O que você mais gostaria de saber fazer?

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg
Eu queria saber bater falta.

Sabe aquela que entra no limite da junção com a trave e o travessão? Sabe aquela que sobe como um foguete e cai que nem jaca? Aquela em que você dá uma sapatada e o goleiro nem vê? Então, eu queria saber bater falta. Eu queria ser aquele cara que, bastasse o juiz apitar uma falta da intermediária pra frente a torcida começasse a vibrar, porque eles saberiam que dali pra frente era pênalti pra mim. Eu queria saber bater falta. Eu queria que ser aquele cara que está no banco, e que na final empatada, aos 47 do segundo tempo entra em campo para bater uma falta e fazer o gol do título.

Todo garoto nascido no Brasil teve como primeiro sonho de carreira ser jogador de futebol. Eu não. Eu queria só bater falta. Nunca fui de correr, toda minha habilidade motora estava nas mãos – tanto que virei padeiro -, nem nunca fui muito inteligente para o futebol. Mas já nasci sabendo o que era uma folha seca, um peito de pé, uma trivela, como botar curva na bola. Não pense que eu queria ser um camisa 10 clássico, que lançava, passava bem, sabia cadenciar o jogo, a hora certa de correr a hora certa de parar. Não, eu queria mesmo era bater falta. Só isso.

O problema, era que além de não querer nem entender o que diabos é um 4-3-1-2, muito menos saber o que era impedimento, eu era horrível para bater falta. A verdade é que eu detestava futebol como um todo. Detesto até hoje inclusive. Porque tanta emoção com 20 marmanjos tentando colocar uma bola dentro de um retângulo? Sendo que outros 2 ficam que nem babacas o tempo todo mal encostando na coitada, e quando fazem, é só para dar-lhe uma porrada. Por que essa fascinação com um esporte que tinha tudo para dar errado?

A única coisa que eu sempre achei incrivelmente fantástica era a tal da falta. De repente, todos aqueles 20 ficavam parados esperando. Um dos babacas ficava lá longe, enquanto o outro se preparava para estapear ou socar a tal da bola. Dos 20, um parecia entrar em transe. Parecia que o mundo inteiro ficava cinza. Parecia que o tempo parava pra ele. Ele só via a bola e o gol. Naquele momento, aquele Um era a pessoa mais importante do mundo. E eu sempre quis ser aquele cara. Eu sempre quis bater falta.

Link YouTube | Não, eu não gosto dessa música. Eu juro! Cara, porque você não acredita em mim?

Mas nunca deixaram. Porque eu detestava tudo mais no futebol. A conversaiada, a cartolada, a babação de ovo, a falácia, a murrinha e a câmera lenta. Se o futebol fosse só o momento. Só aquele momento em que nada mais importa. Seria a coisa mais fantástica do mundo.

Perdendo talvez para pastilha Valda.


publicado em 10 de Julho de 2012, 07:00
28d2dc073d6cdf08302c0ed5fa15db8a?s=130

Pedro Turambar

Pedro tinha 25 anos e já foi publicitário. Ganha a vida fazendo layouts, sonha em poder continuar escrevendo e, quem sabe, ganhar algum dinheiro com isso. Fundou o blog O Crepúsculo e tem que aguentar as piadinhas até hoje. No Twitter, atende por @pedroturambar.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: