Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

O Clodovil interior nosso de cada dia

Depois do último texto sobre ajudar a tirar um amigo veado do armário, fui novamente execrado, apedrejado e até me convidaram a se unir a eles e sair do armário. Não é a minha praia. Então, vou me redimir.

Vou fazer um texto direto e reto(!), sem trocadilhos, sem piadinhas e sem preconceito.

Ouvi dizer que multidões avançam de Pelotas e de Campinas para o Rio de Janeiro, com sua chegada prevista para o dia do meu aniversário, aos gritos de "Se joga, Léo". Agradeço a solidariedade, mas não é o caso.

Então, pra não ficar de fora dessa moda de falar sobre a não-tão-mais-nova onda dos metrossexuais, eu também vou meter(?) meu bedelho(!) nessa história. Sem trocadilho. Mas com carinho.

Chamou?
clodovil

Bom, pra introduzir vocês no mundo dos trocadilhos fáceis e de baixo nível, e dos metrossexuais, eu vou dar uma pincelada (ui!) antes: metrosexual é aquele sujeito moderno (sem aspas, gente...), que se cuida mais, é mais vaidoso, pinta as unhas, usa cremes faciais, faz as sobrancelhas etc.

Sabe aquele amigo meio estranho que você tem que usa gel de dia, tem umas camisas cor-de-rosa com a gola pra fora do paletó e vive achando tudo um a-r-r-a-s-o!? Pois bem, ele é um metrossexual. Isso mesmo, sem preconceitos, pessoal.

Se você tem mais de trinta, invariavelmente não vai conseguir separar o conceito de metrosexual do conceito de bicha. Mas não tem problema, por que na maioria dos casos eles andam beem juntinhos mesmo. Até porque, afinal, eles são modernos, descolados e não ligam pro que falam deles por aí. Eles não estão nem aí pra essa sociedade careta e conservadora que não entende os filhos únicos criados pelas avós. Eles não ligam pras pessoas que ficam achando que eles são bichas. Mesmo quando eles são.

O maior ícone desse "novo homem" é o modelo-superstar-bonitinho-preferido-das-celebridades-e-dos-fotógrafos, David Beckham. Ah, e jogador de futebol nas horas vagas. Ele se

maqueia, faz luzes, faz as unhas, usa máscara facial e essas coisas. Ele é cultuado, seu sono maquiado, penteado e forçado é filmado e vira vídeo de cabeceira de milhares de mulheres. E de alguns homens.

Dá pra alguém me dizer se minha cueca está aparecendo?
beckham

Quem não acha os metrossexuais uma cambada de veados enrustidos, via de regra, quer ser como eles. Alguns os acham riquinhos desocupados, outros acham que "lá na minha terra isso tem outro nome...". Outros acham que esse novo homem é um homem livre de preconceitos e machismos e que "não tem problema nenhum em se cuidar um pouquinho, tá bom?! O que é que tem de mais num rougezinho bááásico, um delineador super-dia-a-dia ou uma calça de couro vermelha justa que deixa o bumbum um T-U-D-O. Que atrasado!"...

Bom, há também argumentos incontestáveis. Se eu me depilasse e fizesse relaxamento nos cabelos, iam falar que eu sou veado, mas como é o Beckham, todo mundo acha legal. Além do que, vamos concordar, muitos deles já são bichas mesmo, que só acharam uma maneira de poder usar aquele coletinho pink com o sapato de bico fino vermelho sem serem molestados(?).

E muitos, bom, nem tantos assim, são homens mesmo que gostam de se cuidar. Não, falo sério, são homens mesmo. De verdade.

Mas que de madrugada o Clodovil interior deles fica sussurrando: "Nooossa, que unhas horrorosas! Você está um bagaço! Acho melhor você tirar férias e ir passar uns dias em São Francisco...", ah, isso fica.

Leonardo Luz é colaborador da Papo de Homem, roteirista da Proview e autor do blog Eu e Meu Ego Grande, onde tamanho defitivamente é documento.


publicado em 15 de Agosto de 2007, 20:45
34f0e9da1c49e2251874f04908fb5e96?s=130

Leonardo Luz

Fã de polêmicas, adora cutucar onça com vara curta. Também detona no blog "Eu e Meu Ego Grande".


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura