Ser pai não tem manual. O que aprendi ao ouvir e conversar com outros pais | Caixa-preta #22

O Rodrigo tinha dúvidas e angústias, tão comuns na paternidade, e encontrou um espaço ideal para trocar com quem tinha as mesmas preocupações

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Link YouTube

Imagine só a situação. Você, do dia pra noite, se descobre pai.

Nada incomum. É, ainda, fato que acontece com muita frequência no Brasil. Foi assim com o Rodrigo, que teve uma filha sem ter se programado e precisou passar pelo processo de adquirir conhecimentos e posturas para ser, enfim, pai.

E, claro, não é simples. Entender não só o funcionamento da rotina com uma criança - trocar fraldas, alimentar e dar banho -, mas também o funcionamento do mundo ao seu redor depois de ser pai: os amigos, a relação com a esposa, sua visão de trabalho. Transformações. 

E, nesse caminho, ele se sentiu sozinho demais. 

Depois de problemas, desarranjos e alguns sacodes da vida, ele encontrou refúgio e espaço de troca em um grupo de WhatsApp com pais. Lá, ele podia tirar dúvidas corriqueiras e, mais ainda, ter liberdade para trocar conversas íntimas sobre finanças, sexualidade, o cotidiano maluco de um pai.

E foi libertador.

"Eu acho isso muito poderoso também. É um espaço onde os outros homens podem expor a sua fragilidade. Pode cair um pouco a máscara, sabe, de super-homem, a máscara do fodão, do pai provedor. E eu acho isso mega importante pra transformação de fato."

E que importância tem essa conclusão que parece a mais óbvia. Pais não precisam ficar em silêncio ou passar por todas as problemáticas da paternidade sozinhos.

De verdade.

Mas é o que acontece com muita frequência. O silêncio ou a presunção inocente de achar que precisa lidar com tudo de peito de aço ou que desabafar ou pedir ajuda é coisa de gente fraca. Batemos muitas vezes na tecla de que não precisa ser assim, mas falta, às vezes, espaços para que esse comportamento brote:

"Porque a gente escuta muito se falar 'você tem que se mais aberto, assumir seus erros, você não precisa ser forte, não precisa ser isso... Tá. Mas, na prática, onde tem gente fazendo isso? 

No trabalho não é assim. No seu ambiente de família não é assim. No seu ambiente de escola, faculdade, não é assim. E daí foi muito legal ver, na prática, pessoas fazendo isso".

E brotou.

* * *

Para ler mais:

Meus medos de ser pai antes de ser pai, por Rodrigo Cambiaghi;

Solidão masculina, por Fred Mattos;

[Convite] Pai: Os desafios da paternidade atual - Da importância de um pai conversar com outros pais, por Rodrigo Cambiaghi.

Você conhece homens com histórias que poderiam virar relatos do Caixa Preta? Conta pra gente!

Não é de hoje que o PdH quer construir uma relação aberta e de colaboração com a comunidade. Pensando nisso, e buscando aumentar o alcance de relatos, nós queremos sua ajuda nesse projeto. Com certeza você convive com diversos homens que carregam vivências construtivas. Não seria incrível se essas histórias pudessem ser compartilhadas com mais pessoas?

Caso você tenha alguma sugestão para a nossa série do Youtube, deixa nesse formulário. É bem simples.

A casa agradece. 


publicado em 03 de Agosto de 2017, 11:05
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: