A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Por que ler este texto?

Eu tenho um péssimo hábito: gosto de tentar descobrir o porquê das coisas. Fico destrinchando, decupando formas e conteúdos, dinâmicas e processos, em busca de razões, teorias, justificativas, sentidos, causas.

Parece lindo, certo, lógico. Afinal, de acordo com os mais velhos, toda pessoa deve cultivar o máximo de compreensão acerca dos fenômenos que o rodeiam. Soa bem.

O problema é que ninguém me preparou para o outro lado. Fico pensando nos gatilhos que me causam aflição ou prazer, coisas que me fogem ao controle e todo tipo de situação. Espero para ser atendido numa fila de banco e começo a questionar qualquer acontecimento. Qual a razão dessa mulher linda gostar tanto de mim? Por que trabalho com isso? Por que nasci justamente nessa família? Por que moro nesse mesmo lugar há tanto tempo? Qual a razão de me esforçar tanto, em pé há quase 30 minutos, para pagar estas contas? Isso se pararmos na redoma da minha vida, se ignorarmos esse tal de cosmos.

Consigo encontrar respostas. Muitas. Respostas que viram alternativas – e mais perguntas. A mais intrigante: quantas destas respostas são respostas de verdade e quantas delas eu inventei apenas para fugir do fato de que eu não faço a mínima idéia do que está acontecendo?

Com todos estes questionamentos na cabeça, encontrei no YouTube a abertura do filme Rubber.

Compartilho com vocês a resposta universal, o sentido da vida, a razão de estarmos aqui, a verdade última que temos evitado a cada esforço de explicação:

Link YouTube | Não adianta continuar lendo sem assistir

De acordo com o pouco que eu presenciei na vida, parece estar certo. Soa bem melhor.

Por mais que pareça trágico ou desmotivador, não é o caso de reagir se atirando na cama. Você poderia também dar esta resposta quando pedisse o telefone daquela mulher que encara há meses na academia, ao invés de todas aquelas invenções sobre como ela é linda. Poderia ser a razão de dar um tapa na cara da sua namorada na próxima vez que a comer. Ou mesmo poderia ser o motivo de mudar de emprego e se dedicar, finalmente, àquele projeto parado há meses.

De qualquer forma, juro que eu até gostaria de continuar a discussão, aprofundar o texto e o raciocínio, mas você poderia me dizer qual a razão de ler, escrever ou comentar num site como o PapodeHomem?


publicado em 03 de Agosto de 2011, 11:00
Avatar01

Luciano Andolini

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura