Já está no ar nosso curso online de estilo “Mas você vai de chinelo?”. Inscreva-se agora! É gratuito e é pra todos os homens!

Seu declínio profissional está chegando (bem) mais cedo do que você imagina | Parte 1

Aprenda como tirar máximo proveito disso

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 47 nh 1 png
  • Logo havaianas 130x50 png

Nota do editor: este artigo de autoria de Arthur C. Brooks foi originalmente publicado na The Atlantic e trata de um tema que interessa a todos nós: o futuro do trabalho. O ponto de vista exposto aqui embaixo é muito interessante e relevante, então, decidimos traduzir e trazer pra vocês. Por tratar-se de um texto bastante longo, decidimos dividir em duas partes. Essa é a primeira e a segunda publicaremos na terça-feira que vem.

Seu declínio profissional está chegando (bem) mais cedo do que você imagina, parte 1 

“Não é verdade que ninguém precisa mais de você”.

Essas palavras vieram de uma mulher idosa sentada atrás de mim em um voo noturno de Los Angeles para Washington, D.C. O avião estava escuro e silencioso. Um homem que eu assumi ser seu marido murmurou quase inaudivelmente em resposta algo como "Eu queria de estar morto".

Mais uma vez, a mulher: “Vai, para de dizer isso”.

Não tive a intenção de entreouvir, mas não pude evitar. Escutava com fascinação mórbida, formando uma imagem do homem em minha cabeça enquanto eles conversavam. Imaginei alguém que trabalhou duro a vida toda em relativa obscuridade, alguém com sonhos não realizados - talvez o diploma que nunca obteve, a carreira que nunca perseguiu, a empresa que nunca fundou.

Ao final do vôo, quando as luzes se acenderam, finalmente dei uma olhada no homem desolado. Fiquei chocado. Eu o reconheci - ele era e ainda é mundialmente famoso. Em meados dos anos 80, havia sido adorado como um herói por sua coragem, patriotismo e conquistas de muitas décadas atrás.

Enquanto ele caminhava pelo corredor do avião atrás de mim, outros passageiros o cumprimentavam em veneração. Em pé à porta da cabine de comando, o piloto o parou e disse: “Senhor, te admiro desde que era um pequeno garoto.” O homem mais velho - aparentemente desejando a morte poucos minutos antes - sorriu orgulhoso pelo reconhecimento de suas glórias passadas.

Por razões egoístas, não consegui tirar a dissonância cognitiva daquela cena da minha mente. Isso aconteceu no verão de 2015, pouco depois do meu 51º aniversário. Eu não era mundialmente famoso como o homem no avião, mas minha vida profissional estava indo muito bem. Eu era o presidente de um próspero think tank de Washington, o American Enterprise Institute. Havia escrito alguns livros best-sellers. Pessoas vinham às minhas palestras. Minhas colunas foram publicadas no The New York Times.

Mas eu já havia começado a me perguntar: posso realmente continuar assim? Trabalho como um maníaco. Mas mesmo que trabalhasse 12 horas por dia, sete dias por semana, em algum momento minha carreira perderia fôlego e acabaria. E quando isso acontecesse, o que eu faria? Será que um dia olharia para trás melancolicamente, desejando estar morto? Havia algo que eu pudesse fazer, começando agora, para me dar uma chance de evitar o sofrimento - e talvez até alcançar felicidade - quando a música inevitavelmente parasse?

Embora essas questões fossem pessoais, decidi abordá-las como o cientista social que sou, tratando-as como um projeto de pesquisa. Pareceu antinatural - como um cirurgião tirando seu próprio apêndice. Mas segui em frente e, nos últimos quatro anos, tenho procurado descobrir como transformar meu eventual declínio profissional de uma questão temida em uma oportunidade de progresso.

Isso é o que descobri.

O campo dos “estudos sobre a felicidade” tem crescido nas últimas duas décadas, e um consenso sobre bem-estar se desenvolveu à medida que avançamos pela vida. Em The Happiness Curve: Why Life Gets Better After 50, Jonathan Rauch, um acadêmico da Brookings Institution e editor colaborador da Atlantic, analisa as fortes evidências que sugerem que a felicidade da maioria dos adultos declina ao longo dos 30 e 40 anos e volta a florescer a partir dos 50. Nada sobre esse padrão é absolutamente definitivo, é claro. Mas os dados parecem estranhamente consistentes com a minha experiência: meus 40 e início dos 50 não foram um período especialmente feliz da minha vida, apesar das minhas conquistas profissionais.

Então, o que esperar depois disso, com base na ciência? As novidades são mistas. Quase todos os estudos sobre felicidade ao longo de toda a vida mostram que, nos países mais ricos, a satisfação da maioria das pessoas começa a aumentar novamente nos seus 50 anos até os 70 anos de idade. É aí que as coisas ficam menos previsíveis, no entanto. Depois dos 70 anos, algumas pessoas permanecem estavelmente felizes; outros vão ficando mais e mais felizes até a morte. Outros - homens em particular - vêem sua felicidade despencar. De fato, as taxas de depressão e suicídio em homens aumentam após os 75 anos.

Este último grupo parece incluir o herói do avião. Alguns pesquisadores analisaram esse conjunto de pessoas para entender o que causa sua infelicidade. E isto é, em uma palavra, a irrelevância. Em 2007, uma equipe de pesquisadores acadêmicos da UCLA e Princeton analisou dados de mais de 1.000 adultos mais velhos. Suas descobertas, publicadas no Journal of Gerontology, mostraram que idosos que raramente ou nunca "se sentiam úteis" eram quase três vezes mais propensos a desenvolver uma deficiência leve do que aqueles que freqüentemente se sentiam úteis, e eram mais de três vezes mais propensos a morrer durante o curso da pesquisa.

Pode-se pensar que pessoas talentosas e realizadas, como o homem no avião, seriam menos suscetíveis a esse sentimento de irrelevância do que outras; afinal de contas, realização pessoal é uma fonte bem documentada de felicidade. E se a realização atual traz felicidade, então a memória dessa realização também não deveria proporcionar alguma felicidade?

Talvez não. Embora a literatura sobre esta questão seja esparsa, talento e realizações no início da vida não parecem assegurar-nos contra o sofrimento mais tarde. Em 1999, Carole Holahan e Charles Holahan, psicólogos da Universidade do Texas, publicaram um artigo influente no The International Journal of Aging and Human Development que analisou centenas de adultos mais velhos que, no início da vida, foram identificados como altamente talentosos. Conclusão de Holahans: “Saber-se já em idade tenra pertencente a um grupo de superdotação intelectual estava relacionado a… bem-estar psicológico menos favorável aos oitenta anos de idade”.

Este estudo pode estar simplesmente mostrando que é difícil satisfazer altas expectativas, e que dizer ao seu filho que ele é um gênio não é necessariamente parte de uma boa criação. (Os Holahans supõem que as crianças identificadas como superdotadas poderiam ter tornado a habilidade intelectual muito central para sua auto-estima, criando “expectativas irrealistas de sucesso” e fazendo com que elas deixassem de “levar em consideração as muitas outras influências da vida no sucesso e reconhecimento”).

No entanto, evidências abundantes sugerem que o declínio de uma capacidade em pessoas de alta performance é especialmente brutal psicologicamente. Pense em atletas profissionais, muitos dos quais sofrem profundamente após o término de sua carreira esportiva. Há muitos exemplos trágicos envolvendo depressão, dependência ou suicídio; a infelicidade em atletas aposentados pode até ser a norma, pelo menos temporariamente. Um estudo publicado no Journal of Applied Sport Psychology, em 2003, que mapeou o quanto ex-atletas olímpicos estavam satisfeitos com suas vidas descobriu que eles geralmente lutavam com um baixo senso de controle pessoal logo que pararam de competir.

Recentemente, perguntei a Dominique Dawes, ex-ginasta olímpico medalhista de ouro, como era ter uma vida normal depois de competir e vencer nos níveis mais altos.

Ela me disse que está feliz, mas que o ajuste não foi fácil - e ainda não é, apesar de ela ter ganho sua última medalha olímpica em 2000. “Meu eu olímpico arruinaria meu casamento e deixaria meus filhos se sentindo inadequados” ela falou, por ser tão exigente e ambicioso. “Viver a vida como se todo dia fossem Olimpíadas só faz com que as pessoas ao meu redor se sintam infelizes.”

Por que atletas de elite lutam tanto com isso? Ainda nenhuma pesquisa acadêmica provou isto, mas suspeito fortemente que a memória de uma habilidade notável, se essa é a fonte de sua autoestima, poderia, para alguns, fornecer um contraste ingrato para sua vida posterior, menos notável. "Infeliz é aquele que depende do sucesso para ser feliz", escreveu certa vez Alex Dias Ribeiro, ex-piloto de carros de Fórmula 1. “Para essa pessoa, o fim de uma carreira de sucesso é o fim da linha. Seu destino é morrer de amargura ou buscar mais sucesso em outras carreiras e continuar vivendo do sucesso ao sucesso até que morra. Neste caso, não haverá vida após o sucesso ”.

Dê a isso o nome de Princípio da Gravitação Psicoprofissional: a ideia de que a agonia do esquecimento profissional está diretamente relacionada com o auge do prestígio anteriormente alcançado e com o apego emocional a esse prestígio.

Problemas relacionados à sucesso profissional podem parecer uma boa espécie de problema para se ter; até mesmo levantar esta questão é algo delicado.

Mas, se você atingir certo nível profissional e estiver profundamente investido em estar no topo, poderá sofrer muito quando inevitavelmente cair. Este é o homem no avião. Talvez seja você também. E, se algo significativo não mudar, suspeito que seja eu.

O Princípio da Gravitação Psicoprofissional pode ajudar a explicar os muitos casos de pessoas que realizaram trabalhos de importância histórica mundial, mas acabam se sentindo fracassados. Veja Charles Darwin, que tinha apenas 22 anos quando iniciou sua viagem de cinco anos a bordo do Beagle em 1831.

Ao voltar, então com 27 anos, foi celebrado em toda a Europa por suas descobertas em botânica e zoologia e por suas primeiras teorias da evolução. Nos 30 anos seguintes, Darwin orgulhou-se de se sentar no topo da hierarquia das celebridades-cientistas, desenvolvendo suas teorias e publicando-as como livros e ensaios - o mais famoso deles, On the Origin of Species, em 1859.

Mas à medida que Darwin entrou em seus 50 anos, estagnou; ele não conseguiu mais progredir em sua pesquisa. Ao mesmo tempo, um monge austríaco chamado Gregor Mendel descobriu o que Darwin precisava para continuar seu trabalho: a teoria da herança genética.

Infelizmente, o trabalho de Mendel foi publicado em um jornal acadêmico de baixo alcance e Darwin nunca o viu - e, de qualquer forma, não teria a capacidade matemática de entendê-lo. Daí em diante, fez pouco progresso. Deprimido em seus últimos anos, escreveu a um amigo próximo: "Eu não tenho coragem, nem força na minha idade para iniciar qualquer pesquisa que dure anos, que é a única coisa que gosto".

Presumivelmente, Darwin ficaria positivamente surpreso ao saber como sua fama cresceu após sua morte, em 1882. No entanto, de seu ponto de vista ainda na velhice, o mundo lhe havia superado, e ele, se tornado irrelevante. O homem atrás de mim no avião naquela noite poderia ter sido Darwin.

Também poderia ter sido uma versão mais nova de mim, porque tive uma experiência precoce de declínio profissional.

Quando criança, eu tinha apenas um objetivo: ser o melhor músico de trompete do mundo. Trabalhei nisso servilmente, praticando horas por dia, procurando os melhores professores e tocando em qualquer conjunto que eu pudesse encontrar. Eu tinha fotos de famosos trompistas na parede do meu quarto para me inspirar. E por um tempo, pensei que meu sonho pudesse se tornar realidade.

Aos 19 anos, saí da faculdade para trabalhar profissionalmente em um conjunto de música de câmara em turnê. Meu plano era continuar subindo na hierarquia da música clássica, juntando-se a uma orquestra sinfônica de alto nível em alguns anos ou talvez até se tornando solista - o trabalho mais ilustre que um músico clássico pode ter.

Mas então, aos 20 e poucos anos, uma coisa estranha aconteceu: comecei a piorar. Até hoje não faço ideia do porquê. Minha técnica começou a deteriorar e eu não tinha nenhuma explicação para isso. Nada ajudou. Visitei ótimos professores e pratiquei mais, mas não consegui voltar a tocar como antes. Peças que eram fáceis de tocar tornaram-se difíceis; peças difíceis tornaram-se impossíveis.

Talvez o pior momento na minha carreira jovem, mas cheia de altos e baixos, tenha acontecido aos 22 anos, quando estava tocando no Carnegie Hall. Enquanto fazia um pequeno discurso sobre a música que estava prestes a tocar, dei um passo à frente, perdi o equilíbrio e caí do palco em direção à plateia. A caminho de casa depois do concerto, refleti tristemente que a experiência tinha certamente sido uma mensagem de Deus.

Mas insisti por mais nove anos. Arranjei trabalho na Orquestra da Cidade de Barcelona e aumentei minha prática, mas minha performance continuou gradualmente deteriorando-se. Eventualmente, encontrei emprego para lecionar em um pequeno conservatório de música na Flórida, na expectativa de uma reviravolta mágica que nunca se concretizou.

Percebendo que talvez eu devesse me garantir com outras opções, voltei para a faculdade por meio de ensino à distância e obtive meu diploma de bacharel pouco antes do meu trigésimo aniversário. Eu secretamente continuei meus estudos à noite, concluindo um mestrado em economia um ano depois. Finalmente, tive que admitir a derrota: eu nunca iria reverter o final falho de minha carreira musical. Então, aos 31 anos, desisti, abandonando inteiramente minhas aspirações musicais, para fazer um doutorado em políticas públicas.

A vida continua, certo? Meio que sim. Depois de terminar meus estudos, tornei-me um professor universitário, um trabalho de que gostava. Mas ainda pensava todos os dias sobre minha amada primeira vocação. Mesmo agora, sonho regularmente que estou no palco e acordo para lembrar que minhas aspirações de infância são agora apenas fantasmas.

Tenho sorte de ter aceito meu declínio em idade jovem o suficiente para poder redirecionar minha vida para uma nova carreira. Ainda assim, até hoje, o tormento desse declínio precoce torna essas palavras difíceis de serem escritas. Prometi a mim mesmo que isso nunca aconteceria novamente.

Acontecerá? Em algumas profissões, o declínio precoce é inescapável. Ninguém espera que um atleta olímpico permaneça competitivo até os 60 anos de idade. Mas em muitas ocupações fisicamente não exigentes, rejeitamos implicitamente a inevitabilidade do declínio antes da velhice.

Claro, nossos corpos podem enfraquecer um pouco à medida que envelhecemos. Mas enquanto mantivermos nossa lucidez, nossa qualidade de trabalho como escritor, advogado, executivo ou empreendedor deve permanecer alta até o fim, certo? Muitas pessoas pensam assim.

Recentemente conheci um homem um pouco mais velho do que eu que me disse que planejava “forçar até que não aguentasse mais”. Na verdade, ele planejava ficar no topo de sua carreira usando de todos os meios necessários, para depois cair de joelhos e se entregar.

Mas provavelmente ele não conseguirá. Os dados são chocantemente claros ao evidenciar que, para a maioria das pessoas, na maioria dos campos de trabalho, o declínio começa mais cedo do que quase todo mundo pensa.

Segundo pesquisas de Dean Keith Simonton, professor emérito de psicologia na UC Davis e um dos maiores especialistas do mundo em trajetórias de carreiras criativas, sucesso e aumento de produtividade nestas carreiras estão em crescente nos primeiros 20 anos após seu início, em média. Então, se você começar uma carreira aos 30 anos, espere fazer o seu melhor trabalho em torno de 50 e entrar em declínio logo depois disso.

Os momentos específicos de pico e declínio variam um pouco dependendo do campo. Benjamin Jones, professor de estratégia e empreendedorismo na Kellogg School of Management da Northwestern University, passou anos estudando quando as pessoas têm maior probabilidade de realizar descobertas científicas vencedoras de prêmios e desenvolver invenções importantes. Suas descobertas podem ser resumidas por essa pequena canção:

A idade é, claro, uma febre ligeira
que todo físico deve temer.
Ele está melhor morto do que vivendo ainda
quando tiver passado de seus trinta anos.

O autor dessas linhas sombrias? Paul Dirac, ganhador do Prêmio Nobel de Física em 1933.

Dirac está exagerando, mas só um pouco. Olhando para os principais inventores e ganhadores do Nobel que remontam a mais de um século, Jones descobriu que a idade mais comum para a produção de uma obra-prima é o final dos 30 anos.

Ele demonstrou que a probabilidade de realizar uma descoberta importante aumenta de forma constante ao longo dos 20 e 30 anos e depois diminui ao longo dos 40, 50 e 60 anos. Existem exceções? Claro. Mas a probabilidade de produzir uma grande inovação aos 70 anos é aproximadamente a mesma de fazê-lo aos 20 - quase inexistente.

Grande parte da produção literária segue um padrão similar. Simonton mostrou que os poetas atingem o pico de qualidade em seus trabalhos pelos 40 anos. Romancistas geralmente demoram um pouco mais. Quando Martin Hill Ortiz, poeta e romancista, coletou dados sobre os best-sellers de ficção do New York Times de 1960 a 2015, descobriu que os autores eram mais propensos a alcançar o primeiro lugar em seus 40 e 50 anos.

Apesar da famosa produtividade de alguns romancistas até a velhice, Ortiz mostra uma queda acentuada na chance de escrever um best-seller depois dos 70 anos de idade. (Alguns escritores de não-ficção - especialmente historiadores - chegam ao pico mais tarde, como veremos em um minuto.)

Empreendedores atingem o pico e declínio mais cedo, em média. Depois de ganhar fama e fortuna em seus 20 anos, muitos empreendedores de tecnologia estão em declínio criativo aos 30 anos. Em 2014, a Harvard Business Review informou que fundadores de empresas avaliadas por investidores em US$ 1 bilhão ou mais tendem a se agrupar na faixa etária de  20 a 34 anos. Pesquisas subsequentes descobriram que a faixa etária pode até ser um pouco mais velha, mas todos os estudos nesta área descobriram que a maioria das startups de sucesso tem fundadores com menos de 50 anos.

Esta pesquisa diz respeito a pessoas no topo de uma hierarquia de profissões atípicas, mas seu preceito básico parece se aplicar de maneira mais ampla. Acadêmicos do Boston College’s Center for Retirement Research estudaram uma ampla variedade de empregos e encontraram considerável suscetibilidade ao declínio relacionado à idade em áreas que vão do policiamento à enfermagem.

Outra pesquisa descobriu que os árbitros com melhor desempenho na Major League Baseball têm 18 anos a menos de experiência e são 23 anos mais novos do que os árbitros com pior desempenho (que têm 56,1 anos, em média). Entre os controladores de tráfego aéreo, o declínio relacionado à idade é tão acentuado - e as conseqüências potenciais dos erros relacionados ao declínio são tão terríveis - que a idade de aposentadoria compulsória é 56 anos.

Em resumo, se a sua profissão requer velocidade de processamento mental ou capacidades analíticas significativas - o tipo de profissão que a maioria dos profissionais com qualificação universitária ocupa - um declínio perceptível provavelmente se instalará mais cedo do que você imagina.

Sinto muito.

Se o declínio não é apenas inevitável, mas também acontece mais cedo do que a maioria de nós espera, o que devemos fazer em relação a isso?

Seções inteiras de livrarias são dedicadas a como ser bem-sucedido. As prateleiras estão repletas de títulos como “A ciência por trás do enriquecimento” e “Os 7 hábitos das pessoas altamente eficientes”. Não há uma seção do tipo "Gerenciando seu declínio profissional".

Mas algumas pessoas conseguiram lidar bem o declínio. Considere o caso de Johann Sebastian Bach. Nascido em 1685 em meio a uma longa lista de músicos proeminentes na Alemanha central, Bach rapidamente se destacou como um gênio musical. Ao longo de seus 65 anos, ele publicou mais de 1.000 composições para todas as instrumentações disponíveis de sua época.

No início de sua carreira, Bach era considerado um organista e improvisador incrivelmente talentoso. Dinheiro entrava em larga escala; a realeza procurou-o; jovens compositores imitaram seu estilo. Ele gozava de autêntico prestígio.

Mas não durou - em grande parte porque sua carreira foi superada por tendências musicais introduzidas por, entre outros, seu próprio filho, Carl Philipp Emanuel, conhecido como C.P.E. pelas gerações seguintes. O quinto dos 20 filhos de Bach, C.P.E. tinha os talentos musicais de seu pai. Ele dominou o idioma barroco, mas ficou mais fascinado com um novo estilo de música “clássico” que estava tomando a Europa de assalto. Enquanto a música clássica desbancava o barroco, o prestígio de C.P.E. crescia enquanto a música de seu pai se tornava obsoleta.

Bach poderia facilmente ter se tornado amargurado, como Darwin. Em vez disso, ele escolheu redesenhar sua vida, passando de inovador para instrutor. Ele passou boa parte de seus últimos 10 anos escrevendo The Art of Fugue, um trabalho que não ficou famoso ou popular em sua época, mas que pretendia ensinar as técnicas do barroco a seus filhos e alunos - e, por mais improvável que isto parecesse à época, para qualquer futura geração que pudesse estar interessada. Em seus últimos anos, viveu uma vida mais calma como professor e homem de família.

Qual é a diferença entre Bach e Darwin? Ambos eram superdotados e amplamente conhecidos no início da vida. Ambos alcançaram a fama permanente postumamente.

Onde eles diferiram foi em suas abordagens ao declínio da meia-idade. Quando Darwin ficou para trás como inovador, ele ficou desanimado e deprimido; sua vida terminou em triste inatividade. Quando Bach ficou para trás, se reinventou como instrutor mestre. Ele morreu adorado, realizado e, embora menos famoso do que antes, respeitado.

A lição para você e para mim, especialmente depois dos 50: seja Johann Sebastian Bach, não Charles Darwin.

E como fazer isso?

Uma possível resposta está no trabalho do psicólogo britânico Raymond Cattell, que no início da década de 1940 introduziu os conceitos de inteligência fluida e cristalizada.

Cattell definiu a inteligência fluida como a capacidade de raciocinar, analisar e resolver novos problemas - o que comumente consideramos como potência intelectual nata. Os inovadores normalmente possuem uma abundância de inteligência fluida. É mais alta relativamente cedo na idade adulta e diminui a partir dos 30 e 40 anos. É por isso que os empreendedores de tecnologia, por exemplo, se dão bem tão cedo, e por que as pessoas mais velhas têm muito mais dificuldade em inovar.

Inteligência cristalizada, por outro lado, é a capacidade de usar o conhecimento adquirido no passado. É como possuir uma vasta biblioteca e entender muito bem como usá-la. É a essência da sabedoria. Como a inteligência cristalizada depende de um estoque acumulado de conhecimento, ela tende a aumentar até os 40 anos e não diminui até muito tarde na vida.

As carreiras que dependem principalmente da inteligência fluida tendem a atingir o pico mais cedo, enquanto as que usam mais de inteligência cristalizada atingem o pico mais tarde. Por exemplo, Dean Keith Simonton descobriu que os poetas - altamente fluidos em sua criatividade - tendem a produzir metade de sua produção criativa por volta dos 40 anos. Os historiadores - que dependem de um estoque de conhecimento cristalizado - não atingem esse marco até cerca de 60 anos.

Aqui está uma lição prática que podemos extrair de tudo isso: não importa a combinação de inteligência que seu campo exija, você sempre pode tentar levar sua carreira para longe da inovação e para as fortalezas que persistem ou até aumentam mais tarde na vida.

Como o quê? Como demonstrou Bach, o ensino é uma habilidade que só se deteriora muito tarde na vida, uma exceção ao padrão geral de declínio profissional ao longo do tempo.

Um estudo publicado no Journal of Higher Education mostrou que quanto mais velhos são os professores universitários de disciplinas que exigem uma grande quantidade de conhecimento fixo, especificamente as ciências humanas, melhor tendem a ser avaliados pelos alunos.

Isso provavelmente explica a longevidade profissional dos professores universitários, três quartos dos quais planejam se aposentar depois dos 65 anos - mais da metade deles após os 70 anos, e cerca de 15% deles após os 80 anos. (O americano médio se aposenta aos 61 anos). Durante o meu primeiro ano como professor, perguntei a um colega no final dos seus 60 anos se ele já havia pensado em se aposentar. Ele riu e me disse que era mais provável que saísse de seu escritório na horizontal do que na vertical.

Nosso reitor pode ter dado pesarosas risadas com isso - administradores das universidades reclamam que a produtividade de pesquisa entre os professores titulares cai significativamente nas últimas décadas de suas carreiras. Professores mais velhos consomem boa parte do dinheiro que poderia ser usado para contratar jovens acadêmicos com fome de pesquisas de ponta.

Mas talvez aí esteja uma oportunidade: se os membros mais antigos do corpo docente puderem mudar o foco de seu trabalho da pesquisa para o ensino sem perda de prestígio profissional, os membros mais jovens do corpo docente poderão dedicar-se mais às pesquisas.

Padrões como este combinam com o que vi como chefe de um think tank cheio de intelectuais de todas as idades. Há muitas exceções, mas as ideias mais poderosas tendem a vir das pessoas com 30 e 40 anos. Os melhores sintetizadores e explicadores de ideias complicadas - ou seja, os melhores professores - tendem a ter mais de 60 anos ou mais, alguns deles com mais de 80 anos.

Que as pessoas mais velhas, com suas reservas de sabedoria, deveriam ser os professores mais bem-sucedidos parece obviamente correto.

Não importa qual seja a nossa profissão, à medida que envelhecemos, podemos nos dedicar a compartilhar conhecimento de alguma forma significativa.


publicado em 16 de Julho de 2019, 17:18
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: