Situações que constroem o caráter de um homem. Ou não.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Antes que venham os perdedores e fracassados e fiquem de "mimimi" nos comentários, aviso: não estou dizendo que essas são as únicas situações que constroem caráter, tampouco que são as melhores. Então simbora.

Dormir na rua

Eu não estou falando de dormir na rua numa cidade pequena em época de carnaval com 2 travecos do lado, afinal todo mundo já fez isso (quero dizer, acredito que sim). Estou falando de dormir numa calçada em uma cidade grande. Sim, já fiz isso.

Eu, meu irmão e mais 2 amigos ficamos como vigías numa construção no subúrbio do Rio. A casa estava só no esqueleto e telhado, não dava pra dormir dentro. Mas já tinham equipamentos e materiais que não poderiam ser roubados (betoneiras, pás, picaretas, cimento). Então nós quatro combinamos de vigiar da calçada em frente, ou seja, um ficaria acordado e os outros dormiriam. Mas vocês sabem, 4 homens relativamente jovens passando a noite juntos só pode dar errado.

Levamos uma geleira cheia de cerveja, tira-gosto, um CD player e uns CDs de metal. Eu satisfiz um desejo, que era tomar uma cerveja, deitado no telhado em uma noite superestrelada ouvindo And Justice For All do todo poderoso Metallica. Não consegui dormir no telhado, pois era muito desconfortável.

Depois todos nos juntamos na calçada em frente pra trocar ideias e beber mais (já devia ser de madrugada). Alguns tiros de uma favela próxima nos deixaram apreensivos, pois, apesar de estarmos vigiando, era só pra não deixar totalmente abandonado. Se alguém quisesse roubar não faríamos absolutamente nada.

Um membro do grupo estava bebendo a cerva como se fosse água, e até aí tudo bem. Cada um bebe no ritmo que aguenta e gosta. Só que o cara não estava acostumado a beber, rapidamente chapou e começou a falar coisas desconexas pra alegria dos outros 3 quase sóbrios.

pedreiro
Um de nós comemorando o renascimento no dia seguinte.

Bem, fomos dormir na calçada usando aquelas esponjas de pedreiro como travesseiro. Felizmente estava no calor de janeiro do Rio de Janeiro. Algum tempo depois, não sei se horas ou minutos, o cidadão que bebeu muito levanta e diz: “To meio enjoado”. E começa a vomitar na minha direção. Eu levantei num pulo e os outros dois também!

Eu, que não posso ver ninguém vomitando solitariamente, me juntei no espetáculo. Na sequência, meu outro amigo, não aguentando, vomitou também. O único que não vomitou foi meu irmão mais velho, que debochando da gente ajudou a limpar a calçada do vizinho. Fim de festa.

Pegar ônibus em estradas no meio do nada

Essa é demais. Você sai às 5h da matina do meio do nada, caminha 30 minutos para lugar nenhum, com sua mochila e para numa encruzilhada onde, "dizem", passa um ônibus para uma cidade relativamente grande.

Sim, eu fiz isso num dia frio pra cacete. Pelo menos, às 5h quase tem sol e ele vai aparecer em algum horário. Na verdade, quando deu 12:00, eu tive que tirar o casaco e uma camisa. E quando isso acontece de noite?

Eu tive o privilégio de, no interior do Espírito Santo, perder o último ônibus para a cidade onde eu morava, que, se eu não me engano, saiu às 21h30. Peguei um táxi e tentei alcançar o ônibus. Não consegui e fiquei na borda da cidade com o mínimo de dinheiro possível. O que fazer?

Só tinha duas opções, a primeira: andar para a cidade onde eu morava. Seriam 2 ou 3 horas de caminhada por uma estrada escura e deserta. A segunda era pedir carona e torcer para não encontrar nenhum maníaco assassino. De qualquer maneira, poderia não encontrar ninguém que fosse pra cidade e ter de ficar em outra bifurcação no meio do nada.

carona
Não foi bem essa a cena...

Eu juro que em momentos como esse você lembra de todos os roteiros de filmes de suspense e terror que você já viu na vida. Ficar sozinho numa estrada deserta definitivamente constrói caráter.

Consegui pegar carona com um simpático casal que morava na mesma cidade que eu e eles nem tentaram me matar ou coisa do gênero.

Esconder-se de tiroteio

Definitivamente esta constrói caráter. Os leitores cariocas vão se identificar, mas a grande maioria dos leitores do resto do país talvez achem estranho.

Eu descobri, nas minhas andanças pelo país, que muitas pessoas passam a vida sem ouvir um tiro sequer. Isso é realmente estranho para mim, que fugi do primeiro tiroteio quando tinha 12 anos. Na verdade não fugi, fiquei congelado observando a Veraneio da PM entrando atirando a esmo na favela. Um amigo me puxou pra dentro de uma casa.

Claro que não foi minha única experiência. Já fui recebido com 9mm cromadas, uzis e submetralhadores tanto por traficantes como por PMs. Numa dessas estava com um conhecido muito frouxo que só porque apontaram uma sub pra ele, ficou quase traumatizado. Frescura né?

clint-eastwood
É o que chamam de recepção calorosa.

Bater laje na favela

Quem nunca bateu uma laje numa favela está perdendo uma experiência única. Nesses dias em que os artigos de frangote desse site só falam de experiências sexuais ou apetrechos metrossexuais, uma experiência máscula realmente é única.

Bem, a primeira vez que eu bati uma laje na favela foi quando eu tinha 13 anos. Quase caí quando me deram o primeiro balde preto cheio de concreto. E ainda tinha de carregar e levantar pra alguém na escada. Depois de algumas horas, já estava totalmente ferrado de carregar peso. Aí teve apareceu uma cachaça, e não é um mutirão na favela se não tiver uma cachaça bem vagabunda.

Então, depois de tomar a cachaça, com a barriga vazia e o corpo dolorido, resolvi subir na laje e ver como estava. Fui avisado para não pisar no tijolo, só nas vigas pré-moldadas. Muito útil para um moleque de 13 anos baqueado por causa da cachaça. O óbvio aconteceu, pisei no tijolo e uma perna desceu toda arranhada e a outra ficou em cima com o resto do corpo. Felizmente a altura não era muita e alguém me levantou.

Mas o dia estava só começando. Não é possível esquecer o almoço de peão: macarrão com molho de tomate, feijão, arroz, rabada, frango, cachaça e cerveja. Claro que almoço é modo de falar, não se para uma laje pra almoçar. Começou às 7:30 e só acabou às 16:00h.

E construiu meu caráter também (ou não).


publicado em 12 de Outubro de 2009, 17:30
8eb17cb6360d4d10ef0ba66318848fc5?s=130

Marcão

Marcão foi montado de partes de fracotes mortos e existe pra guiá-los a uma terra onde as espadas estão sempre banhadas com o sangue dos inimigos, a cerveja brota do chão e as mulheres são lindas.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: