Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

O cansaço não é uma medalha para se ostentar

Você sabia que você morre mais rápido se ficar sem dormir do que se ficar sem comer?

Quando sou palestrante em conferências, sempre tento ouvir algumas das outras apresentações. Fico bem na coxia absorvendo, observando e fazendo um apanhado geral da sala.

Algumas vezes nos últimos tempos tenho ouvido algo que me perturba. Muitos dos empreendedores no palco se gabam por não dormir, ou por terem jornadas de trabalho de 16 horas, e fazem essa atitude de “é tudo ou nada” soar como se fosse o jeito certo de seguir em frente. O descanso que vá para os quintos dos infernos, é o que dizem – há infinito trabalho a fazer.

Acredito que essa mensagem seja uma das mais prejudiciais hoje no mundo dos negócios. O esgotamento contínuo não é um rito de passagem. É simples estupidez. Literalmente. Cientistas já afirmaram que os resultados em testes de QI diminuem progressivamente a cada dia em que você dorme menos do que seria normal para você. E não leva muito tempo para a diferença ficar óbvia.

Pessoas com jornadas de trabalho que frequentemente somam 16 horas por dia estão simplesmente esgotadas. Estão cansadas demais até para perceber que não estão trabalhando tão bem quanto poderiam.

E dormir pouco não afeta apenas sua saúde e criatividade. Afeta as pessoas ao seu redor. Quando se dorme pouco, se fica com pouca paciência. Ficamos mais rudes com as pessoas, menos tolerantes, menos compreensivos. É mais difícil de prestar atenção e se relacionar adequadamente com os outros por um tempo mais longo.

Chefes sem sono são chefes muito ruins também por conta do péssimo exemplo que dão. Por que gastar tanto tempo e dinheiro para recrutar uma equipe brilhante se você vai levar todos a um estado de insensibilidade?

Se o ponto de trabalhar tantas horas é completar mais tarefas, e se você se importa com a qualidade do trabalho, como então justificar a falta de sono? Quem tenta agir assim apenas fica cansado e não consegue pensar direito.

Um argumento que sempre ouço sobre uma jornada longa de trabalho é que, quando se está começando, é preciso dar o máximo de si. Compreendo perfeitamente. E, sem dúvida, em certo sentido é verdade.

Mas o que vejo acontecer, vez após vez é: as pessoas nunca param de trabalhar com essa intensidade. Somos o resultado de nossos hábitos. As coisas que fazemos quando começamos uma atividade são as mesmas que tendemos a continuar fazendo. Se você trabalhar uma jornada longa no início, e se você só conhece as coisas assim, você se condiciona a pensar que é simplesmente a única forma das coisas funcionarem. E já vi muitos empreendedores acabarem no burnout seguindo esse padrão.

Portanto é importante – especialmente quando você está formando seus hábitos – dormir bastante. Você vai começar melhor, pensar melhor e ser um melhor chefe e colega. Dormir é ótimo para a criatividade. Dormir é ótimo para solução de problemas. E não são essas as coisas que você quer mais presentes no seu trabalho?

À noite, durante o sono seu cérebro segue ativo. Ele trabalha questões que durante o dia não é possível resolver. Não é ótimo acordar com soluções na cabeça, em vez de olheiras?

Claro, algumas vezes emergências demandam horas extras. E, sim, algumas vezes os prazos não podem ser prorrogados e é necessário colocar uma forcinha maior na reta final. Isso acontece. E tudo bem, porque não é um esgotamento contínuo; é algo temporário. Esses casos deveriam ser a exceção, e não a regra.

No final das contas, o trabalho não é mais importante do que o sono. Se você não tem certeza quanto à importância do sono, pense assim: você morre mais rápido sem sono do que sem comida.

E, na contrapartida, muitos poucos problemas precisam ser solucionados na 12ª, 13ª, 14ª ou 15ª hora de um dia de trabalho. Quase tudo pode ser deixado sem problemas para a manhã seguinte.

Então, boa noite, e durma bem!

E, aliás, aqui está o motivo pelo qual os CEOs da Aetna pagam 500 dólares para os empregados dormirem bem. A ciência confirma. (obrigado pelo link, TW)

***

Nota do autor: No Basecamp consideramos que 40 horas semanais de trabalho são suficientes. Encorajamos a todos a dormir bem a noite toda, todas as noites.

Nota: Este artigo foi publicado no exemplar de abril de 2016 da Inc. Magazine.

***

Nota da tradução: esse texto foi originalmente publicado em inglês na Inc. Magazine, posteriormente no Medium do autor e agora foi traduzido para o PapodeHomem com sua autorização.


publicado em 08 de Maio de 2016, 00:05
Jason fried

Jason Fried

Fundador e CEO do Basecamp. Co-autor do Getting Real, Remote e do bestseller doo New York Times REWORK. Pode ser encontrado no Twitter.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura