Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Não pode ser branco

Há pouco mais de 15 anos, no dia 1º de junho de 1997, a jornalista e vencedora do Pulitzer Mary Schmich soltou em sua coluna no Chicago Tribune um texto chamado "Os conselhos, assim como a juventude, provavelmente desperdiçados com os jovens". Talvez você não reconheça este texto pelo título, mas sim pelo apelido: "Use filtro solar".

Link YouTube |

O texto, que não é de sua autoria, mas sim um discurso de graduação, foi musicado pelo cineasta Baz Luhrman, ficou em primeiro lugar nas paradas da Inglaterra e da Irlanda, virou um singelo vídeo que se dispersou pela internet, foi traduzido e regravado por Pedro Bial a pedido da DM9DDB e, por fim, ganhou uma paródia de Rafinha Bastos.

Link YouTube |

Reparem: ascensão, apogeu e queda de um compilado de bons conselhos.

Nossa relação com os conselhos é conflituosa. Sabemos dá-los aos montes, ouvi-los de vez em quando, mas quase nunca os colocamos em prática. A isso, os psicólogos dão o nome de egocentric bias ("tendência egocêntrica", em tradução livre), que nada mais é do que a certeza de que eu sei mais do que você. Em outros termos,

Quem raios você pensa que é para me dizer como eu devo viver minha vida?

Mas esta certeza é incorreta. Há algo chamado impact bias ("tendência de impacto"), termo que designa a forma superestimada como prevemos reações emocionais em relação aos nossos próprios atos.

Em miúdos, um exemplo: você e seus amigos estão no bar e encontram um grupo de meninas. Fazem amizade. Bebem. Riem. Você percebe que uma das meninas – justamente a que tem aliança de noivado – te dá uma atenção maior. Parecem íntimos naquela noite. Você pensa: devo ou não investir? Começa a pensar que, se tentar algo, ela pode aceitar as investidas, acabar na sua cama, se apaixonar por você, terminar o noivado, querer uma vida a dois e uma casa com cercas brancas no interior; também pensa que você não quer nada disso e a foda pode lhe custar a vida, pois o ex-noivo dela pode ser um trafica colega de cela do Jader e aí fodeu.

Você pensou todo um futuro sem nem cogitar: será que ela realmente está a fim de alguma coisa? Ou é apenas simpática?

Nessa hora, faz toda diferença um amigo dar a sua visão das coisas. Jogar a real e dizer "vá com calma". Afinal, o seu amigo não está emocionalmente ligado a isso.

"Meu filho, leve um casaquinho porque tá frio"

Curiosamente, aceitamos conselhos de coração aberto quando quem aconselha não tem a mínima ligação conosco.

Quando a mãe diz "meu filho, leve um casaquinho porque está frio", ignoramos; quando o Dr. Love aconselha o leitor a lavar o pau depois de sexo anal, achamos um puta conselho. Quando o pai diz como você precisa amadurecer, ele é apenas um cuzão; quando o Nelson Rodrigues diz, é genial.

Link YouTube |

Por que isso acontece? Porque, quando somos íntimos do conselheiro em questão, sabemos suas fraquezas, suas falhas, e não o julgamos apto a dar pitaco na nossa vida. O que é, obviamente, um erro. Quem melhor para nos aconselhar que pessoas que sabem nossos podres, nossas falhas de caráter, e podem prever algumas de nossas reações?

O erro está em subestimar as palavras alheias. É creditar a si mesmo uma inteligência infalível, uma esperteza além da realidade. É imaginar que se pode viver sem conselhos. Pessoas de fora podem dizer melhor o que se passa aqui dentro.

Senhoras e senhores do PdH de 2012, se eu pudesse dar um conselho em relação ao futuro, diria: "aceitem mais conselhos".

Leia mais:


publicado em 10 de Junho de 2012, 14:05
File

Rodolfo Viana

É jornalista. Torce para o Marília Atlético Clube. Gosta quando tira a carta “Conquiste 24 territórios à sua escolha, com pelo menos dois exércitos em cada”. Curte tocar Kenny G fazendo sons com a boca. Já fez brotar um pé de feijão de um pote com algodão. Tem 1,75 de miopia. Bebe para passar o tempo. [Twitter | Facebook]


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura