossa história recente.

Se temos um posicionamento claro, como veículo, é insistir em defesa do diálogo e da alfabetização política. Esse eixo não entra em choque com as diferentes visões e alinhamentos políticos pessoais dos editores da casa.

Por isso já recolocamos na capa três artigos: Comunicação não-violenta: o que é e como fazerO dia depois da crise; Como interpretar a constituição federal para exercer nosso papel político.

Também recomendo muito o "Como fazer melhores críticas e ser ouvido" e o "Não cometerás nenhuma dessas 24 falácias lógicas".

Uma oposição coerente passa por escutar, contrapor, reconhecer méritos e criar alternativas de modo conjunto. Criticar toda e qualquer coisa que um lado que não apoiamos faça me parece histeria, insanidade. Inviabiliza nossa sociedade.

Recapitulando a crise e pensando adiante

Como chegamos até aqui? O Brasil em sua hora decisiva

"Câmara decide se abre ou não processo de impeachment. Para além das manobras fiscais das quais Dilma é acusada, fatores como a Lava Jato, a recessão econômica e o distanciamento entre governo e Congresso compõem o contexto da votação."

Qual o estado da nossa democracia? Ouça 17 opiniões sobre o tema

"O impeachment de Dilma é um avanço ou um retrocesso do nosso regime político?"

Clique na imagem ou nesse link, o trabalho feito pelo Nexo para compilar as diferentes visões foi excelente e vale seu tempo

Os argumentos centrais contra e a favor do impeachment

"O debate sobre o impeachment de Dilma Rousseff tende a se polarizar em torno dos argumentos sobre se a presidente cometeu ou não crime de responsabilidade. Em tese, é a existência desse crime que autorizará o Congresso a aprovar ou não o impedimento do presidente da República."

Tudo que é preciso saber sobre o que é e como funciona o impeachment

"Entenda como funciona esse instrumento, quais são os trâmites no Congresso e em que condições ele pode ser aplicado."

Entenda em dois minutos as pedaladas fiscais:

 

* * *

Agora gostaríamos de escutar vocês. Quais outros artigos e pontos de visa recomendam? E quais caminhos sugerem para construirmos pontes de lucidez para atravessar esse momento tão tenso de nossa política?

Um abraço a todos.


publicado em 17 de Abril de 2016, 11:58
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: