Amar e dar gargalhadas | Do Amor #2

Sabe quando nos apaixonamos e tudo fica lindo e engraçado, até tragédia? Pois é um pouco disso que acontece aqui

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

E daí que, no meio do restaurante, começou o escândalo. Já fazia mais de um mês que estávamos saindo juntos, ela era a gatinha do trabalho, a gente parava pra conversar no corredor da cafeteria quase todos os dias. Aqueles encontros encenados, casualmente combinados. Eu a via passar pela minha sala, contava até oito e me levantava. "Olha só, justo você aqui, que coisa da vida, não é mesmo?". 

Rapidinho eu me apaixonei pela garota do trabalho. Quem diria, o papo bobinho ao lado da máquina de café foi virando uma conversa incrível e ela também estava adorando aquele Black Messiah do D'Angelo. No bar, eu tomava suco e ela a melhor cerveja da casa. Toda vez o cara trocava as bebidas e ela ria da minha cara. Eu, bobo, suspirava. A mãozinha dela pousou na minha com aquele vermelho tomate tomando conta das unhas dela e eu percebi que a queria pra sempre.

Manja amor?

Pois então. A gente trocava mensagens engraçadinhas e safadas, ela sabia ser sacana a beça e eu contava as horas pra me afundar na cama da casa dela. Nessas horas, ela era mandona e atlética, nada apressada. Dormia de bruços e pedia pra eu ficar. 

Naquele dia ela disse que precisava ir embora mais cedo, mas que me encontraria no restaurante, como combinamos. Pela janela eu a vi entrando no carro de alguém sem me contar onde ia e com quem ia. Aquilo me preocupou o dia inteirinho, mas eu não teria a audácia de perguntar com quem ela saíra, não queria dar chama a um ciúme que não poderia existir. Mas por dentro eu era só fumaça preta e brasa. 

Perder a gatinha do trabalho? Aquilo me matou um pouquinho no resto da tarde. Fui para casa, botei a melhor roupa, o perfume que ela pirava e arrumei os cabelos. No restaurante, ela estava linda metida em um vestido amarelo que fazia derreter o chocolate da pele dela. Sorridente de orelha a orelha, aparentemente satisfeita. Na outra ponta da mesa, eu, pequeno e duro. Dente apertando dente, segurando os intestinos. Um beijo gostoso, ela já estava tomando uma cerveja e pediu meu suco favorito, adoçou do jeito que eu gostava e tudo o mais. Carinhosa. Demais.

Contou alguma fofoca do trabalho que eu nem ouvi direito e percebeu meus movimentos rápidos, meus olhares estúpidos de um lado para o outro. Pegou minha mão como só ela sabia fazer pra me trazer de volta. Chegou mais perto e me beijou. Comigo no anzol novamente, sorriu e me contou uma piada bobinha, mas engraçada, algo sobre duas lhamas que fugiram e coisa e tal. 

E daí que, no meio do restaurante, desabei a rir. Gargalhava um riso desesperado, daqueles que não se consegue parar. Puxava o ar e mais risada, batia os braços na mesa, me chacoalhava todo. Virou um folguedo conjunto, ela ria comigo, dois tontos às lágrimas. Comecei até a suar, a barriga dela doía como há muito não sentia. A gente repetia a piada e mais gargalhadas chegavam, uma alegria sem igual no universo imaginado.

 

E daí acabou. A gente olhava de cabeça baixa para a mesa, chacoalhávamos nossas cabeças com um não e o sorriso já meio triste na boca. Soltamos aquele "ai ai" que vem depois de uma chacota incrível. Ela desenhava com a unha na toalha do restaurante, eu limpava os olhos e tirava poeira da minha camisa. A melancolia depois do gozo. Sem graça.

O amor é uma piada.

O livro Do Amor está à venda!

Gente, finalmente o livro Do Amor está pronto e no jeitinho pra ser vendido! Quer um? É só entrar na minha página do PagSeguro e fazer a compra! O livro está com o preço de R$39,90, mais nove reais para o custo de frete por item!

Qualquer coisa, me chama no Instagram (@jaderpires) ou manda e-mail pra jader@jaderpires.com.br pra eu te enviar um exemplar com dedicatória bem bonita e tudo.

Beijo!

Assine a Meio-Fio, a newsletter do Jader Pires

Pessoal, saiu hoje mais uma Meio-Fio, minha newsletter semanal com contos e crônicas, mais um monte de coisa boa, recomendações e links que vou pegar por aí. 

Sempre às sextas, vai chegar quentinho no seu e-mail. Basta se cadastrar com nome e e-mail aqui.


publicado em 06 de Março de 2015, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: