A música mais importante da minha - nova - vida

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg


E se você precisasse escolher apenas uma música para o momento mais importantes da sua vida?

Comece a pensar agora.

Afinal, esse momento pode chegar. E pode estar mais próximo do que você imagina. Longe de mim fazer terrorismo. Mas você pode, um dia, ceder ao sagrado matrimônio. Adeus solteirice, farras e liberdade. Bem vindo ao fabuloso mundo do casamento. Se é pra fazer, que faça bem feito.

Um dos pontos cruciais para o sucesso de um relacionamento a dois é o gosto musical. Ok, considerar a semelhança de estilos preferidos como fator determinante para o amor eterno é um exagero. Mas faz uma brutal diferença você economizar meses para ir ao SWU e a tua mulher planejar as férias de julho em Barretos.

O gosto semelhante torna mais fácil a escolha de músicas que tocarão na cerimônia. É bom lembrar que, além da canção entoada nos seus últimos passos de solteiro, ainda existem pelo menos dez músicas para finalizar o setlist. E é aí que surge o dilema: chegar a um bendito consenso com a noiva. O primeiro da vida nova.

Veja bem: o seu pai entra com a sua sogra. Logo, não é muito interessante tocar algo romântico. Os padrinhos geralmente – eu disse geralmente – são jovens, então é de bom tom pensar em músicas animadas. As alianças são levadas até o altar por crianças, isso pede um som mais lúdico. Na hora de assinar o livro do casamento, segundo profissionais do ramo, pede-se uma canção que tenha a ver com a história dos noivos.


"Eu queria ouvir só heavy metal na minha cerimônia."

Mas não vai.
Assim como o amor, a tradicional trilha acaba sendo brega. Lembre-se que existem duas marchas nupciais populares: a de Mendelssohn (Sonho de uma Noite de Verão) e a de Wagner, com o tradicional coro nupcial da ópera Lohengrin.
Minha esposa e eu tentamos fugir do clichê. E em algumas das escolhas, acredito, fizemos diferente.



A primeira entrada ficou por conta de meu pai e minha sogra. Ela, fã do Elton John. O meu velho, bom, ele nunca foi tão ligado em bandas. Mas cresci ouvindo falar de um tal de Supertramp – banda que contava com a simpatia da sogra. Assim, as peças se encaixaram. A canção foi “The Logical Song”, dando uma quebrada excelente na tensão inevitável que existe no início de qualquer cerimônia.
Para a entrada das alianças, fugindo da regrar de chamar criança, convidamos nossos avós. Não somos um casal exemplar no quesito religião. Nem um pouco. Mas as avós não poderiam entrar com System Of a Down. Vasculhamos e arrumamos um tema mais light e quase religioso. Acabamos na óbvia, porém belíssima, “Hallelujah”, versão de Leonard Cohen.
O que é totalmente de escolha do noivo é a música da própria entrada – isso quando a sua mulher não é uma vaca. E aí você precisa se puxar. Sabe aquela música que te faz suar nos olhos? Ou aquela que quando toca te transforma em algum tipo de, sei lá, Rambo, Gladiador, Pelé, Jader Pires? Você deve ter uma lista com pelo menos três músicas que mexem com você de alguma forma. Esse é o momento de utilizá-la.
Importante: essa escolha vai determinar o clima da cerimônia. Estão todos ali torcendo pela sua felicidade. É uma grande reunião de sentimentos. A hora da trilha perfeita.
Minha escolha passou por sérias dúvidas. Eu via necessidade de um clássico. Pensei em “Wish You Were Here”“Paranoid”“Kashmir”“Black Dog”“Blowin in The Wind”, entre outros. Foi então que cheguei a seguinte conclusão: Aquela entrada será a última contagem. Os últimos passos antes do início de outra vida.
Essa foi a música. Essa foi a versão.

Link YouTube | O clássico do love metal em versão autorizada pela igreja 
A melhor parte do casamento?
Olhar para os amigos e observar aquele maravilhoso semblante de emoção que se mistura com felicidade. O tempo podia parar ali.
A música, jamais.

publicado em 06 de Setembro de 2011, 10:54
File

Lisandro Castro

Lisandro de Castro é um reclamador nato e questionador de coisas óbvias. Costuma ser mais sincero do que as pessoas desejam e leva uma vida bem clichê. Cresceu ouvindo piadas nada criativas sobre baixinhos e gaúchos.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: