Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Cinco mitos sobre direção que eu matei em um Driver Training da BMW

Antes de fazer auto escola, eu havia dirigido pouquíssimas vezes. Na verdade, até a minha primeira aula eu nunca havia passado da segunda marcha do Golzinho 1000 da minha mãe que eu dirigia nas ruas de um condomínio fechado, onde a velocidade máxima permitida era 30 por hora.

Coube ao então ao meu instrutor da autoescola – o Seu Geraldo, velhinho simpático, engraçado e brutalmente sincero – me ensinar as lições mais básicas de direção.

Numa das minhas aulas com ele, disse que ainda me sentia um pouco inseguro para pegar o carro e sair pelo trânsito caótico de São Paulo. Ele sorriu e me disse o seguinte:

Menino, se você acha que na autoescola você vai aprender a dirigir, você tá enganado. Na auto escola você aprende a passar na prova do Detran. Dirigir são outros quinhentos.

Mesmo assim, é importante aprender direitinho

Outra coisa curiosa que o Seu Geraldo me disse durante uma de nossas conversas sobre trânsito, acidentes, barbeiragens e o que a prova do Detran realmente avalia num condutor para dizer se ele está ou não está apto a dirigir:

Nunca soube de um acidente grave de trânsito que aconteceu porque deixaram o carro morrer na saída, entraram errado na baliza ou fizeram ladeira sem usar o freio de mão.

De fato, Seu Geraldo estava coberto de razão. A autoescola não ensina a lidar com o carro em situações mais extremas, como pilotar em pista molhada, recuperar o controle em uma saída de traseira ou desviar de obstáculos em situações extremas. Nem sequer frear o carro corretamente a gente aprende nas aulas, como descobri mais tarde, na prática, ou ouvindo dicas preciosas de amigos.

Recentemente, fui convidado pela Pirelli para meter uma BMW 325i numa pista de testes e fazer o Driver Training. Foi uma ótima oportunidade para descobrir os fatos por trás dos mitos de direção mais comuns.

Orgulho do Seu Geraldo

1. "Não pode frear na curva"

Não é mentira, só não é verdade com estas palavras. O que você não pode é travar as rodas na curva. Isso faz com que o carro saia de traseira e acabe girando. Frear na curva é permitido, apenas tenha muito cuidado para não fazer de forma brusca e travar as rodas. Se o seu carro tem freios ABS, acabou preocupação: você pode enfiar o pé no freio no meio da curva mais fechada que ele não vai sair de traseira. Testei isso na prática.

2. "Quando fizer rodízio nos pneus, coloque os novos na frente e os velhos atrás"

Esse é um ponto que gera mil discussões. Algumas pessoas acreditam que como a tração e o controle do carro ficam nas rodas da frente, o recomendado é colocar pneus novos na dianteira. Errado.

No Campo de Provas da Pirelli os caras fizeram mil testes e chegaram à conclusão de que o mais seguro é colocar os pneus mais novos na traseira. É mais comum que o carro saia de traseira do que de frente durante um acidente. Além disso, quando um carro derrapa com os pneus da frente é mais fácil sentir e recuperar o controle.

3. "Sendo bom de pedal, dá para simular freio ABS"

Neste mito, só acredita quem nunca sentiu um freio ABS de verdade no pé. É humanamente impossível fazer algo parecido como aquelas trepidações, mesmo que você tenha o controle muscular deste cara. Não adianta nem tentar "bombear o freio", não rola. Na parte teórica do curso, o instrutor mostrou o gráfico de um estudo que foi feito com mais de 100 motoristas mostrando que "simular ABS com o pé" na verdade é a pior maneira de frear um carro. Em boa parte dos casos, é até mesmo preferível travar as rodas do carro e derrapar do que fazer isso.

4. "Na aquaplanagem, você tem que acelerar/frear/tirar o pé"

A única coisa que você pode fazer na aquaplanagem é rezar bem forte para a sua entidade sobrenatural favorita e segurar o volante firme para não perder o controle do carro quando ele voltar a ter aderência. Fora isso, não existe outra solução para essa situação. O que você pode fazer a respeito da aquaplanagem é prevenir: não descuide das condições e da qualidade dos pneus e, sério mesmo, dirija devagar em dias de chuva.

5. "Pneus mais largos aumentam a aderência do carro na pista"

De fato, aumentam a aderência sim. Mas isso quando a pista está seca. Num dia de chuva, pneu mais largo significa aumento da área de aquaplanagem. O instrutor mostrou uma outra estatística, de que a galera que curte colocar pneus mais largos no carro sofre mais acidentes em dias de chuva, justamente por não saber dessa informação.

É dos carecas que elas gostam mais. Elas, não o seu carro.

Outras coisas bacanas que aprendi também:


  • Se o banco do seu carro tem ajuste de altura, procure colocá-lo o mais alto possível. Isso melhora o seu campo de visão, o que é muito importante.

  • Por mais maneiro que você ache usar o banco deitado a jogado pra trás, isso só mostra que você é um péssimo motorista e provavelmente não conseguirá fazer uma manobra evasiva com eficiência – repare: nenhum piloto profissional dirige assim.

  • Você consegue desviar de obstáculos da pista com mais precisão esterçando para a direita. Independente de ser destro ou canhoto. Não me pergunte exatamente por quê. (Provavelmente tem algo a ver com o ângulo de visão privilegiado pelo fato do obstáculo estar passando à esquerda, perto da sua porta.)

  • Com o carro derrapando, você perde totalmente o controle do volante. É impossível direcionar um carro para qualquer lado enquanto os pneus estiverem derrapando. Não adianta fazer nada além de tirar o pé do freio e deixar a roda girar pra ver se ela pega aderência de novo.

Dirigir é um dos grandes prazeres do homem. Siga estas dicas e dirija com inteligência para dirigir por muito tempo.


publicado em 13 de Novembro de 2011, 07:01
Fa6216a91d207a00d48a0f1c69f44eb9?s=130

Rodrigo Cambiaghi

Gerente de Mídia do PapodeHomem, é especialista em mídia programática e monetização de sites. Reveza o tempo entre filha, esposa, cão, trabalho, banda, games, horta de casa, cozinha e a louça que não acaba nunca.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura