A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Vendo Ferrari reformadinha. Segundo dono

Por US$ 16,4 milhões (R$ 26 milhões). Foi com esse preço que um raro carro de corrida Ferrari 250 Testa Rossa, de 1957, foi vendido em um leilão feito pela empresa americana Gooding & Company, da Califórnia, que recebeu 10% do valor da venda.

A 1957 Ferrari 250 Testa Rossa. Os tiozinhos são vendidos separadamente

Com esse valor, o conversível vermelho se tornou a compra mais alta em leilões, batendo o recorde de 2009 (para leilões de Ferrari) que pertencia a outra italiana vermelhinha, uma Ferrari Testa Rossa, arrematada por US$ 12,4 milhões (R$ 19 milhões) em Maranello, na Itália. Me parece uma boa hora pra tirar a sua Ferrari da garagem, dar um belo trato com uma boa cera e botar pra leiloar. Mas só ganha mesmo quem tiver uma Testa Rossa.

Só existem 18 dessas no mundo todo e nem todos os modelos devem estar em dia com sua estrutura e sua mecânica. A Ferrari leiloada nos Estados Unidos é mais rara (e, consequentemente mais cara) por ser a primeira Testa Rossa a ser construída. Inclusive, essa belezinha serviu de protótipo para a fabricação dos outros automóveis.

A 1957  Ferrari 250 Testa Rossa foi, inicialmente, um carro de corrida que chegou a vencer a competição mais antiga de velocidade e resistência chamada 24 Hours of Le Mans, em 1958. Ainda assim, está longe de ser o carro mais caro já vendido - um Bugatti Type 57SC 1936 Atlantic vendido por mais de US $ 30 milhões em outro leilão da Gooding and Company no ano passado.

Vale ressaltar, até para justificar o título desse artigo, que a Ferrari vendida em questão foi completamente restaurada e teve somente dois donos em 40 anos. Crise econômica americana para alguns, oportunidade de compra com valor recorde para outros.


publicado em 24 de Agosto de 2011, 07:10
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura