Eu era um menino prodígio, hoje me sinto um fracassado | Mentoria PdH #16

"O que me dói mais não é ter falhado, mas ter desistido de tudo para falhar."

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Pergunta da semana:

"Eu fui uma criança prodígio. Muito estudioso, sempre com as melhores notas da turma, amado pelos professores e muito incentivado pelos meus pais, que se mataram para me dar uma boa educação. Mesmo em condições de vida humildes, eu tive um ensino de elite, pago com o salário suado deles.

Todos me diziam que eu alcançaria grandes objetivos e eu concordava. Eu queria entrar numa boa faculdade e construir uma carreira acadêmica. Conseguir independência financeira e viver a minha vida. Não parecia impossível.

Mas aí a vida foi acontecendo.

Não consegui entrar numa universidade pública quando saí do ensino médio, por ter feito poucos pontos no vestibular. Não pude estudar numa particular porque não tinha dinheiro para isso, e o salário do meu trabalho num supermercado servia para ajudar a manter as despesas de casa. 

Também não pude me dar ao luxo de passar mais um ano estudando para o vestibular, então continuei trabalhando e juntando um dinheirinho. 

No ano seguinte, entrei numa particular a duras penas. Foi um sofrimento conseguir conciliar meu trabalho com a faculdade, dormia 4 horas por dia e passava o tempo das viagens de ônibus estudando no meu celular.

No final do ano percebi que não era aquilo que eu queria, que eu não estava seguindo o projeto. Eu estava estudando numa universidade particular ruim, por ser barata e não conseguia me dedicar como deveria. Não era o que eu tinha planejado.

Então, tomei um decisão drástica: largaria tudo para tentar o vestibular novamente. Tranquei a faculdade, larguei o meu trabalho e pedi calma para minha mãe.

Passei um ano inteiro me matando de estudar. Quase 9 horas, de segunda à sexta, com a cara enfiada em apostilas que conseguia baixar na Internet. 

Não era só o meu projeto acadêmico que eu queria retomar, mas a minha vida. Eu tinha me tornado uma pessoa reclusa, melancólica, cansada, sem expectativas. Não me reconhecia mais, não reconhecia aquele menino que tinha tesão na vida, que queria descobrir o mundo.

Mas deu errado.

Por poucos pontos, de novo, eu não consegui uma vaga na minha cidade. Consegui em outro estado, mas o curso era em tempo integral, e eu não tinha como ser sustentado pelos meus pais em outro lugar. A solicitação de bolsa também era muito burocrática, eu não sabia quanto tempo demoraria para conseguir o auxílio e se haveria vagas. Não consegui resolver tudo isso a tempo.

Foi um baque muito forte, mas eu consegui segurar as pontas. Acalmei os meus pais e disse que ainda teria mais uma edição no meio do ano, com a minha mesma nota.

Deu errado de novo.

Não abriram vagas na minha cidade, nem para programas de bolsa.

Agora eu tô aqui sem saber o que fazer. Eu simplesmente não sinto mais vontade de correr atrás do que eu queria, de sair do lugar. Tô sem rumo.

O que me dói mais não é ter falhado, mas ter desistido de tudo para falhar. Eu larguei o que era ruim - mas que era seguro - e falhei.

Tô desmotivado, me sentindo um fracassado. Não consigo pensar na minha mãe e no tanto que ela sofreu pensando no meu futuro. Eu sinto que joguei toda a minha capacidade e meu investimento no lixo. Não tenho mais idade para pedir tempo para os outros, para tentar de novo. Muito menos condição financeira.

Sei lá, preciso de uma palavra de apoio, do conselho de alguém que já fracassou também, qualquer coisa."

— André

* * *

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa série Mentoria é demais. Onde encontro as últimas perguntas?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH, campeão.

André, um presente pra você:

Vamos oferecer o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

 
Taí um bom presente para o amigo, o parceiro, o familiar e até mesmo o estranho em busca de ajuda ;-)

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 23 de Julho de 2018, 15:09
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: