A baiana Tânia Bárbara e o papel que temos na trajetória de nossos ancestrais

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

Para Tânia Bárbara, as vestes rendadas e os adereços que a acompanham diariamente dos pés à cabeça são mais que uma vestimenta do trabalho que exerce há 34 anos. São um atestado de identidade.

Tânia posa em frente ao estande das baianas. Copa tem dado mais resultados no tabuleiro da Fan Fest do que no estádio
Tânia posa em frente ao estande das baianas. Copa tem dado mais resultados no tabuleiro da Fan Fest do que no estádio

Responsável por comandar um tabuleiro desde os 14 anos, a titular dos acarajés e abarás no Farol da Barra – cartão-postal e local da Fan Fest de Salvador – sabe que, o que para os outros é bolinho, lhe é algo indissociável do que entende por família. A bisavó começou. A avó continuou. A mãe se envolveu, ela assumiu. Os filhos participam sempre que precisam e a neta, Ísis Sofia, de 5 anos, se diz baiana, gosta de se produzir como a avó e até já saiu caracterizada nas páginas de uma revista de turismo.

O público que a tenda de gastronomia regional do Estádio da Fonte Nova recebeu nos dias jogos da Copa do Mundo foi aquém de suas expectativas e da luta, com direito a abaixo-assinado entregue à presidenta Dilma, que as baianas travaram para estar lá. Mas não foi pequeno o suficiente para tirar da cabeça o orgulho que sentia ao falar comigo sobre a manutenção das tradições e a oportunidade de mostrar aos gringos encantados pelo vatapá ou caruru um pouquinho da história de cada um dos seus.

A gente se acha esperto, mas foram nossos pais, avós, tios e demais ancestrais que foram sagazes o suficiente para arrumar um baita maneira de continuar suas trajetórias: nas escolhas de cada um de nós.

***

Uma Copa do Mundo se faz com pessoas.

As que entram em campo, as que viajam para testemunhá-la, as que enchem as ruas, as que se voluntariam, as que torcem e as que veem no evento uma oportunidade para garantir seu sustento ou para extravasar.

A seção “Álbum de Figurinhas” pretende contar, com um microrrelato artesanal e um retrato por dia, a história de algumas dessas pessoas, muitas vezes invisíveis, que povoam os bastidores da Copa do Mundo do Brasil.

salvador

Para ler todos os textos, basta entrar no nosso Álbum de Figurinhas.


publicado em 08 de Julho de 2014, 00:36
Ismael veredas corte jpeg

Ismael dos Anjos

Ismael dos Anjos é mineiro, jornalista e fotógrafo. Acredita que uma boa história, não importa o formato escolhido, tem o poder de fomentar diálogos, humanizar, provocar empatia, educar, inspirar e fazer das pessoas protagonistas de suas próprias narrativas. Siga-o no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: