A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Por um ano, ela não se viu no espelho

Prestes a se casar, já na fase de escolher o vestido, a americana Kjerstin Gruys, de 29 anos, resolveu ficar um ano – 365 dias – sem se olhar no espelho.

Aliás, deixe-me melhorar a frase: sem ver seu reflexo em superfície alguma.

O espelho do banheiro foi coberto e inutilizado. Maquiagem, ela aprendeu a passar guiando-se apenas pelo toque. No carro, descobriu um jeito de ver o reflexo do trânsito sem ver o seu próprio. Ao comprar roupas, levava sempre outra pessoa a tiracolo – geralmente o noivo, com quem no dia do casamento dançou uma música chamada "I'll Be Your Mirror".

Enquanto adolescente, Kjerstin (como a maioria das adolescentes) era extremamente insegura com sua aparência. A ponto de (como poucas, felizmente) desenvolver anorexia. Após muito tempo de terapia e uma ferrenha luta psicológica contra essa condição, ela finalmente se viu livre da crença de que precisava ter o corpo perfeito. Seguiu a vida, estudou sociologia, trabalhou com moda, noivou e foi escolher o vestido – momento no qual a coisa começou a incomodar de novo.

Então decidiu não se ver mais no espelho.

ABC News | É assim que ela faz compras

Esse é o momento em que o texto começaria, para o bem ou para o mal, a julgá-la e, de certa forma, impor alguma visão. Estando eu na internet, a Terra Onde Todos Têm Uma Opinião, eu obviamente começaria a louvar a corajosa e pioneira atitude da moça, ou então condenar isso como absoluta bobagem.

Quer saber? Vou fazer os dois.

Carta do Fabio 1 a Kjerstin Gruys

"Consigo pensar em melhores usos para estes 365 dias"

Cara Kjerstin,

(A propósito, como se pronuncia o seu nome?)

Você diz ter abandonado o culto ao reflexo para melhorar sua autoestima. Sabe quanto sentido isso faz? Não muito.

Autoestima, se é que esse termo realmente existe, diz respeito a gostarmos de quem somos da forma como somos. Ignorar-se é exatamente o oposto dessa proposta.

Você disse que "se adaptou", que nem foi tão ruim assim. Eu digo que existe um mecanismo de defesa psicológico, chamado racionalização, que funciona explicando que tudo que a gente faz tem um (bom) motivo ou desculpa. Afinal, no fundo, nós realmente acreditamos e defendemos que não tomamos atitudes erradas. Pra mim, isso é o que explica sua declaração.

Todo o esforço que você desprendeu, todos os malabarismos que fez, todo o tempo que perdeu abdicando do uso de um objeto que não tem nenhum mal intrínseco a si – pelo contrário, só facilita as nossas vidas – certamente poderia ter sido utilizado de alguma forma que ajudasse mais diretamente as pessoas.

Kjerstin
Espelhos, só pelas costas

Carta do Fabio 2 a Kjerstin Gruys

"Genial"

Cara Kjerstin,

Você é um gênio.

O seu ato, em si, certamente não cumpre objetivo nenhum. Acho que até mesmo você concordaria comigo nisso. O espelho não tem culpa alguma e você só tornou a sua vida mais difícil ao parar de usá-lo.

Mas ao mesmo tempo você transferiu todo um ideário ao objetivo mais neutro e sem significado que existe. Um objeto que nem mesmo tem uma imagem própria agora carrega todo uma ideologia. Virou quase uma bandeira.

Qualquer uma das muitas pessoas que ouviram falar da tua história e têm qualquer tipo de identificação com problemas de autoimagem agora vão olhar para um espelho e lembrar de tudo que ele representa dentro desse contexto em particular. Vão lembrar da sua luta e vão se lembrar de não dar tanta importância ao reflexo.

Gênio.

Você disse que gostaria de "servir de inspiração" para quem se importa demais com a aparência, e eu te digo que você conseguiu. Parabéns.

* * *

O que eu quero dizer é que a minha opinião é o de menos.

Ela já fez o que achou que precisava fazer. E está feliz com o resultado. Está até escrevendo um livro. 

Mas, de qualquer forma, só pelo exercício da argumentação, com qual das duas opiniões (ou alguma outra) você mais se identifica? Por quê? Você também já ficou meses sem algo que todo mundo usa o tempo inteiro?


publicado em 05 de Setembro de 2012, 15:37
File

Fabio Bracht

Toca guitarra e bateria, respira música, já mochilou pela Europa, conhece todos os memes, idolatra Jack White. Segue sendo um aprendiz de cara legal.\r\n\r\n[Facebook | Twitter]


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura