Coloquem as boinhas nos braços, meninada! 2016 vem aí

2014 e 2015 foram anos que pegaram fogo. 2016 só vai seguir o ritmo da explosão

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Quando finalmente você pensa que vai ter paz, ela te liga. Um relacionamento conturbado, o melhor que você teve na vida e o que mais quer esquecer, cheio de brigas e sexo intenso, tanto amor e desespero. Acaba o namoro e é treta pra ver quem fica com os livros, briga pra ver quem leva o cachorro, dois remembers na cama que terminam em xingamento, copo quebrado, polícia na porta de casa.

Só eu? Mais ninguém?

Bem. Seguimos.

Depois de um grande amor errado a gente só quer aquela sequência de marasmo, o vento bobo na cara pra entediar, sabe como é? Senhorzinhos varrendo a calçada, alguém atravessando a rua de bicicleta. A serenidade começa a acertar os pulos do coração, o corpo menos retesado. E daí o bolso treme. A pessoa te ligando querendo marcar um encontro, uma cerveja, o retorno ao inferno.

Coloquem as boinhas de braço, crianças. 2016 não tá pra brincadeiras.

Aprendi isso com meus erros. E como errei. No ano passado, minha última crônica rogava um 2015 besuntado em marasmo e quietação, imaginei um ano de ressaca pós copa das copas e eleições das eleições:

Não teremos outro 2014 por muito tempo, pessoal. Afrouxem os cintos, 2015 será um período de marasmo e feriados prolongados. Algo parecido com os primeiros meses do cara que largou a cocaína, o quartinho tranquilo do velho que trabalhou 30 anos na mesma firma, se aposentou, e agora não vê mais sentido na vida. Letargia, inércia, preguiça, chame do que quiser, mas agora vem uma bonança chata a dar com pau. 

Mas meus olhos estúpidos não puderam ver nessa névoa de final de ano. Tempos antes eu cantei outra bolinha, a de que as eleições do nosso legislativo nos traria maus momentos:

Este é, afinal, um mundo de homens, um mundo de coronéis e pastores. Homens da lei e de deus que não são eleitos por proporem algo, mas por atrasarem conversas como essas citadas, sob o falso bastião da proteção à propriedade e à família. No final das contas, são homens que atrasam o mundo em vez de fazê-lo avançar.

E em meio a esse medo e trevas, há que se apegar ao tanto de humanidade que se consegue extrair disso. Este é um mundo de homens em um momento biblicamente chauvinista, como tantos outros nesse espiral da história que corre, mas volta ao mesmo ponto de quando em quando.

E esta, amigos, é mais demorada que a de cima. Um mundo conservador e careta nos espera, dias de polícia, congresso, Trump, Le Pen, gente reclamando que funk não é música e vídeos de confusão em motel.

Então fodeu? Certo que não. A molecada esse ano me conforta.

Foto: Marlene Bergamo

Vem, 2016. 

Assine a Meio-Fio, a newsletter do Jader Pires

Pessoal, saiu hoje mais uma Meio-Fio, minha newsletter semanal com contos e crônicas, mais um monte de coisa boa, recomendações e links que vou pegar por aí. 

Sempre às sextas, vai chegar quentinho no seu e-mail. Basta se cadastrar com nome e e-mail aqui embaixo:

Subscribe to our mailing list

* indicates required

publicado em 01 de Janeiro de 2016, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: