Sociedades monogâmicas bebem mais, da série "eu já sabia"

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Para nós, Homo sapiens modernos, termos um único parceiro(a) para relacionamentos afetivos é um conceito relativamente natural e óbvio sobre o qual se estrutura uma sociedade.

No entanto, em uma perspectiva global, perpassando culturas ao longo da história, a monogamia não é nada óbvia.

Err... querida, estou bêbado como um macaco pré-histórico, mas juro que não puxei nenhuma outra primata pelos cabelos! burp...

Essa é parte da proposta inicial de um estudo chamado "Mulheres ou vinho? Monogamia e álcool", conduzido pelos economistas Mara Squicciarini and Jo Swinnen, da Universidade de Leuven. Segue um trecho abaixo:

De maneira intrigante, ao redor do mundo os principais grupos sociais que praticam a poligamia não consomem álcool. Investigamos se existe uma relação entre o consumo de álcool e arranjos sociais polígamos/monogâmicos, ao longo do tempo e de diferentes culturas. Historicamente, encontramos uma correlação entre a mudança de poligamia para monogamia com o crescimento do consumo de álcool.
Comparando culturas distintas, também descobrimos que sociedades monogâmicas consomem mais álcool do que sociedades polígamas no mundo pré-industrial.

Olha aí a alegria do machão estampada na imagem

Então quer dizer que pra voltar pra casa todo dia para relacionamentos aprisionantes com a mesma mulher sociedades inteiras cultivaram o hábito de encher a cara mais, melhor e com peridiocidade militar ao longo dos séculos? Nãaaaooooo... Quem já sabia dessa vira um copo!

Aos sóbrios mais críticos indico a leitura dos livros Sexo ao Alvorecer e Uncorking the Past.


publicado em 08 de Janeiro de 2011, 11:28
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: