Abrimos as inscrições para o PAI 2021: Os desafios das paternidades atuais. Temos encontro marcado dias 02 e 03 de agosto. Você vem?

Um exercício para ampliar a sensibilidade e o repertório na vida sexual

Cláudio Serva, do Prazerele, nos ensina uma técnica bacana e convida interessados para participar do seu curso "Potência sexual e masculinidades saudáveis"

Olá, Musos!

Aqui é o Cláudio do @Prazerele e a convite do PdH trago pra você uma ferramenta muito poderosa que vai ampliar seu repertório de intimidade na vida sexual. Vamos lá?

Nós humanos somos seres integrais, com isso quero dizer que nós temos 5 sentidos, todos com a função de nos ajudar a compreender o que acontece internamente e externamente ao nosso corpo: prazer, dor, cheiros, beleza, sensações agradáveis e desagradáveis.

Com frequência nós usamos os nossos sentidos apenas para sobreviver e não para superviver.

Por exemplo, usamos o tato para descer os degraus de uma escada sem cair, mas não usamos o tato para sentir o calor do sol que toca a nossa pele enquanto descemos esses degraus. Não cair da escada é uma questão de sobrevivência, mas sentir o calor do sol na pele é algo só para sentir prazer.

Foto por Sharon Mccytcheo

Suprimimos a supervivência dos nossos sentidos, o desfrute, muitas vezes pela correria da vida, pela necessidade de sobreviver. E, claro, acabamos repetindo esse comportamento com a nossa intimidade.

Não nos conectamos conscientemente com o cheiro do nosso parceiro ou parceira, por exemplo, ou com os sabores daquela pessoa. Não nos conectamos com o olhar — tanto no sentido de perceber a pessoa junto de você, quanto no sentido de perceber internamente o que você tá sentindo.

Essa educação para a sobrevivência, somada às referências da pornografia, conduz e constrói um homem que acaba sendo pouco conectado com os sentidos, até porque "homem que é homem não pode chorar". Não se pode pode sentir e, se o fizer, será chamado de "viado" no sentido mais pejorativo possível.

No lugar de sentir conscientemente com todas as nuances, possibilidades e potência dos nossos sentidos, nós limitamos muito o sentir do corpo ao genital e o prazer vai parar na fantasia. Isso cria um falso centro sexual na sua mente, que é quando você precisa sair da percepção real dos sentidos e fantasiar pra ter prazer. Ou seja, quem tem prazer é sua mente e não seu corpo.

O prazer do maior órgão: a pele

Quando falamos de corpo, precisamos falar de pele.

A pele caso você ainda não saiba é o maior órgão do corpo. Ela tem mais de um milhão e meio de neurotransmissores capazes de conduzir a bioeletricidade do nosso corpo. Sabe quando você bota o dedo na tomada e toma choque? Isso acontece devido ao potencial elétrico do nosso corpo, no sentido mais literal: porque a energia passa pelo corpo, caminha através dele.

Foto por Cristian Newman

Essa pele é então um veículo condutor de prazer e, para que você possa experimentar um sexo mais prazeroso, é fundamental você despertar essa bioeletricidade. Ao invés de limitar essa capacidade a uma pequena área do genital, perceba que cada centímetro quadrado do seu corpo tem capacidade de sentir prazer.

Por que focar só na penetração?

Precisamos então relembrar que nós somos seres integrais e resgatar nossos sentidos, começando pela desconstrução dessa má educação da pornografia que ensina que um sexo bom é performático e focado na penetração.

Uma constatação do que digo acima é que as mulheres lésbicas, que se relacionam com outras mulheres, gozam muito mais do que mulheres heterossexuais, que se relacionam com homens. Uma das conclusões disso é que um sexo mais focado na exploratória dos sentidos é muito mais prazeroso, gostoso e completo do que o sexo focado na penetração e na performance.

Experimente sozinho ou acompanhado: Toque Sutil

Pra te ajudar no resgate da percepção do potencial do seu corpo te apresento a técnica do Toque Sutil, uma ferramenta muito poderosa para reconexão com a sensorialidade da pele e o despertar da bioeletricidade do corpo.

O toque sutil é um técnica simples e muito eficaz onde a partir de uma posição específica das mãos, em formato de garra, realizamos um deslizar bem de leve das pontas dos dedos em toda a extensão do corpo da pessoa, evitando as regiões dos genitais já que, neste momento, não estamos buscando a excitação da pessoa que recebe o toque, mas sim o relaxamento e o despertar daqueles milhões de neurotransmissores responsáveis por conduzir as sensações de prazer.

Foto por Michael Schafller

Quanto mais lento você fizer esse deslizar por toda a pele melhor e lembre-se de se manter também em um estado de relaxamento e conforto.

Essa é uma poderosa ferramenta de conexão com o outro e não precisa estar relacionada ao sexo. Podemos aplicar o toque sutil em um amigo ou amiga, por exemplo, como uma simples troca de carinho e afeto. Esse toque gera uma verdadeira conexão com o sentimento de amorosidade e acolhimento, podendo levar quem o recebe a viver experiências profundas e emocionais.

Já no que diz respeito à intimidade a dois, é interessante compreendermos o quanto o toque tem a capacidade de movimentar os fluxos de energia no nosso corpo.

Essa exploratória sutil, pode assim se revelar uma ferramenta poderosa para a descoberta de zonas sensíveis e pouco exploradas que provocam ondas de prazer tanto no seu corpo quanto no corpo do seu parceiro ou parceira. É com ele também que nós homens podemos experimentar os orgasmos secos, que são sensações orgásticas muito prazerosas e que não dependem da ejaculação.

O convite aqui portanto, é: aprenda a, e principalmente, permita-se dar e receber!

Use o Toque Sutil como aliado do seu processo de conscientização sobre o seu corpo e de conexão consigo mesmo e com as pessoas com quem você se relaciona.

Indo mais a fundo na redescoberta da sexualidade 

O Toque Sutil é uma das técnicas que fazem parte do curso online Potência Sexual e Masculinidades Saudáveis do Prazerele. O curso está com as inscrições abertas por tempo limitado.

Este curso é uma trajetória de 8 módulos em que falaremos sobre a origem da masculinidade tóxica, sobre a falta de educação para a sexualidade e sobre consumo de pornografia.

Além disso, mergulharemos no universo da anatomia, do prazer e dos orgasmos múltiplos. E por fim, teremos um módulo completo sobre relacionamentos e novos caminhos da masculinidade.

Se você é homem e gostaria de viver uma masculinidade mais autêntica, saudável e livre, o momento é agora!

Faça já sua inscrição!

Um abraço e nos vemos em breve!


publicado em 29 de Setembro de 2020, 10:01
Claudio serva jpg

Cláudio Serva

Apaixonado pelos processos de transformação humana. Passou um longo período trabalhando no mundo corporativo e em fevereiro de 2018 fundou o Prazerele, uma iniciativa que tem como missão apoiar homens na desconstrução do machismo através da sexualidade, trazendo diferentes perspectivas, caminhos possíveis, acolhedores e prazerosos.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura