Herbie Hancock foi ao jazz pra confundir

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Sempre há uma discussão, de tempos em tempos, sobre o que é e o que não é jazz. Eu já falei isso por aqui, usando o exemplo do grande trompetista Christian Scott. Manter a tradição, ampliar os horizontes de uma vertente musical, há sempre defensores de ambos os lados.

Link YouTube | "Watermelon Man"

Pensando um pouco, experimentar o jazz pode fazer se perder a cerne do que ele sempre foi. Matutando uns segundos mais, lembramos que o maior expoente do estilo, o sempre lembrado Miles Davis, foi precursor de vários dos estilos de jazz existentes. Se não fossem os vanguardistas do jazz, não teríamos metade do jazz que escutamos hoje.

Ele já tocou música clássica e africana, funk, rock, hip hop, techno e até disco music. A cada aventura, ganha novos admiradores, enquanto fãs antigos torcem o nariz. Herbie Hancock foi um dos que mais contribuíram para alargar as fronteiras do jazz e confundir os críticos, às voltas com a velha questão: afinal, o que é e o que não é jazz?
Coleção Folha "Clássicos do jazz"

Link YouTube | "Chameleon"

Herbie Hancock é um pianista desbravador e de talento extremo, que sempre fez questão de botar o jazz num caldeirão e fazer a coisa toda borbulhar, ferver. É um jazz quente feito o inferno.

O intuito do pianista foi sempre pirar. Mesclar o piano clássico com eletrônicos, teclas e sons sintéticos, tudo com o intuito de fazer calor. O Atrito experimental. Em maio de 1963, Miles Davis o convidou para participar de seu quinteto e por lá ficou durante cinco anos. Nesse tempo, Herbie absorveu muitas influências do Miles, muito da filosofia de fazer música foda e testar outras caras pra sonoridade, ir adiante. Nessa época, juntos, imergiram no jazz-rock fusion e no funk-jazz, pitadas de loucura e ambientações afro americanas e africanas.

Link YouTube | "Sly"

Em 1973, Herbie lançou seu melhor disco, na humilde opinião desse editor que vos narra: o Head Hunters. Fogueira jazzística.

O LP "Head Hunters", de 73, foi um dos mais vendidos na história do jazz. Ele continha outro de seus maiores sucessos, "Chameleon". A partir daí, Hancock tornou-se um popstar, tocando para multidões e chegando a emplacar quatro discos na parada pop ao mesmo tempo.
Coleção Folha "Clássicos do jazz"

É... Herbie Hancock entrou no mundo do jazz pra bagunçar e fazer os outros suarem.

Link YouTube | "Vein Melter"

Obs: parabéns aos que viram os quatro vídeos acima. Vocês acabaram de escutar o disco completo Head Hunters.

Mas ainda tem mais!

Herbie Hancock caminhou por vários caminhos musicais, sempre dentro do jazz, formou bandas, projetos, tocou com uma cacetada de gente foda, convidou outros artistas do mundo pop pra parcerias, enfim, seguiu com sua carreira camaleônica até os dias de hoje, já com 73 anos de idade. Fora da vibe Head Hunters, queria muito destacar outra música do grande Herbie Hancock que ficou bem conhecida: a Cantaloop Island, que depois foi regravada, nos anos 90, pelo pessoal do Us3, um grupo de Trip Hop que deixou a canção ainda mais famosa.

Link YouTube | Herbie Hancock - "Cantaloupe Island" (Live under the sky '91)

Link YouTube | US3 - "Cantaloop (Flip Fantasia)"


publicado em 20 de Abril de 2013, 10:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: