45 músicas para entrar no clima do Jazz Rock

Uma mistura que só poderia dar certo.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Dentre as diferentes vertentes do Jazz, talvez a que obteve uma, muitas vezes injusta, pecha de “patinho feio” no estilo foi o relacionado ao Jazz Rock/ Fusion, consolidada na segunda metade dos anos 1960 e até agora com grupos e artistas oferecendo trabalhos de boa qualidade.

Vendo hoje, com discos como Bitches Brew, de Miles Davis, considerados peças fundamentais para a renovação do jazz, e gêneros como o hip hop e o rock alternativo/indie não escondendo sua admiração ao fusion, parece um pouco estranho indicar essa rejeição.

Porém, durante décadas, músicos e bandas da cena, apesar do sucesso comercial, sofreram pesadas críticas da imprensa especializada, que acusava, sem meias palavras, do estilo ter desvirtuado o que foi o “verdadeiro” jazz (um exemplo dessa abordagem pode ser visualizado na monumental série Jazz, produzida por Ken Burns em 2001, que além de dedicar muito pouco espaço ao fusion, não esconde críticas ao subestilo). Cita-se que também no rock esse estilo de jazz também teve dificuldade de aceitação, onde, em um primeiro momento, somente a soul/black music e o rock progressivo estavam de braços abertos ao gênero nos anos 1970.

O tempo passou, a cena foi revisitada e analisada em diferentes obras, e o respeito e consideração do gênero, ambígua no início, finalmente foi consolidada. A “heresia” em unir o jazz com elementos do rock e pop foi reconsiderada, e os acertos apresentados pelo estilo foram e estão sendo reapresentados tanto pela crítica quanto público.

A presente lista pretende contar um pouco da história do jazz rock/fusion, entre a segunda metade dos anos 1960 até o fim dos anos 1970, apresentando 45 músicas que representam o melhor oferecido pelo gênero.  O espaço temporal justifica-se por mostrar as origens, o ápice e posterior desmembramento do fusion em outras vertentes, e evitar uma lista muito extensa. Essa delimitação implicou em algumas omissões, indo de músicos como Christian McBride, Greg Howe, John Zorn, Bill Frisell, Victor Wooten e Allan Holdsworth, além de bandas como Planet X, CAB,  Liquid Trio Experiment, e Tribal Tech, incluindo as experiências ligadas ao metal extremo (Pestilence, Atheist, Cynic e Meshuggah), e estilos como M-base, Acid Jazz, Punk Jazz e Jazzcore, mas que não comprometem a quem quer conhecer o estilo em seus primórdios, a quem essa lista é dedicada.

A playlist completa pode ser visualizada aqui.

Origens

Apenas recentemente a discussão sobre as origens do Fusion ganharam contornos mais aprofundados. No âmbito do Jazz, que já sofria com propostas mais vanguardistas desde o início da década de 1960 como, por exemplo, no free jazz, alguns músicos mostraram simpatia  não somente com o rock (em especial Beatles), mas também com os primeiros experimentos ligados a psicodelia entre 1965-66. Há um consenso em indicar os músicos Larry Coryel, Gary Burton e Charles Lloyd como os primeiros jazzistas a incluírem elementos do rock em sua sonoridade. Os resultados, no geral, mostram-se embrionários, mas serviram de base para a consolidação do Jazz Rock no final dos anos 1960.

1. The Free Spirits –I’m Gonna be Free (1966)

Link do Youtube

Considerado o “marco zero” da junção entre o rock e o jazz, o grupo, de curta duração (1965-1967), liderado por Larry Coryel, fazia uma intensa mistura, indo do pop rock ao blues, do jazz a elementos orientais. O resultado por vezes mostra-se irregular, mas a faixa acima indica que também houveram bons momentos.

2. Larry Coryel e Gary Burton – General Mood (1967)

Link do Youtube

Dois dos principais nomes de consolidação do jazz rock ao vivo, onde é interessante perceber o cuidado da inclusão de instrumentos elétricos, mas a manutenção de elementos tradicionais na performance.

3. Fourth Way - The Sun And Moon Have Come Together (1968)

Link do Youtube

Além de Burton, Lloyd e Coryel, outros grupos também tiveram importância na consolidação do jazz rock no fim dos anos 1960. Entre essas bandas citam-se, por exemplo, o quinteto de John Handy, os conjuntos Dreams (liderado por Michael Brecker e Randy Brecker), Jeremy and The Satyrs (liderado por Jeremy Steig) e, minha favorita entre os pioneiros, Forth Way (liderada por Mike Nock). Os grupos, apesar da importância, sofreram com lançamentos problemáticos na época, o que prejudicaram sua divulgação. The Sun And Moon Have Come Together foi um bom exemplo desses problemas. Lançado em dezembro de 1968, somente obteve uma edição decente dois anos depois, felizmente presenteada também com uma excelente edição remasterizada em 2015, fazendo jus a um dos discos que melhor captou a fase inicial do Fusion.

Consolidação - Miles Davis

Cabe ao mestre Miles o papel de consolidador do jazz rock no fim dos anos 1960. Sua entrada num viés mais “roqueiro” em sua música foi gradativo, por um lado curioso com a psicodelia, o soul de James Brown e Sly and the Family Stone e experimentos da música vanguardista, incluindo-as, aos poucos, em seus discos; e, por outro, influenciado pela namorada Betty Davis (ativista e cantora) e por vínculos com músicos como Carlos Santana e Jimi Hendrix. Em  1969 essa transição consolidava-se, e Miles seguiria pelo Jazz rock, com recepção muitas vezes mista de público e crítica, até sua morte, em 1991.    

4. Miles Davis – In a Silent Way/ It’s About That time (1969)

Link do Youtube

Miles in the Sky e Filles de Kilimanjaro foram os ensaios para a entrada de Miles ao Fusion, e In a Silent Way, de forma suave e melodiosa, seu definitivo passo musical para o estilo.

5. Miles Davis – Miles runs the voodoo down (1970)

Link do Youtube

Minha faixa favorita do grande Bitches Brew.

6. Miles Davis – On The Corner (1972)

Link do Youtube

Em 1972, Miles resolveu unir o funk com experimentos sonoros, influenciados principalmente por Stockhausen, ideia essa que lhe rendeu críticas negativas na época, mas que o tempo deu ao trabalho a devida importância.

7. Miles Davis – Ife (1973)

Link do Youtube

Entre 1973-75, Miles continuou suas experimentações, lapidando-as ao vivo (registrado nos discos Agharta, Pangea e Dark Magus) com uma boa banda de apoio (Michael Henderson, Al Foster, Pete Cosey, James Mtume , David Liebman e Reggie Lucas) , numa longa, e tortuosa, excursão (que chegou a passar no Rio de Janeiro e Sampa em 1974). Cada vez mais entregue à cocaína, heroína e morfina, Miles saiu de cena em agosto de 1975 e voltou apenas seis anos depois. A faixa acima é um dos bons momentos dessa fase do trompetista.

Consolidação - Frank Zappa

Multi-instrumentista, excêntrico, produtivo, politizado, eclético, precursor do rock experimental, com uma carreira profícua e multifacetada, não há como negar sua importância ao Fusion, sendo uma espécie de “pai roqueiro” do mesmo, ajudando-o na sua gestação.   

8. Frank Zappa - Son of Mr Green Genes (1969)

Link do Youtube

Um dos melhores momentos do álbum Hot Rats, onde o músico incorpora o jazz em sua sonoridade. Antes desse trabalho (com seu grupo de apoio Mothers of invention), rolavam apenas flertes com o estilo.     

9. Frank Zappa – Waka / Jawaka (1972)

Link do Youtube

Última faixa do disco homônimo, e talvez um dos momentos mais jazzísticos de Zappa.

“Santíssima trindade”

A partir de 1970, alguns músicos colaboradores de Miles Davis- Chick Corea, John McLaughlin, Wayne Shorter e Joe Zawinul – resolveram investir no Fusion a partir da criação de bandas que, de várias maneiras, expandiram os horizontes do estilo e consolidaram o sucesso comercial e (em menor medida) artístico do mesmo. Três grupos oriundos dessa época tornaram-se, com justiça, referência para o jazz rock setentista, e influenciaram uma geração de músicos nas décadas seguintes.

10. Mahavishnu Orchestra – Meeting of the Spirits (1971)

Link do Youtube

Faixa de abertura do primeiro disco da banda, um senhor “cartão de visita” oferecido por McLaughlin e companhia.

11. Mahavishnu Orchestra - Eternity's Breath Partes 1 e 2 (1975)

Link do Youtube

Ótimo momento de uma fase já não tão inspirada do Mahavishnu (representado pelos discos Visions of the Emerald Beyond e Inner Worlds).

12. Chick Corea/Return to Forever – Return to Forever (1972)

https://www.youtube.com/watch?v=q7J3LxUHUCU

Podendo ser considerado tanto um trabalho solo de Corea quanto o início do Return to forever, a faixa, com feras como Flora Purim, Stanley Clarke e Airto Moreira, apresenta arranjos de alto nível e uma eficiente mistura de estilos.

13. Return to Forever – Medieval Overture (1976)

Link do Youtube

Um dos grandes momentos da formação clássica da banda (Chick corea, Stanley Clarke, Al di Meola e Lenny White).

14. Wheater Report – Birdland (1977)

Link do Youtube

Zawinul, querendo homenagear o clube de jazz nova-iorquino Birdland, acabou compondo um dos “hinos” do Fusion, e talvez a música mais conhecida do Wheater.  

15. Wheater Report – Teen Town (1977)

Link do Youtube

O grupo, entre 1976-82, firmou sua reputação nas apresentações ao vivo, que lhe rendeu um público fiel e boa recepção da crítica.  

Contribuições solos

Além dos “supergrupos”, vários músicos seguiram por profícuas carreiras solos durante a década de 1970, expandindo o leque de opções ao Fusion.   

16. The Tony Williams Lifetime- Emergency (1969)

Link do Youtube

Logo após a dissolução do segundo quinteto de Miles Davis, ao qual fazia parte, o baterista Tony Williams resolveu organizar um projeto, unindo originalmente o guitarrista John McLaughlin e o tecladista Larry Young. Emergency, primeiro disco do projeto, não é somente um importante trabalho de consolidação do Fusion, mas um dos álbuns mais intensos do estilo.    

17. Santana – Soul Sacrifice (1969)

Link do Youtube

Carlos Santana, guitarrista mexicano-americano, uniu o rock com o jazz, blues e elementos latinos, criando um diferencial que marcou sua carreira por décadas. A faixa acima, do primeiro disco de sua banda Santana, evidencia a potencialidade dessa mistura.  

18. Carlos Santana e John McLaughlin – Let Us Go Into the House of the Lord (1973)

Link do Youtube

Dois grandes guitarristas expondo seu talento e virtuosismo nessa bela suíte.

19. Billy Cobham – Spectrum (1973)

Link do Youtube

Profícuo baterista, o panamenho Cobham oferece em Spectrum um pouco de sua versatilidade.  

20. Herbie Hancock – Chameleon (1973)

Link do Youtube

Escolha óbvia, mas como ignorar o melhor momento de Hancock em estúdio? (Que Cantaloupe Island, Watermelon Man e Rockit não me ouçam)

21. Jeff Beck - Scatterbrain (1975)

Link do Youtube

Com ótima orquestração do produtor George Martin e suporte dos músicos Max Middleton , Phil Chen e Richard Bailey, Beck mostra porque é considerado um dos maiores guitarristas da história do rock.

22. Stanley Clarke – School Days (1976)

Link do Youtube

Dois grandes baixistas em um de seus melhores momentos em estúdio. De um lado Stanley Clarke (Return to Forever) ...

23. Jaco Pastorius – Kuru/ Speak Like a Child (1976)

Link do Youtube

...e de outro, Jaco Pastorious, recrutado para o Wheater Report na época em que a faixa em questão foi lançada.

24. Jean Luc Ponty – Enigmatic Ocean (1977)

Link do Youtube

Um dos grandes momentos em estúdio do violinista francês.

25. Al Di Meola - Mediterranean Sundance (1978)

Link do Youtube

O guitarrista em um belo dueto de violão com o virtuoso Paco de Lucia.

26. Pat Metheny Group - April Wind/April Joy (1978)

Link do Youtube

Do terceiro, e para muitos o melhor, disco do guitarrista, a faixa mostra toda a versatilidade de Metheny e seu grupo de apoio.

Canterbury

Uma cena importante para o Fusion, nem sempre lembrada, é a da cidade inglesa de Canterbury. De estrutura universitária, a cidade foi um importante polo cultural na segunda metade dos anos 1960, rendendo bandas e artistas que, partindo de experimentações e do psicodelismo, seguiram para o jazz rock na década seguinte.   Apesar de seu papel ser muito relacionado a consolidação do Rock progressivo (com certa razão, pois músicos como Steve Hillage, Robert Wyatt, Mike Oldfield, Fred Frith e Daevid Allen foram oriundos ou tiveram relação com a cena), a contribuição desse cenário para o jazz rock não deve ser subestimada.

27. Caravan – The love in your eyes (1972)

Link do Youtube

Faixa que engloba elementos de todas as fases da banda, indo da psicodelia dos primeiros discos (entre 1968-1970), caindo para o jazz rock (1971-1974) e até um pouco pop rock (que seria a principal sonoridade do grupo entre 1976-1982).  

28. Soft Machine – Harzard Profile (1975)

Link do Youtube

Grupo ícone da cena, o Soft Machine ofereceu alternativas tanto a psicodelia, rock progressivo quanto ao jazz rock. A faixa acima é último grande momento do grupo em estúdio.

29. National Heath – Dreams Wide Awake (1978)

Link do Youtube

Surgido em 1975, o National ofereceu uma sobrevida as propostas oferecidas pela cena Canterbury.

Contribuições progressivas

O rock progressivo também ofereceu boas contribuições, correndo em paralelo com o jazz rock, e por vezes mantendo relações mais aprofundadas com o gênero. Mesmo não obtendo resultados tão expressivos quanto da tríade Mahavishnu-Return-Wheater, houveram trabalhos e contribuições de qualidade oferecidas pelo gênero.

30. King Crimson – Fracture (1974)

Link do Youtube

Em 1972, o líder do Crimson, Robert Fripp, numa ousada atitude, reformulou abruptamente o grupo, incluindo o baterista Bill Bruford, o baixista e vocalista John Wetton, e o Violinista David Cross (além do percussionista Jamie Muir, que ficou poucos meses na banda), com uma sonoridade que caia para o experimentalismo e o jazz rock. Apesar dos resultados em estúdio, segundo palavras do próprio Fripp, irregulares, ao vivo, essa formação, que vigorou até julho de 1974, mostrou coesão e peso, considerada por muitos fãs (eu incluso) a melhor encarnação do KC ao vivo. A faixa citada é um dos bons momentos dessa fase.

31. Gong – Cat in Clark’s Shoes (1975)

Link do Youtube

Apesar de oriundo de Canterbury, a banda abraçou, em décadas de carreira, diferentes propostas musicais, capitaneada em vários momentos pela liderança de Daevid Allen e com o músico brasileiro Fabio Golfetti em suas últimas formações. A canção acima é um dos melhores momentos da fase “fusion” da banda (entre 1975-1980), liderada pelo percussionista Pierre Moerlen.

32. Area - L'elefante bianco (1975)

Link do Youtube

O rock progressivo italiano também ofereceu boas contribuições ao Fusion. Junto com o Picchio dal Pozzo (que seguiu por uma carreira instável), o Area, seja pelo instrumental dos músicos Paolo Tofani, Ares Tavolazzi e Patrizio Fariselli, seja pelas letras politizadas do vocalista Demetrio Stratos, foi talvez o grupo italiano que melhor contribuiu para a inclusão de elementos do jazz rock no progressivo.  

33. Brand X –  Born Ugly (1976)

Link do Youtube

Conciso projeto de fusion, com destaque para o baixo de Percy Jones, a guitarra de John Godsall e, principalmente, a bateria de Phil Collins, dividindo na época suas baquetas com o Genesis.

34. Bil Bruford – One of a Kind (1978)

Link do Youtube

Um dos melhores bateristas progressivos (ex-yes e ex-king crimson) mostrando uma eficiente pegada jazzística em sua empreitada solo.

Do jazz rock ao “rock jazz”

Se o jazz assimilava o rock em sua música desde 1966, a recíproca era verdadeira. Cream, Grateful Dead, Jimi Hendrix, Pink Floyd e vários outros incluíam elementos jazzísticos ou longas improvisações, sejam em faixas de estúdio ou em apresentações ao vivo. Mas, no geral, essas inclusões eram apenas flertes, não chegando a uma mistura ou junção de estilos.

Porém, alguns grupos deram um passo a mais e tiveram bons resultados, onde elementos jazzísticos foram assimilados de forma eficiente em sua música. Depois de boa aceitação na década de 1970, alguns desses grupos sofreram críticas por serem responsáveis por uma guinada do Jazz a uma sonoridade pop (ou “jazz de elevador”), que vigoraria nas décadas de 1980 e 1990 (injusto, pois até Miles Davis, de forma constante, aderiu a inclusão de elementos do pop rock em sua música nesse período).  

35. Blood, Sweat and Tears – God Bless the Child (1968)

Link do Youtube

Do segundo disco de estúdio da banda (número 1 nos EUA quando lançado), a bela versão da música de Billie holliday reflete um pouco do potencial do mais jazzístico grupo psicodélico.  

36. Chigaco –Beginnings (1969)

Link do Youtube

Com uma carreira longa e recheada de hits nos EUA, o grupo, liderado por Robert Lamm, passeou com tranquilidade pelo Jazz, folk e pop, o que lhes garantiu o lugar de um dos consolidadores do jazz rock. Beginnings, de seu disco de estreia, mostra bem a versatilidade da banda (com direito a pitadas latinas no final da faixa).    

37. Steely Dan – Do it Again (1972)

Link do Youtube

Talvez o grande hit da banda centrada na dupla Walter Becker e Donald Fagen.

38. Dixie Dregs – Odyssey (1978)

Link do Youtube

Liderado pelo futuro guitarrista do Deep Purple Steve Morse, a banda realizou uma eficiente mistura de jazz, hard/ southern rock, bluegrass e progressivo, visualizada na faixa citada.

39. Passport – Ataraxia (1978)

Link do Youtube

Um dos “filhotes” bem-sucedidos do Fusion foi o Smooth jazz, com considerável sucesso comercial a partir dos anos 1980, representado por músicos como George Benson, Kenny G e David Sanborn, unindo o jazz com elementos do easy listening e pop. Dois grupos são considerados precursores desse estilo. O primeiro foi o Passport, banda liderada pelo saxofonista Klaus Doldinger, em trabalhos a partir da segunda metade dos anos 1970...

40. Spyro Gyra – Morning Dance (1979)

Link do Youtube

...mas, principalmente, o Spyro Gyra, com a música acima considerada um dos “marcos zero” do smooth jazz.

“Menções honrosas” - Brasil

A cena de jazz no Brasil merece uma lista própria, ponto. Cito aqui alguns dos nomes que ajudaram a consolidar o jazz rock, ou pelo menos um jazz mais misturado, com um tempero tipicamente brasileiro, nos anos 1970.

(Som imaginário, citado aqui, ficou de fora).   

41. João Donato – The Frog/ A Rã (1970)

Link do Youtube

Faixa do disco A Bad Donato, gravado nos Estados Unidos, não somente um dos melhores momentos de Donato em estúdio, mas um dos discos de jazz rock brasileiros mais ecléticos, indo do funk aos sons afro-caribenhos.

42. Eumir Deodato - Also sprach Zarathustra (1973)

Link do Youtube

Excelente releitura da obra de Richard Strauss, que rendeu ao talentoso Deodato um Grammy e (ainda mais) reconhecimento internacional a sua obra.

43. Airto Moreira – Tombo in 7/4 (1973)

Link do Youtube

Um samba com aquela pitada jazzística, somada a arranjos sofisticados típicos do percussionista.

44. Hermeto Pascoal – Maturi / Quebrando tudo (1979)

Link do Youtube

Jazz rock? Jazz experimental? MPB experimental? MPB forró jazz? Difícil rotular o som do versátil Hermeto (que chegou a tocar com Miles Davis e com uma profícua carreira desde os anos 1960). Melhor apreciar sua música.

45. Egberto Gismonti – Palhaço (1979)

Link do Youtube

Egberto é outro profícuo músico de difícil classificação, mas que não tira a qualidade de décadas de bons serviços prestados a MPB e o jazz. Acima minha faixa favorita do grande instrumentista.

***

Fiquem à vontade para elogios, críticas ou sugestões sobre a lista nos comentários. 


publicado em 14 de Janeiro de 2017, 00:05
10917063 1382461718726528 865422917734426722 n

Roberto Lopes

Arquivista, professor universitário e pseudo escritor de música nas horas vagas.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: