Somos todos viciados na droga da felicidade.

Pergunta rápida, internauta. Você sabia que o seu organismo é capaz de produzir uma droga muito mais forte do que a heroína?

Essa droga é natural, não tem quaisquer efeitos colaterais.

As pessoas pagam caro pra caralho, sonhando alcançar os mesmos estados físico-psíquicos que a endorfina nos proporciona. As endorfinas nada mais são do que poderosos analgésicos bioquímicos produzidos pelo cérebro - um dos descobrimentos científicos mais relevantes do homem. A massagem, os esportes, a música e, principalmente, fazer o que temos vontade são os principais geradores de endorfinas.

Endorfina nos faz sentir bem. A droga da felicidade é, em suma, fazer o que temos vontade. Somos viciados nisso.

E se...

Fossemos treinados para ter vontade de não fazer porra nenhuma. Vontade de nos dedicar somente à rotina e ao ócio, sem provocar grandes tumultos em nossa pacata e satisfatória vida cotidiana.

Compartilho com vocês o maravilhoso HQ abaixo, mote inspirador do artigo de hoje. Ele faz um embate entre as obras Admirável Mundo Novo, de Aldous Huxley, e 1984, de George Orwell. Leituras indispensáveis.

Ao que parece, o velho Huxley sabia das coisas - alguns já notavam em 2001. Para digerir com atenção.

Aldous Huxley vs George Orwell

HQ com texto do livro
"Amusing Ourselves to Death"
, de Neil Postman.  | Crédito:
Blog Accelerating Future

--

Então, o que as abas do seu navegador contam sobre sua "independência", meu caro?

Quer colocar isso em prática?

Para quem está cansado de apenas ler, entender e compartilhar sabedorias que não sabemos como praticar, criamos o lugar: um espaço online para pessoas dispostas a fazer o trabalho (diário, paciente e às vezes sujo) da transformação.

veja como entrar e participar →


publicado em 13 de Setembro de 2010, 13:16
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura