Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Livros para ler cagando

A minha educação em literatura se deu no banheiro. Desde moleque eu cago lendo alguma coisa. Ao lado da privada, o bidê comporta exatamente 12 títulos para as mais diversas urgências intestinais: desde o cocô matinal até a diarreia pós-bebedeira.

E não torçam o nariz. Sei que vocês também leem cagando ou conhecem quem o faça.

Ler cagando é algo tão antigo quanto a prensa móvel de Gutenberg, quando teve início a popularização dos livros. Talvez mais ainda: é possível a gente imaginar os egípcios lendo seus papiros com hieroglifos enquanto davam aquela cagada marota no meio do deserto.

E pensar que em momentos como este eu estudei toda a teoria da Comunicação para meu TCC...

E foi ali, naquele canto mais repulsivo de casa, que eu conheci Dalton Trevisan, Luis Fernando Verissimo, Fabricio Carpinejar... Eles não sabem, mas sempre foram meus bróders de privada. E como um círculo de amizade qualquer, é preciso selecionar bem quem vocês querem que façam parte da turma.

Não é todo livro que pode ser lido no banheiro. A insustentável leveza do ser, de Milan Kundera, por exemplo, trava o intestino e não há força no mundo que dê jeito. Pela sua densidade, ele é péssimo para cagar. O evagelho segundo Jesus Cristo, de Saramago, também.

(Na verdade, nenhum livro de Saramago é bom para levar para a privada. O cara tem parágrafos mais longos que a sua ida ao banheiro e inevitavelmente você vai querer parar de cagar no meio de um trecho sem pontuação nenhuma.)

Como escolher os livros para cagar

Escolher um título que se ajuste ao momento é importante. E algumas dicas são valiosas:


  • Opte por contos ou crônicas. Romances são legais apenas se os capítulos forem curtos. A pior coisa é querer se limpar e ter de interromper um parágrafo.

Notas de um velho safado, de Charles Bukowski: reunião de contos sujos autobiográficos do escritor, em que a América posa de putinha que acabou de sair da adolescência. E Bukowski é o personagem que não liga pra muita coisa, cuja vida é dedicada a beber e a fazer sexo.


  • Em caso de prisão de ventre, poemas são ótimos. Pois você consegue ler vários e nem percebe o cu rebelde. Mas não é qualquer poesia, não: apenas aqueles leves, como haikais. Os poemas de protesto de Ferreira Gullar, por exemplo, trancam o intestino de vez.

Boa companhia: haicai, de vários autores: traz uma seleção criteriosa de poemas em três linhas escritos por Paulo Leminski, Erico Verissimo, Monteiro Lobato, Alice Ruiz, Haroldo de Campos, Carlos Drummond de Andrade e outros fodões da literatura.


  • Diarreias pedem HQ. Sempre.

10 anos com Mafalda, de Quino: este livro reúne todas as tirinhas de Mafalda nos 10 anos em que Quino a desenhou. Tude separado por temas, para facilitar a leitura – há cagadas que pedem histórias mais alegres; há outras que imploram por assuntos mais sérios.


  • Filosofia também tem espaço na privada. Mas não Nietzsche, Schopenhauer e Maquiavel, né? Os caras se levavam a sério demais e isso só vai prejudicar sua cagada, principalmente aquelas depois do almoço. Escolha filósofos amadores ou autores que sabem rir da vida.

Banalogias, de Francisco Bosco: são 26 ensaios curtos que propõem uma perspectiva apurada a assuntos banais. O que soa insignificante, Bosco trata com seriedade. Paixão, futebol, sexualidade, comportamento e artes marciais estão entre os temas da filosofia do livro.


  • Livros de inutilidades são sempre bem-vindos na privada. Sempre! Se não souber o que ler, leia algo que não se propõe a coisa alguma. Eles combinam com prisão de ventre ou diarreia, com cagadas corriqueiras ou fora do cronograma.

Questionamentos modernos para machos convictos, de vários autores: alguém do QG me emprestou este livro, que coloca o leitor em diversas sinucas de bico com perguntas espinhosas, como: "Você prefere encontrar sua mãe saindo de uma casa de swing ou ela encontrar você saindo do motel com um cara?"

Agora é a vez de vocês. Ajudem a aumentar a Biblioteca de Privada Machado de Assis propondo títulos nos comentários.


publicado em 27 de Setembro de 2011, 07:10
File

Rodolfo Viana

É jornalista. Torce para o Marília Atlético Clube. Gosta quando tira a carta “Conquiste 24 territórios à sua escolha, com pelo menos dois exércitos em cada”. Curte tocar Kenny G fazendo sons com a boca. Já fez brotar um pé de feijão de um pote com algodão. Tem 1,75 de miopia. Bebe para passar o tempo. [Twitter | Facebook]


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura