Eu confiava muito nela, mas descobri que ela me traía | #Mentoria 65

"O idiota aqui perdoou. Porém, depois desse episódio eu nunca mais consegui confiar nela." 

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Logo havaianas 130x50 png
  • 47 nh 1 png

"Olá, me chamo Daniel.

Esta história é muito mais um desabafo, simplesmente porque hoje eu não tenho com quem falar e vou explicar o porquê disto.

Atualmente sou casado com uma mulher 4 anos mais velha que eu, estamos juntos a seis anos. A princípio era tudo ótimo, como nos romances dos filmes e livros, achava até estranho o fato da gente não brigar com frequência. Eu confiava muito nela, eu depositei toda a minha confiança nela, como nunca eu tinha feito antes.

Ela era uma mulher tão maravilhosa, não só como namorada, como pessoa. Era impossível não admirá-la. Mas eu descobri que ela me traía. Sim, ela me traía — e desde antes da nossa relação. Quando eu descobri, eu fiquei sem chão.

Eu não conseguia acreditar, mas era real, ela contou a versão dela, disse que já estava junto com o cara há (pasmem) 12 anos, mas a relação não estava boa, ela queria outra pessoa e me encontrou.

A história é longa, mas resumindo: o idiota aqui perdoou ela, e ela me prometeu nunca mais me trair. Porém, depois desse episódio eu nunca mais consegui confiar nela. Óbvio, acho natural... Mas a situação ficou tão braba que tínhamos discussões todos os dias, pelos mais diversos motivos, houve até agressão, mesmo assim, a gente se casou, outra burrice.

Ela disse que se casaria se ambos superássemos tudo o que ocorreu: uma  nova vida em uma nova cidade, há 175 km de onde morávamos, cidade de praia... Parecia aquela vida de romance de filme americano mas, no meu interior, eu não conseguia esquecer.

É difícil explicar pra vocês, mas é um sentimento só meu, eu não conseguia superar. E assim voltaram as brigas, tudo de novo. Além de tudo isso, vieram questões psicológicas.

Quando me mudei para o interior, larguei do emprego que eu tinha, eu era diretor de marketing em uma empresa. Eu ganhava relativamente bem, mas sai e vim tentar a sorte de um novo emprego no interior. Me ferrei de novo.

Não tem emprego na minha área e, sendo assim, tive que trabalhar de atendente em loja, ganhando uma miséria, tendo que pagar aluguel, contas e etc sozinho, pois ela não arrumou emprego.

Eu nunca tinha tido uma experiência como essa, o que já estava frustrante. Eu abandonei todos os meus amigos e família para estar ao lado dela e hoje estou aqui sozinho, sem ter a quem desabafar tudo isso. Ela tem toda a família dela aqui, mas eu estou só, sem alguém pra buscar ajuda. 

Nossos objetivos não são os mesmos, nem nossos gostos... tudo mudou. Hoje percebo que a pouca diferença de idade gera problemas, coisa que antes eu achava impossível.

Em resumo, hoje eu sou um cara, frustrado, sem grana, num emprego péssimo, afundado na depressão (já tentei me matar duas vezes a base de remédios), sigo sem rumo, insatisfeito na relação e não sei o que fazer. 

Eu até pensei em tentar a vida no exterior, mas com o pouco que ganho, é  quase impossível. Ela gasta muito, eu sou bem econômico, mas hoje não tem como eu juntar dinheiro... Se eu fosse solteiro, eu até conseguiria juntar. Eu realmente eu não sei o que fazer, tenho medo de ficar sozinho e ficar mais na depressão ainda, sei lá... Ando meio desorientado, faço as coisas por fazer, sem prazer.

O que vocês acham que devo fazer? Largar dessa mulher e me organizar pra recomeçar em outro país ou continuar com ela e tentar um recomeço? Sei lá... Uma terapia, algo do tipo?

Ajuda eu aqui, não aguento mais isso, não. Todo dia quando vou trabalhar é um tormento. Tenho a sensação de que perdi muitas oportunidades na vida por causa dessa relação, mas tive momentos bons ao lado dela, boas experiências..."

Como responder e ajudar no Mentoria PdH

(leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

Raphael, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

 

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 14 de Outubro de 2019, 00:10
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: