A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Oh, Willy: o curta que nos lembra de pôr pregos na bunda

Não é confortável se você ficar sentado no mesmo lugar, mas tudo vai ficar bem se você se mantiver em movimento

Às vezes as coisas dão errado. O tempo fecha sobre a nossa cabeça e a gente tem certeza que algum tipo de carma, espiritualidade ou vingança dos céus existe – porque não há outra explicação pra tamanho aguaceiro na cuca.

Há quem saiba lidar com imprevistos, há quem não consiga fazer planos b e é comido pela frustração, há quem é pego de surpresa.

As coisas dão errado e, meu amigo, pode acontecer de elas piorarem. Merda total, sabe? E a vontade é de voltar aos dez anos e estender lençóis pela casa, montar uma cabaninha pra se abrigar sob, e não sair nunca mais.

A ficção pode ser, pra nós, uma cabaninha. Porque ela não precisa ser abstrata, não, pode ser muito é da concreta – ou pelo menos o é a nossa sensação de completo torpor quando uma história é tão boa que nos faz parar de ouvir a nossa mente e as panelas batendo na cozinha.

Se consumimos ficção vorazmente só pra experimentar a sensação de não se ser, melhor ainda quando a tela é capaz de alterar o conteúdo do que sentimos quase como um processo químico. Mais eficiente do que qualquer terapia comportamental pode ser uma cena piegas que nos lembra de pôr pregos na bunda – não é confortável se você ficar sentado no mesmo lugar, mas tudo vai ficar bem se você se mantiver em movimento.

Foi essa a sensação que tive quando, pela manhã, assisti o curta de animação Oh, Willy…, da dupla de cineastas Marc and Emma.

Sem diálogos, o filme fala muito. E está na dose certa de tempo pra que não nos deixemos vencer pela desolação – de repente, o completo estranho e fora dos planos nos abraça com carinho.

Por tudo isso, vale seu tempo.

E também porque as pessoas ficam peladas em situações corriqueiras e eu acho isso o máximo.

 


publicado em 20 de Novembro de 2015, 00:05
10710799 10152759290008996 1807417555040828999 n

Marcela Campos

Tão encantada com as possibilidades da vida que tem um pézinho aqui e outro acolá – estuda Jornalismo na Universidade de São Paulo, mas também cursa Saúde Reprodutiva Holística no Justisse College. Compõe a equipe de conteúdo do PapodeHomem, modera uma comunidade de quase dez mil mulheres e não tem preguiça de bater um papo bom.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura