Xingar é bom pra você. E prova que você é inteligente

Agora você não vai mais ter vergonha de assumir que é um boca suja do caralho

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Você é daqueles que não consegue encontrar uma expressão mais verdadeira para definir algo do que ‘“foda”, “do caralho” ou até “foda pra caralho”? Você é um desses que se sente realmente aliviado depois que solta um sonoro “puta que pariu” ou um “vai se foder”? Pois saiba que utilizar palavrões como recurso linguístico não é exatamente um problema, na verdade, é uma solução.

Um pesquisa publicada no jornal Language Sciences há algumas semanas indica que ter um vocabulário vulgar não é uma muleta mental como muitos acreditam. Na verdade, pessoas que utilizam xingamentos em seus discursos tem habilidades linguísticas mais fortes do que a média.

O estudo Taboo word fluency and knowledge of slurs and general pejoratives: deconstructing the poverty-of-vocabulary myth realizado pelos psicológos Kristin e Timothy Jay colocou frente a frente duas teorias linguísticas para encontrar o verdadeiro lugar dos palavrões no nosso vocabulário.

A crença popular diz que “palavrões são utilizados por falantes que não conseguem encontrar expressões melhores no seu vocabulário pobre”. No entanto, outra teoria aponta que “fluência está desvinculada do assunto em questão”, ou seja, não há nenhuma razão para propor uma diferença no tamanho do léxico de uma pessoa com base na facilidade de utilização de palavrões ao invés de palavras 'neutras'.

Para testar isso, os dois pediram para que estudantes relacionassem quantos palavrões eles pudessem em 60 segundos. Depois disso, eles deram temas neutros  como nomes de animais  e pediram para que os entrevistados fizessem o mesmo. Após esse teste, eles compararam os resultados e chegaram a conclusão de que o grupo que conseguiu associar mais palavrões também conseguiu associar mais palavras neutras evidenciando uma conexão entre a facilidade de associação e um vocabulário mais amplo.

Os pesquisadores aproveitaram para diferenciar as expressões utilizadas no estudo em categorias – como termos sexuais, insultos e palavras pejorativas, por exemplo  e atestaram que falantes que usam palavrões compreendem melhor sua expressividade e são capazes de perceber melhor os nuances e pequenas diferenças entre as palavras, fazendo um uso mais apropriado delas.

Atualize suas definições de baixaria, parça!

Dessa forma, parece estar decretado de uma vez por todas que xingamentos são um sinal de inteligência verbal, ao invés de deficiência linguística.

Mesmo diante de tudo isso, nós recomendamos fortemente que você continue utilizando palavrões como forma de expandir suas emoções e se expressar, nunca para ofender outras pessoas, afinal de contas, inteligência está longe de ser uma desculpa para ser mal educado com os outros.

Aprecie com moderação.

Sugestões de leitura para você virar uma pessoa melhor e não pior:

Comunicação não-violenta: o que é e como praticar

Como fazer melhores críticas e ser ouvido


publicado em 07 de Janeiro de 2016, 00:05
Breno franca jpg

Breno França

Editor do PapodeHomem, é formado em jornalismo pela ECA-USP onde administrou a Jornalismo Júnior, organizou campeonatos da ECAtlética e presidiu o JUCA. Siga ele no Facebook e comente Brenão.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: