Vai procurar sua turma!

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Pense na última vez que você frequentou uma sala de aula. Pode ser no ensino médio ou na universidade. Agora tente lembrar quem eram seus amigos mais próximos naquela época. Salvo poucas exceções, provavelmente você era amigo dos que possuiam gostos semelhantes aos seus – dos que tinham o mesmo videogame, dos que iam à mesma balada, enfim, dos que tinham vidas semelhantes.

Há pouco tempo reencontrei um amigo que estudou na mesma escola que eu, mas era bem mais velho. Tentei fazer com que ele lembrasse quem eram os caras que estudaram comigo na mesma sala e eram da minha turma. Para todos os adjetivos e características que eu utilizava para identificar meus colegas, a resposta dele era a mesma: “Impossível lembrar. Vocês eram todos iguais”.

Quebrar a rotina do seu ambiente é o primeiro passo para qualquer mudança

Natural, você poderia dizer. Limitante, eu diria. Pouco interagi com quem não compartilhavam trejeitos e gostos comigo. Não faço ideia de que fim levou a Melissa, menina da minha sala que eu não tinha lá muito contato. Nem se o Léo, cara estranho que queria ser ator, realmente entrou de cabeça nisso. Por quê?

Porque deixamos que façam parte do nosso mundo apenas aqueles que entrariam sem derrubar os móveis. Aqueles que proporiam saídas a lugares que já conhecemos, que não nos colocariam em uma situação desconfortável, na qual teríamos que desligar o piloto automático e mover nossas bundas devidamente acomodadas.

Nos definimos e mobiliamos de tal forma que o diferente chega a causar desconforto. Ao invés de móveis leves, estamos acostumados a pilastras. Verdades tão verdadeiras que fariam com que a casa desmoronasse caso quiséssemos mudar as coisas de lugar, mesmo que por pouco tempo.

É como diz o pedaço de tapume exposto na porta do QG: "A rotina é o hábito de se negar a pensar".


publicado em 23 de Junho de 2011, 10:01
Eduardoamuri

Eduardo Amuri

Autor do livro Dinheiro Sem Medo. Se interessa por nossa relação com o dinheiro e busca entender como a inteligência financeira pode ser utilizada para transformar nossas vidas. Além dos projetos relacionados à finanças, cuida também da gestão dO lugar.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: