A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Pelé e Maradona: os homens e seus mitos

Maradona faz 50 anos hoje. Pelé chegou aos 70 anos no dia 23. Além da data de nascimento, o que mais os aproxima?

A única vez que vi Pelé jogar foi há vinte anos. O atleta do século recebeu uma homenagem da CBF em seu quinquagésimo aniversário. Para celebrar, a Seleção Brasileira recebeu um catado do resto do mundo. Perdemos por 2 x 1. O gol brasileiro foi do craque Neto, que substituiu o Rei ao fim do primeiro tempo.

O polivalente Edson Arantes à época do nascimento do Pibe.

A primeira vez que vi Maradona jogar foi há vinte anos. A alviceleste enfrentaria o Camarões, pela primeira perna da Copa de 1990. Confesso que não fiquei impressionado com o futebol do pibe. Ouvia falar tanto dele e logo de cara os africanos batem os atuais campeões do mundo.

Minha impressão sobre Pelé foi mudando. Meu pai tinha um livro muito antigo que se chamava A Seleção de Todos os Tempos. Eu li e reli aquele negócio. Eram os onze maiores craques do futebol da época. O livro devia ser de 1970, no máximo, editado pela revista Realidade. E foi assim que fui absorvendo o mito de Edson Arantes, o homem por trás.

Quando Maradona foi preso em Nápoles, suspeito de sonegação e envolvimento com a máfia, minha atenção voltou para seu futebol.Sua marra portenha e seu comportamento anti-heróico mexeram com o meu romantismo futebolístico. A partir daí, deixei de olhar o futebol com os olhos e os pés. Passei a acompanhar com o coração.

O Pibe inicia sua jornada ao mesmo tempo que o atleta do século encerra a sua.

Pelé chegou aos 70 anos, mas não consigo romantizar mais sobre seu personagem. Sem dúvida, no campo, ele foi muito melhor que Maradona. Isso está fora de questão. No entanto, fora dos gramados, os homens por trás dos mitos convergem, se aproximam, não só nas datas de nascimento.

Essa proximidade se dá muito mais pela nossa desilusão. Nosso idealismo inerente nos traz a sensação de que o gênio será mágico também fora do que faz. Não esperávamos que Pelé tivesse um filho desandado, tanto quanto esperávamos que Maradona tivesse uma vida menos dessaborosa.

No entanto, ao passo que a realidade bate, percebemos que todos os santos tem pés de barro. Mesmo aqueles que dependeram deles para construir seus impérios.


publicado em 30 de Outubro de 2010, 06:00
378a6d83dad728530ba98c300a775df3?s=130

Flaco Marques

Rapaz do interior de SP que vive suas desventuras na cidade grande. Poliglota valente, busca equilibrar o jeito cosmopolita de ser com a simplicidade caipira de viver.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura