Abrimos as inscrições para a edição 2019 do PAI, nosso evento anual de paternidade! Vem encontrar a gente e outros pais da comunidade em um dia cheio de conversas e palestras. Reserve o seu ingresso antes que esgote! Clique aqui!

Onde estão os homens bons?

Parece difícil, nos atuais dias, ver homens fazendo boas coisas. Onde estão os bons referenciais de masculinidade, afinal?

Em toda parte.

Eu sei que parece difícil, nos atuais dias, ver homens fazendo boas coisas. Se você decidir procurar pela palavra "homens" no Google, o que você vai receber é realmente de ficar alarmado.

Assaltos, sequestros, atentados, estupros, assassinatos são mostrados com tanta frequência e com tantos detalhes que é difícil não pensar que essa é a regra. Mas, vamos fazer um exercício aqui. Será que isso é realmente o que significa ser homem? Todos nós somos inerentemente violentos, abusivos?

Não é de se assustar, como já falei antes, que nós estejamos caindo doentes, depressivos e ansiosos. Estamos perdendo até o referencial da possibilidade de exercermos a nossa bondade.

Aos poucos, estamos esquecendo que nós, como seres humanos, temos um potencial infinito para a bondade, amor, compaixão, empatia, generosidade e toda sorte de ações sublimes. Nosso coração está recheado de afeto que dispensamos a parentes, amigos, conhecidos e, muitas vezes, nem tão conhecidos assim.

Mas é preciso olhar um pouco pra fora das telas. Retomar o bom e velho convívio olho no olho.

Aqui na rua de casa há plantas em todas as árvores. Quem cuida delas é um senhor que caminha com um regador. Já o vi de longe fazer isso várias vezes, quando eu saía rumo à parada de ônibus. Ninguém vai parabenizá-lo por essa ação, mas mesmo assim, todos os dias ele faz isso. Ele poderia estar em casa, assistindo o jornal e reclamando, mas se levanta, enche um regador com água e caminha pela rua invisível, cuidando das plantas que vão tornar o espaço mais bonito para todos.

Esse homem existe.

Mas além dele, existem outros. Muitos outros.

Aqui embaixo vai uma pequena lista com homens que estão por aí, caminhando no mundo, gerando beleza com ações simples e tornando o mundo mais bonito pra mim e pra você.

Bilionário se muda pra Roraima e ajuda venezuelanos que chegam ao Brasil todo dia

Carlos Wizard Martins é, como está no subtítulo aqui em cima, um bilionário presidente do grupo Sforza, um conglomerado que tem mais de 20 empresas, entre elas a Mundo Verde, Pizza Hut, KFC, Taco Bell e Wise Up. Mas não é sobre a faceta de negócios que vamos falar aqui.

Acredito que a maioria aqui deve saber sobre a crise da Venezuela e como isso vem gerando uma imigração de refugiados que está atravessando para o Brasil e outras partes da américa latina. 

Embora nunca tenha visitado a Venezuela, Carlos decidiu sair do conforto do seu lar para fazer algo a respeito. Assim, se embrenhou na operação Acolhida (força-tarefa criada para receber os Venezuelanos no Brasil) e começou a utilizar sua rede para auxiliar na interiorização dos refugiados, desde costurando um acordo com companhias aéreas como Latam, Gol e e Azul para disponibilizar voos gratuitos que possam levá-los até destinos mais favoráveis, até a outra ponta, onde viabiliza acomodações e emprego em parceria com as igrejas e as comunidades locais.

"De nada adianta eu tirar um imigrante da rua aqui em Roraima e deixá-lo na rua em São Paulo. Eu não vou resolver o problema dele dessa forma. Então, felizmente, temos conseguido, dentro de 30 a 60 dias que eles chegam aos locais, que consigam trabalho com carteira assinada e todos os benefícios de um trabalhador".

Calcula-se que ele já interiorizou mais de 2.400 refugiados. Alguns trabalham até mesmo nas empresas de Wizard.

"Ah, Luciano, mas o cara é bilionário, aí é fácil!"

Sim, até te dou essa. Mas se liga nesse outro caso aqui.

Carpinteiro aposentado já fez e doou mais de 10 mil muletas em 48 anos

O Seu Nicola Gonçalves é carpinteiro. Natural de Colina, interior de São Paulo, começou a aprender carpintaria aos 10 anos de idade. À medida que foi aperfeiçoando o ofício, logo decidiu que deveria colocá-lo a serviço das pessoas.

No começo, fazia brinquedos pra crianças, mas assim que ouviu falar que uma tia havia quebrado a perna, colocou a carpintaria a serviço dela, a pedido do tio.

“Antes eu fazia brinquedos e levava para crianças, sempre tive essa mania de ajudar. Nunca fiz nada com intenção de ganhar dinheiro, o importante é ajudar.”

Hoje, calcula que já fez mais de 10 mil muletas e 4 mil bengalas. "Faço porque é uma coisa muito necessária, é do fundo do meu coração."

É mesmo, Seu Nicola.

Fisiculturista salva filhote após fazer massagem cardíaca e respiração boca a boca

Link Instagram

De volta a Roraima, podemos falar do fisiculturista Marcinho Belota que teve seu dia interrompido pelo parto de uma filhote de pit bull que teve complicações. Imediatamente, meio que num ato desesperado, começou a fazer uma massagem cardíaca e respiração boca-a-boca para tentar salvá-la, mesmo sem saber exatamente o que estava fazendo. O final, felizmente, foi a reanimação e recuperação da filhotinha, que recebeu o nome de Vitória.

“Não sei se fiz certo, não tenho nem noção de como socorrer cachorros, mas esse foi o meu instinto de querer ajudar de alguma forma, não sabia para onde recorrer essa hora da noite.”

Posteriormente, postou no Instagram uma série de vídeos comentando a situação.

"Vou falar uma coisa pra vocês: eu vejo muita gente comentando ‘você é um herói’. Não. O que eu fiz ali eu faria com qualquer pessoa e com qualquer animal, até mesmo com um jacaré", disse ele em seus stories, com um sorrisão de felicidade no rosto.

“Quando você acha que está tudo perdido, aí é que você não pode parar.”

Essa é pra pensar.

Maqueiro pinta ala pediátrica com as próprias mãos para melhorar astral das crianças em tratamento

Renato Silva, 37 anos, trabalha na ala de Pediatria do Hospital Municipal Miguel Couto, no Rio de janeiro, e é conhecido carinhosamente como Renatinho.

Como sabemos, hospitais (ainda mais os públicos), não são exatamente conhecidos por serem lugares muito acolhedores. Em geral, são frios, cinzentos e carregam um clima que é, de certa forma, desanimador, em especial para crianças fragilizadas por alguma doença.

Renatinho desde cedo teve interesse pela pintura e já chegou a dar aula para crianças e a participar de um grupo de grafiteiros no Complexo do Alemão.

E, apesar de trabalhar há 16 anos no hospital, nunca deixou de ter o sonho de colorir aquelas paredes. 

“A minha intenção é deixar um ambiente mais leve e alegre para as crianças que estão sendo tratadas.”

Em uma dessas trocas de administração, conseguiu o ok do diretor pra colocar a mão na massa. Ele mesmo concebeu os desenhos e ideias de acordo com as faixas etárias dos pacientes de cada setor. Conseguiu também a cooperação das enfermeiras que juntaram o dinheiro pra comprar as tintas. Então, sem parar com as suas funções normais de maqueiro, utilizou o tempo livre pra pintar as paredes do hospital. Ele chegava às 7hrs da manhã e saía só depois das 22hrs. Parava apenas para almoçar.

Dedicar tempo, atenção e esforço não é outra coisa se não amor.

Rapaz oferece "abraços de pai" grátis em Parada LGBT e emociona participantes

O professor Scott Dittman, 44 anos, não se diz exatamente como um aliado da causa LGBT. No entanto, foi convidado por uma amiga para ir até a parada gay de Pittsburgh, na Pensilvânia.

Ela chama-se Denna e faz parte de uma organização chamada Free Mom Hugs (Abraços de Mãe Grátis), que oferece apoio financeiro e emocional a jovens expulsos de casa devido à sua orientação sexual ou identidade de gênero. 

Ele, então, topou acompanhá-la com uma camiseta escrita "Free Dad Hugs" (abraços de pai grátis). 

Inicialmente, ele achava que ia colocar um sorriso no rosto de algumas pessoas, mas as reações foram bem além do que imaginava. 

Destacam-se o jovem da esquerda e a moça da direita, vamos já explicar.

Quando ele viu a moça, seus olhos já estavam marejados. "Ela simplesmente me envolveu com seus braços e me agradeceu diversas vezes".

Já com o rapaz à esquerda, ele disse que foi abandonado pelos pais aos 19 anos, quando se assumiu gay. “Ele começou a soluçar de tanto chorar e depois nos agradeceu. Foi uma honra estar ao seu lado, mas ao mesmo tempo, muito triste.”

“Posso afirmar que eles não tiveram a oportunidade de sentir algo tão simples como o abraço de um pai há muito tempo”, disse Scott. “Isso partiu meu coração.”

“Imaginem isso, pais. Imaginem que seu filho se sinta tão rejeitado por vocês que ele se entrega nos braços de um completo estranho e soluça de tanto chorar só porque aquele estranho está vestindo uma camisa oferecendo abraços de um pai.”

Me perdoe pela cafonice, mas veja só você o poder de oferecer algo tão simples como um abraço.

Capitão Leo Farah, bombeiro que participou das operações de resgate em Brumadinho e Mariana

Link Instagram

O Capitão dos Bombeiros Leonard Farah tem a prontidão como profissão. É especialista em redução de riscos e desastres e comanda o grupamento especializado em operações de buscas e salvamentos dentro do Batalhão dos Bombeiros que atua em emergências ambientais.

Ele atuou em Brumadinho e também em Mariana, dois dos maiores desastres ambientais do mundo que ocorreram em Minas Gerais, acabando com os meios de subsistência de famílias inteiras e deixando centenas de mortos e desaparecidos, sem contar os impactos ambientais, afetando incontáveis vidas não-humanas.

"Em Brumadinho não pode haver qualquer diferença étnica ou ideológica que desvie o foco de todos os envolvidos nas ações emergenciais: o esforço máximo para mitigar o sofrimento humano e trazer conforto às famílias atingidas."

Quando o convidamos para participar do nosso evento Homens Possíveis agora em 2019, ele acabou precisando partir em outra missão e, por isso, desmarcou a palestra. Mas acho que está perdoado. ;)

Se você quer se inspirar em alguém que mantém uma postura de constante prontidão, eis um exemplo que vale acompanhar.

* * *

Tirando o Carlos Wizard, um bilionário com influência que você e eu talvez nunca poderemos nem sonhar, a maioria desses exemplos são de homens comuns, que encontraríamos na fila da farmácia.

É óbvio também que sabemos pouco sobre esses homens e que a qualquer momento pode vir à internet algo que nos faça crer no oposto, que eles são monstros. Mas, acredito, essa é parte da riqueza do olhar. Todos nós transitamos pela linha do bem e do mal. Hoje fazemos algo bom, amanhã poderemos nos envergonhar e, quem sabe, até cometer uma atrocidade verdadeiramente terrível e sem volta.

No entanto, pelo menos na esfera das pequenezas do cotidiano, talvez valha um olhar um pouco mais amplo, que veja que todo mundo tem sombras, mas que também há luz, qualidades e virtudes.

Apesar da bondade cotidiana não ser muito do interesse dos jornais que lucram em cima do nosso medo, pessoas comuns fazem ações incríveis o tempo todo. Mas pra começar a perceber precisamos parar de olhar apenas pra telas, levantar a cabeça e ver quem são as pessoas ao nosso redor, tentar focar bem pra enxergar o que elas estão fazendo de extraordinário - por mais simples que essas ações possam parecer.

Mas, mais do que procurar por homens bons no mundo, acredito que nós mesmos temos que tomar as rédeas e procurar desenvolver o que se precisa pra isso. Agir hoje, com base no melhor que temos. Como já deu pra ver, nem precisa ser nada grandioso. O importante é que sejamos o máximo que conseguirmos, a manifestação dos homens que queremos ver caminhando pelo mundo. 

E vocês, têm algum exemplo de homem próximo que gostariam de destacar nos comentários? Gostaria de ver quem são os referenciais que carregam com vocês.


publicado em 20 de Junho de 2019, 00:00
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura