Acreditar que só paixão basta vai levar sua empresa à falência

Antes de começar um negócio, é preciso tomar uma dose de realidade e parar de acreditar que paixão e vontade bastam pra ter sucesso

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

"Meu amigo não tinha dinheiro para montar o próprio negócio, mas estava apaixonado pela ideia, esse era o propósito dele, era a missão de vida. Ele resolveu começar de qualquer jeito. Cara, quem quer fazer, arruma um jeito. Ele mandou 20 cheques sem fundo pra começar a girar o negócio e hoje está aí, com três lojas."

Escutei essa história no intervalo de uma roda de papo sobre dinheiro que conduzi recentemente, mas enredos parecidos estampam a página principal das maiores publicações de empreendedorismo do país.

Que discurso sedutor – enquanto escrevo esse texto, tento contabilizar a quantidade de palestras sobre empresas de sucesso meteórico que assisti nos últimos tempos (são tantas que até perco a conta).

Vamos admitir: o sucesso do obstinado é uma delícia de tragar. Dá vontade de comprar uma pipoca e um lenço só pra escutar o cara dizendo "eu não deixei planejamento nenhum me parar, porque eu queria muito, de coração, é isso que a gente precisa para empreender: querer de coração".

A gente gosta de acreditar que dá pra levar só no peito, na raça, na coragem, sem precisar esperar, planejar, replanejar, adiar e repensar, porque essa crença afaga nossa mente ansiosa e imediatista.

Vivemos uma época de romantização do caos, é chique empreender no estilo vida loka. Vira livro, vira filme, vira palestra, vende ingresso. E vira estatística também: no Brasil, metade das empresas fecha as portas em até quatro anos de atividade, e eu arriscaria dizer que a maior parte da outra metade vive respirando com o auxílio de aparelhos, lutando por crédito bancário e pagando um rio de juros por conta disso.

Cada caso de sucesso ofusca alguns milhares de casos de fracasso, e alimenta nossa ignorância a respeito do que é, de fato, gerir uma empresa.

É só fazermos o exercício: qual a principal causa do fechamento das empresas? Falta de planejamento e gestão. E por que falta planejamento e gestão? Porque, de alguma forma, somos levados a acreditar que não são irreversivelmente necessários. E por que somos levados a pensar assim? Porque somos bombardeados por histórias de sucesso apaixonado todos os dias.

"Essa empresa não emplacou porque faltou tesão! Faltou estar realmente apaixonado!". Não, amigo, faltou fluxo de caixa mesmo. Faltou analisar o mercado, faltou coragem e realismo para mudar o modelo de negócio, faltou fazer curso no Sebrae, faltou enfiar a cara numas dúzias de livros.

Muitos fatores contribuem para que esse cenário empreendedor apocalíptico se estabeleça, alguns estão totalmente fora do nosso controle – dificilmente conseguiremos, no curto prazo, reduzir a taxa de juros. Outros não, fazem parte do nosso dia a dia. Somos diretamente responsáveis pelo impacto e repercussão que os casos de sucesso repentinos e acidentais têm, porque eles se alimentam de um dos recursos mais preciosos que possuímos: nossa atenção.

Se endossamos iniciativas sólidas – que normalmente surgem depois de um bocado de trabalho, planejamento e estudo –, se transformamos essas iniciativas benéficas e bem pensadas em referências, se elas passam a ser admiradas pelos que almejam empreender, elas automaticamente passam a moldar nossa cultura. Mudamos nosso norte, e toda a base muda junto.  As empresas meteoro – acasos do mercado, acidentes, agulhas no palheiro – perdem espaço.

Cada like, cada compartilhamento, cada palma que a gente bate, cada minutinho de vida que a gente cede, cada caso que nos move, tudo isso conta.

O ponto negativo disso tudo é que provavelmente o empreendedorismo pé no chão vai vender bem menos ingresso de cinema. Mas tudo bem, né? Tem hora que o que a gente precisa mesmo é esfregar a cara na realidade.


publicado em 14 de Setembro de 2016, 16:49
Eduardoamuri

Eduardo Amuri

Autor do livro Dinheiro Sem Medo. Se interessa por nossa relação com o dinheiro e busca entender como a inteligência financeira pode ser utilizada para transformar nossas vidas. Além dos projetos relacionados à finanças, cuida também da gestão dO lugar.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: