Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 4 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

Os médicos, as galinhas e os cubanos

1. Desordem no galinheiro

Breve cena da vida privada. Pela manhã, escuto no rádio que chegaram os primeiros médicos estrangeiros. No trabalho, colegas conversam a respeito. Um sugere que é estratégia para dar grana ao Fidel. Penso em replicar que as coisas são mais complexas mas, nesse momento, liga minha mãe.

Chorosa, pergunta se eu poderia ajudar a fazer uma denúncia contra um médico que desmarcou sua consulta por duas vezes e, na terceira, deixou-a esperando duas horas até ser atendida. No sábado, soube de uma menina que, atropelada, faleceu após aguardar três horas por atendimento em um hospital.

distribuicaomedicos

Breve cena da história. Logo após a Primeira Guerra, um naturalista norueguês chamado Thorlief Schjelderup-Ebbe decidiu passar uns tempos na fazenda de seus pais. Ao cuidar do galinheiro, notou que ali havia hierarquia: algumas galinhas comiam primeiro os grãos despejados em um pote; saciadas, abriam espaço àquelas no segundo nível da hierarquia; por fim, quem estava na base ficava com as sobras. Tudo bem ordeiro.

Ele chamou essa estrutura de "ordem de bicadas" (pecking order).

Então Thorlief decidiu fazer um teste. Trouxe uma nova galinha para o galinheiro e ficou observando. Queria ver onde ela se colocaria nessa pirâmide social. Teve uma surpresa: todas as galinhas começaram a brigar entre si na hora da comida.

Ele percebeu que, com a chegada da nova galinha, todas as outras ficaram inseguras e passaram a atacar as demais para confirmar a manutenção de seu status. Afinal, se a nova moradora conquistasse boa posição na hierarquia, empurraria alguma galinha para baixo. E quem seria? Nenhuma delas estava a salvo, e era bom deixar claro às outras que não seria vítima fácil.

Por outro lado, aquelas na base da pirâmide, aproveitando a confusão, tentaram galgar alguns degraus, abrindo caminho com bicadas. As galinhas que estavam no topo sentiram o perigo, e passaram a bicar também.

O resultado é que todas se machucaram. Algumas galinhas ficaram praticamente sem penas.

Thorlief  descobriu que, no mundo das galinhas, há uma divisão entre aristocratas e plebeus. E que um pacífico galinheiro pode ser um campo de batalha, com a chegada de, digamos assim, estrangeiros. Essas conclusões de Thorlief  foram melhor desenvolvidas posteriormente por outros especialistas, auxiliando a compreender o  comportamento de grupos sociais e, até mesmo, de sistemas financeiros.

2. A hierarquia em tempos da geração álcool-gel

Antigamente, uma das atividades mais prestigiadas era a militar. Homens iam à guerra defender seu país com frequência, e lá podiam morrer. Logo, soldados ocupavam o topo da ordem de bicadas: as mocinhas casadoiras suspiravam ao ver desfiles militares.

Elvis soldado, 1958
Elvis soldado, 1958

Hoje em dia, vivemos em uma sociedade pacífica, mas meio bundona. Não se valoriza tanto a combatividade quanto o cuidado maternal. Nada contra ou a favor, são apenas fatos. E, como resultado desses fatos, militares são mal pagos e aqueles que têm o poder de eliminar uma vida cederam lugar, na ordem de bicadas, ao que tentam adiar a morte. Em uma sociedade que idealiza uma pureza total, livre de todos germes, na era da geração álcool gel, nada mais lógico do que médicos possuírem status privilegiado.

E os conselhos de medicina souberam muito bem garantir a manutenção dessa hierarquia. Quer que uma profissão seja valorizada e permaneça no topo da ordem de bicadas de nosso galinheiro? Simples, dificulte ao máximo a abertura de novos cursos e mantenha sob estrito controle o número de profissionais disponíveis no mercado.

Essa é uma política sistemática e reiterada do Conselho Federal de Medicina e demais orgãos de classe. E produz bons resultados: os poucos cursos de medicina são tremendamente concorridos e neles ingressam somente aqueles que podem arcar financeiramente com um bom preparo pré-vestibular e, também, com os custos inerentes à própria faculdade.

As roupas brancas, que deveriam simbolizar assepsia, acabam por ser insígnia de uma curiosa elite contemporânea - afinal, as pessoas simples, quando procuram agradar alguém “do andar de cima”, não se dirigem a elas usando a palavra “doutor”?

3. Sociedade empoleirada

E eis que chegaram os médicos estrangeiros. São a nova galinha de nosso galinheiro. Mesmo que eles desejem (e desejam, acredito) apenas trabalhar em paz, sua mera presença causa alvoroço não apenas entre aqueles que estão no topo da ordem das bicadas, mas nos membros de todos os estratos sociais.

Por mais que sejam bem intencionados (e estão, tenho certeza), sua mera presença desperta velhos fantasmas da sociedade brasileira, e faz com que profundos preconceitos aflorem até a superfície. O pessoal da esquerda e da direita se prepara para a luta. Todos sobem em seus poleiros.

E, para complicar tudo, é com a chegada dos médicos cubanos que a sociedade se dá conta de um detalhe que, até então, passou despercebido: parte desses médicos vindos de Cuba possui a pele parda ou negra.

A vergonhosa verdade é que muita gente no Brasil não está habituada a ver médicos com tal fenótipo. Muita gente está acostumada a ver pessoas com pele parda ou negra exercendo apenas outros tipo de atividades. Foi o que uma jornalista potiguar, agora célebre, revelou em um “inocente” comentário:

micheleborges

Imaginem: a cereja do bolo da sociedade brasileira, o status de médico, pertencendo a pessoas com a mesma cor de pele daqueles que, infelizmente, há séculos ocupam o andar de baixo da hierarquia social. Isso incomoda muita gente, mesmo quem gosta de pensar em si próprio como alguém sem preconceitos.

É por tal razão que a cena de jovens brancas, com unhas bem feitas e reluzentes anéis, vaiando um homem negro de mais idade, causa uma perturbação que ultrapassa os limites da discussão sobre a saúde no Brasil.

O primeiro médico cubano no Brasil. A primeira estudante negra nos EUA
O primeiro médico cubano no Brasil. A primeira estudante negra nos EUA

Se em apenas um dia já houve toda essa confusão, imaginemos o que está por vir. É possível que esse médicos estrangeiros sejam perseguidos por seus colegas durante o desempenho de suas atividades, e mesmo por aqueles que desempenham serviços auxiliares. É também provável que, nessa briga de galinheiro, todos os preconceitos sociais e ideológicos aflorem para dar um péssimo espetáculo do pior que há em nossa sociedade.

Na balbúrdia que se prenuncia, uma outra teoria poderia nos ajudar a sermos melhores do que galinhas. Mas isso dependeria de uma maturidade que, talvez, não tenhamos ainda enquanto nação.

Segundo a teoria dos jogos de soma não-zero, do matemático John Nash (que inspirou o filme Uma Mente Brilhante), a maior parte das questões sociais são disputas nas quais todos os participantes podem sair beneficiados de uma forma otimizada, sem que nenhum conheça o amargo sabor da derrota. Basta que os membros do jogo percebam a importância da colaboração mútua.

No caso dos médicos estrangeiros, eles chegaram para trabalhar, e isso é um fato tão certo quanto a crise na saúde pública. A vinda de médicos estrangeiros é a solução? Não sei.

Porém, mesmo que não seja, se tornarmos tudo uma briga de galinheiro, se tentarmos resolver a situação montados nos poleiros de partidos, de ideologias políticas e de lutas corporativistas, ao invés de buscarmos a colaboração mútua e o entendimento de que o que interessa é a saúde da população brasileira, todos acabaremos depenados e levados ao fogo como uma boa galinha caipira, servida para alguma raposa oportunista.


publicado em 28 de Agosto de 2013, 08:19
File

Victor Lisboa

Não escrevo por achar que tenho talento, sequer para dizer algo importante, e sim por autocomplacência e descaramento: de todos os vícios e extravagâncias tolerados socialmente, escrever é o mais inofensivo. Logo, deixe-me abusar, aqui e como editor no site Ano Zero.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura