13 filmes para assistir em fevereiro

Se os seus planos pro Carnaval não incluem axé, samba e folia, aposte no cinema

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Confesso que sou dessas que, em fevereiro, corre atrás de bloquinho de rua e enquanto esse texto é lido eu muito provavelmente estou perdida atrás dos trios paulistanos.

Mas eu respeito aqueles que se resguardam no silêncio e no ar condicionado das quatro paredes durante os cinco dias de festa. Entendo aqueles que fogem dos foliões. O que eu não posso é deixar você se refugiar no sofá assistindo ao desfile da Globo.

Porque isso não tem perdão.

Em tempos de Oscar, já fizemos aqui as nossas apostas e o Jader vem publicando críticas bem boas. Então, seria contra os meus princípios cinéfilos não preparar uma lista de filmes pra assistir em fevereiro.

Sem mais delongas, aí vai.

1. Anomalisa (28/01)

Michael Stone vê a vida passar dia após dia, cumprindo as tarefas que a rotina lhe dá e vivendo o ordinário da nossa existência. Mas seus muros emocionais se destroem quando conhece Lisa e floresce nele o interesse genuíno pelo ser humano.

Uma animação de drama romântico que só poderia ter sido feita para adultos, já que criança nenhuma sabe o que é estar desinteressado do mundo.

2. Trumbo: lista negra (28/01)

Não é só pela indicação de Brian Cranston por Melhor Ator no Oscar desse ano que o filme vale o ingresso.

Em plenos anos 40, a escrita de Dalton Trumbo pareceu desafiar o american way of life de modo a desagradar gente demais. O mais bem pago roteirista de Hollywood foi perseguido e colocado na lista negra por suas convicções políticas.

3. O regresso (04/02)

Se você gosta de filmes de sobrevivência, vai gostar de saber que O Regresso conta uma história dessas baseada em fatos reais.

Quando o explorador Hugh Glass é atacado por um urso e dado como morto, seus companheiros de viagem seguem caminho deixando o que pensavam ser seu corpo. Mas ele acorda e precisa sobreviver ao pior dos invernos.

Agora vai, Leo!

4. A escolha (04/02)

Esse merece um trigger warning: Nicholas Sparks.

Caso você se arrisque em filmes melodramáticos como esse, leve seu lencinho e prepare-se pra descobrir a parte de você que ainda é apegada ao amor romântico.

Quando o cão de Travis engravida a cachorra de Gaby, os dois vizinhos se conhecem e, claro, se apaixonam. Mas como nenhum amor de filme vem de graça, a vida impõe suas vicissitudes.

Já sabe o final?

5. Filho de Saul (04/02)

Com um trailer um tanto quanto peculiar, o filme conta a história de Saul, o prisioneiro do campo de concentração em Auschwitz que é obrigado a incinerar os corpos de seu próprio povo. Mas Saul acaba por ver seu próprio filho entre tantos.

Praquelas noites que pedem peso.

6. A garota dinamarquesa (11/02)

Eddie Redmayne está, novamente, performando uma atuação incrível e fica difícil torcer pro Di Caprio como Melhor Ator no Oscar que vem aí.

Já escrevi sobre esse filme, que conta a história de Lili Elbe,uma mulher transexual que se descobriu já na idade adulta. Antes casada com a ilustradora Gerda Gewener e chamada Einar, nome masculino, Lili percebeu-se mulher quando, na falta de uma das modelos que posavam para a esposa, decidiu ajudar e colocou um vestido de seda. A partir daí, passou a viver como realmente era e foi a primeira pessoa a se submeter à uma cirurgia de mudança de sexo.

Merecia também a indicação de Melhor Filme.

7. Brooklin (11/02)

Quando a pupila irlandesa desembarca no Brooklyn pra fazer a vida nos Estados Unidos dos anos 50, logo se apaixona pelo italiano Tony. Mas a vida a leva de volta pra Irlanda e os dois precisam se separar.

O filme que tem tudo pra ser um dramão pode ter momentos de leveza e bom-humor, e eu aposto que essa mistura vai dar caldo bom.

8. O quarto de Jack (18/02)

Jack e sua mãe, Ma, vivem prisioneiros em minúsculo quarto. Por mais que tente criar Jack com toda a plenitude de experiências que deve viver uma criança, Ma se vê convencida pelo filho a bolar um plano de escape para que ambos, finalmente, conheçam o mundo.

Se as sinopses revelam pouco, suspeito que o filme vá revelar muito mais do que esperamos.

9. A linguagem do coração (18/02)

O longa é baseado na história verídica de Marie Heurtin, uma jovem cega e surda desde o nascimento que estava relegada à selvageria em seu internato. Mas a freira Marguerette toma para si a responsabilidade de apresentá-la a humanidade da linguaguem.

Sensível e necessário.

10. Horas decisivas (18/02)

Fevereiro de 1952. Uma tempestade destruidora em New England rompe a base petroleira da costa, deixando 30 trabalhadores à beira da morte por afogamento. É quando quatro membros da guarda costeira resolvem resgatá-los com a mínima proteção de um bote salva vidas em águas gélidas.

Promete emoção e unhas roídas.

11. Tudo vai ficar bem (18/02)

O dramão pra assistir só numa noite fria conta o caso do escritor Tomas, que acidentalmente atropela uma criança enquanto dirigia pra esfriar a cabeça de uma briga com a namorada.

O filme acompanha a trajetória de Tomas pelos próximos 12 anos e o sofrimento de quem não consegue superar o episódio.

12. Ela volta na quinta (25/02)

Finalmente um brasileiro na lista, que promete ser dos bons!

O cineasta André Novaes estreia nessa vida dos longa-metragem acompanhando as dificuldades de uma família – o casal de idosos passa por uma crise no relacionamento que acaba afetando seus filhos, que já estavam se preparando pra sair de casa.

13. Presságios de um crime (25/02)

A gente já sabe que Anthony Hopkins em filme de suspense pode dar muito certo desde 1991.

Quando o FBI tem um caso de serial killer a resolver, o médium John é recrutado para ajudar no caso.

Apesar do pessimo título, aposto que seja um bom thriller.


publicado em 30 de Janeiro de 2016, 00:10
10710799 10152759290008996 1807417555040828999 n

Marcela Campos

Tão encantada com as possibilidades da vida que tem um pézinho aqui e outro acolá – estuda Jornalismo na Universidade de São Paulo, mas também cursa Saúde Reprodutiva Holística no Justisse College. Compõe a equipe de conteúdo do PapodeHomem, modera uma comunidade de quase dez mil mulheres e não tem preguiça de bater um papo bom.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: