Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

O que a sua bunda tem a dizer sobre quem você é?

Se você acha que a sua bunda só tem valor estético ou “evacuatório”, pergunte aos japoneses, que estão desenvolvendo um sistema de biometria baseado no jeitinho todo particular que a sua retaguarda tem de se imprimir em qualquer lugar onde você sente.

Não, é sério.

Se essas bundas falassem...

Já existem sistemas de identificação baseados em impressões digitais, na íris do olho, em reconhecimento vocal, facial e até mesmo na arquitetura das suas veias. Mas pesquisadores japoneses acharam por bem criar um sistema baseado na sua bunda. E eles têm seus motivos.

Em primeiro lugar, a bunda é uma coisa que você não perde – como poderia perder um dedo, a voz, ou quem sabe o olho. E os sensores necessários para medir os 39 aspectos particulares da impressão da bunda de uma pessoa são menos dependentes de fatores externos, como iluminação, estado de conservação própria e silêncio no ambiente. Esses fatores aumentariam a confiabilidade do sistema em relação a outras opções de biometria.

Algum leitor se arrisca a traduzir?

Você ainda deve estar com uma pergunta bem simples na cabeça: por quê?

Não te culpo, sério mesmo.

Mas é só pensar em sistemas de segurança para carros, por exemplo. Você senta, o carro reconhece seu cofrinho, tudo OK. Se uma pessoa não autorizada sentar, o carro não liga. Convencido de que esse desenvolvimento é bom?

Outro exemplo: você chega no seu escritório pela manhã, senta na sua cadeira. Ela te reconhece. Por bluetooth, ela já ordena um café para a cafeteira, liga seu monitor, ajusta a sua própria altura e faz login nos seus seus sites do trabalho.

Mas só se ela te reconhecer pela bunda.


publicado em 31 de Janeiro de 2012, 14:22
File

Fabio Bracht

Toca guitarra e bateria, respira música, já mochilou pela Europa, conhece todos os memes, idolatra Jack White. Segue sendo um aprendiz de cara legal.\r\n\r\n[Facebook | Twitter]


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura