Professores, polícia no Paraná e a verdade do nosso dia a dia

A polícia entra em "confronto" violento contra os professores, contra os negros em Baltimore, contra pessoas no Brasil, no mundo todo

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

O que aconteceu nos últimos dias no Paraná é a realidade. Uma polícia truculenta, um grupo cujo o único trabalho é a repressão e não qualquer tática de prevenção e inteligência.

O que aconteceu com os professores no Paraná é a vida real, uma briga desleal é desnecessária com um único objetivo de amedrontar, de coagir. A realidade é que não há diálogo, não há opção, não há direitos. É o que acontece todos os dias no Alemão, na Maré, na Cidade Ademar, na região da Julio Prestes.

E estamos falando de professores, o grupo que deveria ser mais ouvido (classe, não pessoas), mais acolhido (classe, não pessoas), mais preparado (classe, não pessoas). Depois deles, a polícia (pessoas, não instituição), que hoje é sucata. 50 deles, ontem, se recusaram a ser sucata e foram presos. Serão exonerados. Tantos outros não o fizeram pelo mesmo motivo pelo qual estavam trabalhando ontem: medo.

Se você alguma vez foi às ruas e a polícia te cumprimentou, abriu espaço para você passar, tirou foto contigo, amigo, aquilo não era realidade, era outra coisa. Independente da frustração (mentira, se você pediu intervenção militar, você é um babaca), se você viu uma polícia cordial, tranquila, se você sacou sua câmera do celular e ele sorrir para tirar foto, aquilo era tudo um grande sonho. Ou a Islândia.

Imagem: Vitor Teixeira

Porque aqui, amigo, o coro come e a chapa esquenta e a giripoca pia e a casa cai e se fode a porra toda.

Sorte para os professores do Paraná. Sorte para os negros em Baltimore. Sorte para quem precisa de sorte. Quem já tem, levanta e vai trabalhar que o dia hoje vai ser longo.

Obs: você pode ver outras charges do Vitor Teixeira no Facebook.


publicado em 30 de Abril de 2015, 12:09
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: