Um vídeo de amor que pode gerar raiva?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Se você se incomoda com esse vídeo, pense de novo:

Link YouTube

Se você se incomoda com esse vídeo, então você me incomoda.

A primeira vez que eu vi duas pessoas do mesmo sexo se beijando foi um choque. Tinha me mudado há pouco tempo para BH, vindo do interior. Eu já tinha visto -- em vídeo -- duas mulheres se beijando. Gostava bastante disso na adolescência e ainda acho lindo pra porra, se quiser saber.

Mas ver, assim, ao vivo, o sentimento foi diferente.

Achei estranho, bizarro e ao mesmo tempo bonito. Pensando bem, eu devo ter parecido um babaca que não conseguia desviar o olhar, mas não era por mal, era novo pra mim.

Eu então entrei no ônibus que eu estava esperando e segui com minha vida tranquilamente.

Um dia, é claro, eu vi dois homens se beijando. Não eram jovens como as duas garotas do caso anterior. Eram dois caras bem resolvidos na vida, donos dos próprios narizes, sem trejeitos ou ‘aparência’, lá pelos 30 e tantos anos. Eu os descrevi assim porque, na minha cabeça preconceituosa, só existiam aquele estereótipo midiático do homossexual masculino. Bichas eram gays. Homens não.

(Incrível como uma mente pequena e preconceituosa funciona não?)

Não preciso dizer o quanto isso me chocou.

Pode ser surpresa pra você, mas antes de me tornar um cara que entende, acha perfeitamente normal e tenta a todo custo lutar contra qualquer tipo de preconceito e violência de qualquer natureza contra minorias, eu era preconceituoso pra caralho. Ainda sou, claro.

Mas eu venho tentando.

Cometo erros, claro. É o que se espera quando você está arrebentando inúmeras camadas de conhecimentos populares, estereótipos, piadas, ditos, ensinamentos e senso comum recheados de preconceitos de todo tipo, presos a você desde que nasceu.

Eu fui um babaca preconceituoso a minha vida toda. Eu acreditava de verdade naquela besteira toda. Ria das piadas. Achava que se alguém podia ter orgulho de ser homossexual ou 100% preto eu tinha que me declarar orgulhoso do que eu era também. Eu só não tinha levado em conta que ser orgulhoso por todas as facilidades que eu tive na vida. Eu não tive que lutar por nada, então, por que diabos eu teria orgulho de ter algo que eu ganhei de mão beijada?

Essas pessoas que sentem orgulho ao fazer parte de uma minoria, o fazem por causa da luta diária pelo direito de fazê-lo. Há alguns anos, negros nem seres humanos eram. Hoje, tem um na Casa Branca. Há alguns anos mulheres não podiam votar. Hoje temos uma presidenta. Isso sim é algo para se orgulhar.

Hoje em dia se discute se pessoas do mesmo sexo podem ou não (?!) se casar…

É, a gente não aprende mesmo.


publicado em 29 de Novembro de 2013, 07:00
28d2dc073d6cdf08302c0ed5fa15db8a?s=130

Pedro Turambar

Pedro tinha 25 anos e já foi publicitário. Ganha a vida fazendo layouts, sonha em poder continuar escrevendo e, quem sabe, ganhar algum dinheiro com isso. Fundou o blog O Crepúsculo e tem que aguentar as piadinhas até hoje. No Twitter, atende por @pedroturambar.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: