Como anda sua relação com o dinheiro? Suas respostas vão nos ajudar a fazer um especial sobre educação financeira. [PESQUISA]

Como ganhar dinheiro com blog

A experiência de Rodrigo Ghedin para equilibrar finanças, trabalho e expectativas com o Manual do Usuário

Em outubro de 2013 larguei um emprego estável em um site consolidado, que pagava relativamente bem, onde eu tinha algumas regalias e colegas muito legais, e cujo trabalho fazia de casa (na verdade, de qualquer lugar do mundo com uma conexão à Internet). Motivo? Fui criar meu próprio negócio.

Pior: fui criar, sozinho, um pequeno empreendimento de conteúdo digital, uma área que sofre com cortes, passaralhos e um encolhimento geral ano após ano. Não bastasse isso, eu ainda moro no interior do Paraná, longe de São Paulo, lugar onde praticamente tudo da área que cubro, a tecnologia de consumo, acontece.

De todos a quem contei ou que eventualmente descobriam esse salto, recebia quase sempre um olhar de “você tá maluco??” Às vezes, acompanhado de um “boa sorte”. Ninguém arregalou os olhos e disse “putaquepariu, que ideia boa!” Digo, quase ninguém. Na verdade, a ideia toda de largar o Gizmodo, que sempre guardarei num lugarzinho especial do coração, surgiu graças ao incentivo de uma amiga. Ela jogou essa carta na mesa junto com um pequeno investimento. Mas o que me fez tomar a decisão, mesmo, foi a perspectiva de colocar em prática um projeto que, apesar de improvável, era diferente de tudo que existia no mercado. Como eu tinha uns trocados guardados para aguentar tempos difíceis e nenhum compromisso com ninguém, pensei “por que não?” e simplesmente fui.

Hoje, mais de um ano depois de ligar os motores do Manual do Usuário, parece-me um bom momento para olhar para trás e refletir se aquela decisão foi acertada. 

(Apenas um pequeno parêntese: o Manual do Usuário é um site de conteúdo sobre tecnologia pautado pela filosofia Slow Web. Isso significa que você não encontrará notícias, rumores ou memes lá, mas sim poucos textos, de três a quatro por semana, mais aprofundados e sobre temas que nem sempre estão em voga.)

Algumas expectativas que eu tinha no começo se confirmaram, e nem foi preciso recorrer aos dados para constatar isso. Imaginava que seria difícil e foi mesmo. Está sendo, na real. O começo é sempre complicado e, no meu caso, que divido as atenções entre o site e minha segunda graduação, não foi diferente. Nenhuma surpresa, mas ainda assim cansativo.

A análise que quero apresentar aqui é um tanto ampla. Com números, porcentagens e gráficos. Quero aquela resposta pela qual todo mundo que pula de cabeça em algo incerto anseia:

Eu estaria melhor se tivesse ficado onde estava?

A maneira mais fácil e fria de se fazer isso é com a boa e velha aritmética. Somar tudo, ver quanto deu, se esse resultado ficou dentro das expectativas e em que nível está em relação ao meu ideal.

Claro, na prática não é tão simples assim. Estar à frente de toda a operação ao invés de apenas escrever e traduzir, como fazia no meu emprego anterior, traz consigo uma série de encargos, financeiros e emocionais. É mais custoso, mais estressante, há menos garantias. Esses aspectos subjetivos, porém, são impossíveis de serem quantificados e mais complicados de se colocar na ponta do lápis. Tentarei assim mesmo. Aliás, talvez seja melhor começarmos por eles. Qual a diferença entre escrever para os outros e escrever para você mesmo?

Filosofias diferentes

São duas experiências completamente distintas. No Gizmodo, embora tivesse abertura para sugerir pautas, meu trabalho era mais pragmático. Chegava pauta, eu escrevia e publicava; outra aparecia, eu escrevia, publicava. E assim esse fluxo seguia, sempre dando uma olhada nos comentários e debatendo com o editor detalhes dos textos.

Já no Manual… Tudo, de pensar sobre o que escrever, passando pela pesquisa, redação, fotos e organização da pauta está sob minha responsabilidade. Também não tenho a figura do editor, que faz uma falta danada — é sempre bom ter alguém que leia seu texto antes de publicar, e muito mais quando é alguém fera como o Leo Martins, na época editor do Giz.

O trabalho não termina aí. Nem começa, na verdade. Antes, foi preciso pensar e criar/adaptar o visual do site, lidar com aluguel de servidor, monitorar estatísticas e fazer o comercial. O Manual do Usuário tem várias frentes pequenas de faturamento — assinaturas, links de afiliados e anunciantes diretos — e ainda que tenha terceirizado essa última, ela e as demais continuam exigindo a minha atenção. Tudo isso sem deixar de dar atenção ao leitor, uma porque eu gosto disso, outra porque é um dos diferencias do site.

Em última instância, a criação do Manual foi a união de três desejos:

  • Fazer um site do meu jeito, do visual à linha editorial, e com um clima receptivo e que promova a discussão saudável da tecnologia.
  • Ter mais flexibilidade de horário para conciliar melhor o trabalho com as atividades acadêmicas.
  • E brincar de empreender, mesmo sendo bem ruim nessa parte.

Diferenças subjetivas expostas (e, no fim, acho que acabou saindo a melhor explicação à recorrente “por que você saiu do Giz?”), vamos aos números.

Mostra a grana

Para os gráficos a seguir, considere os seguinte “poréns”:

  • Os valores referentes às campanhas que rodei no Manual do Usuário e freelas contemplam apenas o que recebi em 2014. Algumas, principalmente as realizadas mais para o fim do ano, ainda não foram processadas e, portanto, ficaram de fora da soma.
  • Sobre os programas de afiliados (links e AdSense), coloquei o aferido em cada mês, independentemente de quando os receberei.
  • Acerca dos assinantes, já descontei as taxas de cartão, transferência e administração dos serviços que uso para receber deles. Em média, a mordida é de 12%.
  • O AdSense entrou no site apenas em setembro, e é restrito a quem chega via buscadores. Leitores regulares e/ou que acompanham o site via redes sociais e agregadores de feeds jamais veem esse tipo de anúncio.
  • Também contabilizei alguns trabalhos por fora, uns freelas que fiz durante o ano.

Não sou um cara de grandes ambições, mas tenho uma meta de faturamento. Além de me deixar numa situação mais confortável, nesse nível poderei investir mais em melhorias para o site — comprando novos equipamentos, contratando gente para escrever e desempenhar outras funções, e fazendo coisas mirabolantes que, no caso, só com grana na mão são possíveis. Ou seja, ainda há muito trabalho a ser feito.

Resolvi, então, usar esse valor ideal como parâmetro para 2014. Coloquei também outra barra no gráfico, a do mínimo viável para eu viver perto do aperto. Em outras palavras, pagar as contas em dia e sobrar uns trocados de reserva de segurança e para me divertir vez ou outra — isso é importante! Ficou assim:

Foi melhor do que eu esperava. Quando começamos 2014, eu estava preparado para fechar o ano no vermelho. Não foi o que aconteceu. Na verdade, o desenrolar dos eventos culminou num faturamento melhor do que o melhor cenário cenário que eu perseguia (o “mínimo viável”). Tudo isso me deixou bastante contente e deu mais gás para apostar em dobro no Manual do Usuário.

Um desdobramento interessante do gráfico acima acontece quando fragmento o que faturei com o site. Agrada-me ver como, com uma exceção, a divisão entre as fontes de renda é bastante equilibrada :

A tal exceção são os trabalhos para fora, que garantiram mais da metade do que ganhei em 2014. Todas foram muito legais (até escrevi em publicação impressa!) e ficarei muito contente se em 2015 outras oportunidades do tipo surgirem — se me quiser em algum projeto, mande um e-mail. E o melhor é que são trampos no geral conciliáveis com todo o resto. (Ou quase isso. Meus amigos com quem faço trabalhos em grupo na universidade foram os que mais sentiram ao longo do ano, em especial no último bimestre. Mais uma vez, se estiverem lendo isso, perdão pelas mancadas.)

A lição

Omiti valores e acho que cobri todas as possibilidades de aferi-los usando alguma fórmula reversa. Fiz isso porque não é da conta de ninguém (só da Receita Federal!) e, principalmente, porque não é o ponto. Não resolvi escrever para esfregar quanto ganho na cara dos outros, muito menos para “inspirar” alguém a viver de blog oferecendo um e-book ou coisa do tipo no final do post. (Meu conselho, aliás, é não seguir meu exemplo a menos que você saiba no que estará se metendo.)

O objetivo dessa prestação de contas é mostrar que, apesar dos pesares, é possível jogar tudo para cima e fazer o que você gosta, do jeito que você gosta. Eu sou um tanto privilegiado e isso facilitou um bocado as coisas — fiz um bom pé de meia, tenho um perfil econômico e, caso tudo desse errado, quem me socorresse sem pensar meia vez. Esses asteriscos são tranquilizadores, mas tentei ao máximo não contar com eles e fazer a coisa pra valer mesmo. E, de fato, consegui. Jamais recusarei ajuda se precisar, mas é tão bom quando a coisa começa a girar em decorrência do nosso esforço, né?

O futuro

Quando o Manual do Usuário fez um ano, escrevi um texto sobre o que tinha acontecido até então. Depois dele novos eventos animadores aconteceram, em especial a entrada de uma agência para gerir a parte comercial do site (já tem dado resultados e esses não aparecem nos gráficos acima) e o apoio técnico do Julian, que colocou o site em um servidor obscenamente rápido e presta todo o suporte necessário para crescê-lo com saúde. No último domingo, por exemplo, graças a uma reportagem do Fantástico sobre pau de selfie, o servidor foi colocado à prova e resistiu muito bem à horda de telespectadores que chegaram a este post via buscadores.

Eu já tive um site maior. O WinAjuda (RIP), em seu auge, tinha o dobro das estatísticas que o Manual do Usuário tem hoje. Eram outros tempos, eu tinha outras prioridades, outros objetivos. Nunca estive tão empolgado com um site meu como estou agora.

O leitor tem uma parcela grande de “culpa” por isso tudo. Não é muita gente que acompanha o Manual, mas quem o lê é gente muito legal que compartilha os posts, discute em alto nível nos comentários e frequentemente me faz rever pontos de vista, prestar atenção em coisas que não estão no meu radar e, claro, dar umas boas risadas. Sem falar nos assinantes, mais de 70 leitores que gostam e confiam no meu trabalho a ponto de dispensar algum dinheiro, todo mês, para apoiá-lo. É uma grande responsabilidade e uma satisfação maior ainda ter esse apoio!

Não quero que meu site seja “o maior site de tecnologia do Brasil”, nem que ele exploda em visitação. Não é essa a métrica que eu persigo. O que eu quero não é quantificável: é informar, entreter e incutir a sementinha da reflexão em cabeças abertas o bastante para recebê-la.

* * *

Se você gosta do Manual do Usuário, pode ajudá-lo de duas formas:

Espalhe o amor. Compartilhe os posts, indique a newsletter gratuita aos seus amigos, curta no Facebook e siga no Twitter.

E…

Torne-se um assinante. Custa a partir de US$ 1 por mês e dá acesso a um “lado B” do site tão bom quanto o principal, com um grupo secreto de discussões, newsletter semanal e Hangouts esporádicos.


publicado em 17 de Janeiro de 2015, 00:05
88c17998ff83279bdcc57c0c2d5a12e6?s=130

Rodrigo Ghedin

Escreve sobre tecnologia, estuda comunicação e vive tentando entender a convergência dessas duas áreas. Está à frente do Manual do Usuário, um blog de tecnologia diferente. Ele não sabe consertar seu computador.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura