[18+] Bom dia, Mädchen Maya

A Mädchen foi fotografada pela Lud Lower, ambas do ABC paulista

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Nota editorial: estamos em busca de Bom dias com homens e com mais diversidade de corpos e peles — aqui explicamos em mais detalhes o contexto atual da série, suas origens, obstáculos e nossa visão de futuro para ela. Se você é fotógrafo(a) ou tem um ensaio que deseja publicar, fale conosco pelo jader@papodehomem.com.br .

* * *

É impossível eu falar sobre posar nua sem antes fazer uma rápida passagem sobre minha história de vida. Aos dois anos meu pai faleceu e passei a ter inflamações nas articulações dos ossos que mais tarde foram diagnosticadas como Artrite Reumatoide. Na época não era algo comum, então foi um processo difícil, uma doença que causa inflamações e, consequentemente, deformidades e perda de movimentos. 

Passei a maior parte da minha infância sozinha e o pesadelo era o momento de seguir para a aula de educação física e ter de encarar os olhares de decepção do time que era obrigado a ficar comigo, a “tortinha” que não conseguia correr ou pegar a bola direito. 

Na adolescência isso melhorou, mas ainda tinha a autoestima baixa, faltava algo. Foi nas “idas e vindas” da vida que recebi um convite para fazer umas fotos em estúdio com meu gato, Victor. Após as fotos fui me animando a me fotografar, as tatuagens surgiram também como forma de existir e me expressar no mundo....até que o primeiro convite para ensaio sensual chegou e pirei. Levei uma amiga para dar apoio moral e duvidei que o resultado fosse ficar legal. Odiava meu corpo, achava meus seios feios, que as celulites dominavam minhas coxas e que eu só seria capaz de amar meu corpo após umas 5 plásticas! 

Só que eu estava totalmente errada. 

As fotos ficaram lindas, e eu passei a ver meus “defeitos” com menos julgamento. Dai em diante vieram novos convites e a cada ensaio eu passava a me ver de forma mais natural. Entendi também o quão errado era julgar o corpo de outra pessoa e que eu fazia aquilo de forma inconsciente e por raiva, imaturidade, insatisfação diante da minha própria vida. Aprendi (como li em um comentário aqui outro dia) que todo corpo é bonito, para alguém e que não cabe a mim apontar quem é feio ou bonito, gordo ou muito magro. Sofri e sofro muitos preconceitos pelas fotos que faço, mas hoje já não sou mais a menininha da escola, hoje sei me defender e lutar por mim. 

 

Outro aspecto muito importante na minha vida foi conhecer a Lud Löwer que, além de uma fotógrafa maravilhosa, se tornou uma amiga fiel e sócia. O que tenha nos fortaleceu como parceiras de trabalho foi o fato de que, assim como eu, a Lud também teve problemas sérios com a aparência, enfrentou e venceu a obesidade com coragem e, hoje, ainda luta por seu lugar no mundo como uma guerreira maravilhosa. Dos nossos trabalhos juntas nasceu o “Two Girls an Art”, que está crescendo como um filho (bem lentamente e um passo de cada vez), um projeto especial que promete mudar vidas, como as nossas foram mudadas nas artes.

Posar nua significa liberdade, expressão. Demonstra meu eu sem artifícios, meu eu natural!  É me mostrar sem defesas. Posar, seja nua ou vestida, mudou a minha vida. Posar significou uma passagem de superação, de novos sonhos e mais felicidade ao me olhar todos os dias no espelho.

Hoje, meu maior desejo é inspirar mulheres a fazerem o mesmo, aprenderem a se amar mais (seja com a fotografia ou com qualquer outra coisa que lhes satisfaçam), a se aceitarem, a mudarem com segurança aquilo que realmente desejarem mudar, ou simplesmente ajudar e inspirar pessoas a lutarem por aquilo que amam e sonham. Não sou hipócrita em dizer que não mudaria nada em mim, mas acredito que toda mudança deve ser feita com saúde e consciência. 

E por fim, gostaria de agradecer ao PapodeHomem pelo convite, pela liberdade e espaço que da a todas essas meninas únicas que já saíram aqui, e principalmente pelo respeito que pregam diante da beleza feminina.

97

Boa semana a todos.


publicado em 01 de Junho de 2015, 09:00
File

Mädchen Maya

Brasileira, 24 anos, filha da Veronika! Uma menina forte cheia de fragilidades que esconde por de baixo do semblante sério um sorriso sincero e tímido. Está no Facebook e no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: