A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

[+18] Bom dia, Doce Suicide

As fotos foram feitas pelo fotógrafo e companheiro Fernando Palla no Instagram @100palla

Meu nome é Tabata Hisismit mas a maioria das pessoas me conhecem por Doce, pseudônimo que uso desde o início da carreira como modelo alternativa.

Sou Curitibana, ainda moro na cidade que nasci e atualmente estou viajando para outros estados recrutando e fotografando modelos para o Suicide Girls, site de modelos alternativas localizado em Los Angeles, do qual também faço parte como modelo.

Participo do site desde 2015, primeiro como Hopeful (aspirante a Suicide Girl) e agora como modelo oficial, fotógrafa e recrutadora de novas modelos.

Quando entrei para o site foi de maneira bem natural, eu acompanhava algumas modelos e já levava um estilo de vida parecido com o delas. Era tatuada, arriscava alguns autorretratos nus e já trabalhava com arte, enfim, por esses e outros motivos a intenção em fazer parte do site como modelo e não apenas como admiradora, foi por me identificar com aquele estilo de vida.

Todo o resto que veio depois disso, ensaios, trabalhos, matérias e o reconhecimento, foi uma consequência boa por estar fazendo o que gosto e levar isso a sério.

Talvez alguém aí lembre de mim, estive aqui no Bom dia do PdH em maio de 2016, e depois apareci por aqui novamente entre os três ensaios mais vistos daquele ano. Que aliás, é um dos meus ensaios preferidos até hoje.

Embora já trabalhasse com fotografia muito antes de me tornar alt model, quando entrei para o Suicide Girls eu quis curtir aquele momento, que era só meu. Foquei nos meus ensaios, trabalhei com artistas, fechei parcerias, conversei com muitas pessoas que conheci por conta desse estilo de vida, pessoas que se tornaram amigas e mantenho contato até hoje. Essa é uma das melhores coisas desse trabalho.

Naquele início decidi deixar os trabalhos que fazia como fotógrafa um pouquinho de lado, não havia parado de fotografar nesse tempo, mas fazia tudo em off.

Depois de curtir e aproveitar bastante todas as coisas boas que estavam acontecendo em minha vida, chegou num ponto em que senti que meu trabalho estava caindo na mesmice, e isso me incomodava um pouco, acho que é algo com a minha personalidade, sempre enjoei muito fácil das coisas e o fato de não ter algo novo acontecendo me deixa super inquieta!

Mais ou menos na mesma época, conheci o trabalho de uma fotógrafa alemã e BOOM! Fiquei imediatamente apaixonada por seu trabalho! Ela trabalhou como modelo por 10 anos e depois se especializou em fotografia de moda, suas fotos tem uma pegada bem sensual, o que é uma característica também do meu trabalho, tanto o de modelo quanto o de fotógrafa. Aquilo me motivou muito a voltar a fotografar com mais frequência e focar em ensaios de não só modelos profissionais, mas também de mulheres alternativas que queriam ter essa experiência.

Todas as experiências que tive até ali, me fez mais forte como pessoa e principalmente como mulher.  Passei por cima de machismo, preconceito, intolerância e desrespeito, e não digo que foi só de outras pessoas, um pouco disso também vinha de mim, quando em alguns momentos eu quis ser mais magra, mais alta, ou seja lá o que fosse pra alcançar certo padrão.

Conhecer meu corpo, o modo como eu me sentia sobre tudo aquilo, me fez ver que o que eu estava fazendo era mais que um simples trabalho, eu estava mudando a minha vida e, melhor, talvez pudesse mudar a de outras mulheres também!

Foi quando comecei de fato a trabalhar nisso,  fiz alguns ensaios, planejei algumas viagens, reestruturei meu site, tudo pronto para começar!

Mas paralelo a isso tudo, eu estava sofrendo de uma dor crônica na cabeça já havia algum tempo, mais tarde descobri que as dores eram possivelmente de uma queda que sofri quando criança, que gerou um trauma no rosto tirando do lugar o maxilar e a mandíbula, o que só agravou com o passar do tempo.

Eu não fazia ideia de nada disso. Quando criança sofri um acidente de carro e até onde eu lembro não foi nada sério, mas é bem possível que o problema tenha surgido aí.

Enfim, de uma enxaqueca que eu achava que tinha fui para uma cirurgia super delicada na face. O que me deixou de cama por meses! Não conseguia andar, comer, nem falar direito.

Nem preciso dizer que isso foi um grande obstáculo no caminho e infelizmente tive que deixar todos os meus planos de lado.

Isso tudo aconteceu há apenas 9 meses e há 3 comecei a trabalhar novamente, num ritmo mais lento que antes por causa das limitações que passei a ter depois da cirurgia, mas cada dia que passa me sinto melhor e sei que em breve estarei 100% recuperada!

Sempre curti muito escrever e nesses meses que fiquei doente criei um blog pessoal. Desde então venho compartilhando experiências, falando um pouco sobre meu trabalho na internet e divulgando o trabalho de outras modelos.

Depois de quase ter sido engolida por esse turbilhão de coisas que me aconteceram e ter a autoestima destruída por conta da cirurgia no rosto, estou recomeçando, e não poderia estar mais feliz em ter um dos meus novos trabalhos publicados aqui no PdH novamente.

Estou sempre por aí, mas se quiser me achar bem rapidinho é só me procurar no Instagram @docesuicide. Diariamente lá compartilhando fotos e experiências.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 


publicado em 23 de Julho de 2018, 00:00
Avatar jpg

Doce Suicide

Conhecida como Doce Poulain, só toma suco amarelo e é absurdamente feliz pela manhã.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura