A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

A segregação racial nos Estados Unidos e o que nós temos a ver com isso

Antes do trecho de um texto que vem a seguir, vejam essas 17 fotos -- tiradas entre 1937 e 1943 -- que mostram como era a segregação racial nos Estados Unidos da América:

1. 1939, Waco, Texas.

Só para negros
Só para negros

2. 1939, Carolina do Norte

Cabines para negros
Cabines para negros

3. 1940, Durham, Carolina do Norte

Porta para brancos (à esquerda) e para negros (à direita)
Porta para brancos (à esquerda) e para negros (à direita)

4. 1940, Durham, Carolina do Norte

A porta é para a entrada somente de garotas brancas
A porta é para a entrada somente de garotas brancas

5. 1943, em algum lugar entre Louisville e Nashville

Negros só comem na parte de trás
Negros só comem na parte de trás

6. 1943, Baltimore, Maryland

Água só para brancos
Água só para brancos

7. 1938, Lancaster, Ohio

Só atende pessoas brancas
Só atende pessoas brancas

8. 1938, Manchester, Georgia

Entrada e sala de espera, só para negros
Entrada e sala de espera, só para negros

9. 1939, Memphis, Tennessee

Loja de negros
Loja de negros

10. 1943, Memphis, Tennessee

Só brancos podem esperar nesse local
Só brancos podem esperar nesse local

11. 1937, Memphis, Tennessee

Tem para negros
Tem para negros

12. 1939, Belzoni, Mississippi

Só sobe a escada quem é negro
Só sobe a escada quem é negro

13. 1937, Leland, Mississippi

Cinema para negros
Cinema para negros

14. 1939, Oklahoma City

Água para negros
Água para negros

15. 1941, Birney, Montana

Não vende cerveja para índios
Não vende cerveja para índios

16. 1938, Halifax, Carolina do Norte

Para negros
Para negros

17. 1939, Belle Glade, Flórida

enhanced-buzz-wide-25810-1379006616-7

Mas isso não aconteceu aqui no Brasil

[...] Quando eu era menino, em Porto Rico, me ensinaram que na minha ilha não havia discriminação racial: éramos um paraíso onde brancos, negros e todos os que ficavam no meio conviviam tranqüilamente. Podíamos vê-lo na praia, onde se viam casais formados por negros e brancos de mãos dadas. A discriminação racial era um problema do norte, me ensinaram.
Quando minha família se mudou para o norte, compreendi esse problema em primeira mão. Em Porto Rico, eu era branco e de classe alta.
Nos Estados Unidos, era integrante de uma minoria étnica e fazia parte da classe média
Os administradores do meu colégio novo se negaram a acreditar que um porto-riquenho pudesse estar um ano adiantado em matemática, então me colocaram em aulas remediais, numa trajetória vocacional que me levaria a ser mecânico. Tive sorte por conseguir sair dela.
Anos mais tarde, visitei o Rio de Janeiro pela primeira vez para aprender português, quando fazia meus estudos de pós-graduação. Vivendo em Ipanema, eu ouvia exatamente as mesmas coisas sobre relações raciais que ouvira quando jovem em Porto Rico: aqui não existe racismo; isso é algo que existe no norte. Veja as pessoas na praia etc.
Mas eu tinha justamente dificuldade em conciliar o que me diziam com o que eu via. Era verdade que havia muita interação entre negros e brancos, mas eu via uma hierarquia que estava estampada nos corpos das pessoas de cor, cujo lugar na zona sul do Rio era determinado pelo uniforme que vestiam: a camisa azul do motorista de ônibus, o uniforme branco da babá, o uniforme laranja do gari.
Caricatura
No Brasil, assim como em Porto Rico, a ideia de um Estados Unidos racista emoldurava uma auto-imagem de esclarecimento e superioridade moral. Uma imagem caricata do supremacismo branco e da violência racial naquele país lançava uma sombra que ofuscava a discriminação sistemática e a desigualdade em outras sociedades [...]
Comparação entre Brasil e EUA se baseia em caricaturas, Folha de S. Paulo, 23 de novembro de 2008.
Jerry Dávila , autor de Diploma de Brancura -Política Social e Racial no Brasil (ed. Unesp), entre outros, é professor associado de história da Universidade da Carolina do Norte em Charlotte.
(Tradução de Clara Allain)

Obs: as fotos vieram do BuzzFeed. E há muitas outras aqui.


publicado em 15 de Setembro de 2013, 07:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura