Porque o amor não se explica - Parte I

História digna de Wando. Verídica.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

- Mi! Acorda!! É sério!

Ouvi a voz no meu quadragésimo sétimo estágio do sono.

- Acorda!

Levantei zonza, sem saber o que era sonho, delírio ou realidade.

- Aqui! Na janela!

Uma mulher deitada pouco abaixo da escadaria, local onde os cachorros moradores do prédio costumam marcar território matinalmente, próximo ao portão de entrada, gritava:

- EU AAAAAAAAAAAAAAAAMOOOOOOOOOOO ESTE HOOOOOMEEEEEEM...

Ela rolava pra um lado. Logo rolava pro outro.

barraco
Barraco bom é barraco com "crasse"

No prédio ao lado, várias cabecinhas se aglomeravam nas janelas. Vinícius – policial que sempre se manifesta nestas ocasiões gritando “Estou descendo aí! Que baixaria é essa?? Tô descendo agora, porra!!”, enquanto a esposa que grita “Calma, Vinícius” estava ausente nesta madrugada.

- EU AAAAAAAAAAMOOOOOOOO ESTE HOOOOMEEEEEMMM...

E voltava a rolar pra um lado, depois pro outro. Nestes momentos de decadência e degeneração, uma palavra de consolo sempre é de extrema benevolência e apoio. Então, gritamos:

- EU TAMBÉEEEEEEEEEEEEMMMMMM!

E ela continuava rolando..

- Aiiiiiiiiiiiiiiiiii!! COMO DÓOOOOOOOOOOIIIIIIIIIIII!!

Sim, parecia doloroso. Levantou-se – ou tentou – e ajoelhou na escada.

- Eu quero você, mesmo que com OUTRA!

É. A figura da outra é costumeira nessas situações. E voltou a deitar no chão, mas não sem antes ajeitar cuidadosamente seus cabelos – pelo visto recém escovados -, tirar algumas folhas caídas no chão do jardim lateral e deitar lentamente a cabeça sobre sua bolsa. Para não desarrumar o penteado, suponho.

ciumentinha
Ah, então você não estava satisfeito com o arroz e feijão é, seu safado?

- EU AAAAAAAAAAMOOOOOOOOO ESTE HOMEEEEMMMM...

Rolou mais um pouquinho pra direita, mais um pouquinho pra esquerda.

- Aiiiiiiiiiiiiiiiiiii!! Dói MUITOO...

Parou de rolar e olhou pras janelas do prédio.

Voltou a rolar.

- Aiiiiiiiiiiiiiiii...

Barulho de chave na porta. Era o outro Diogo, amigo nascido na Bahia, criado uma parte em Minas, outra em São Paulo, formado no Paraná, concursado com passagem pelo Rio de Janeiro, Porto Alegre, Brasília. E atualmente morando em Criciúma – SC, nosso hóspede de passagem chegando da balada. Entrou na ponta dos pés. O apartamento estava às escuras. Nos encontrou na janela.

- Vocês também?

- Sim! Já tem quinze minutos que estamos aqui! Agora conta tudo que viu e ouviu lá embaixo!

- Bom... assim que cheguei eu avistei a mulher, fiquei um pouco assustado, esperei um pouco. Parecia que iria demorar, então passei pelo ladinho.

- Tem mais alguém lá embaixo?

- O porteiro. Ele disse que não é a primeira nem a última vez dela. E que costuma demorar mesmo. Então acho que fiz bem em subir logo.

- Você é um COVARDEE!! Aiiiii. Eu AMOOO este homem...

Ela ainda rolava e gritava.

Resolvemos descer. Eu de pijama, Diogo também de pijama e o outro Diogo vestido da balada. Elevador, botão térreo. Saímos, silenciosa e discretamente, e ficamos atrás dos vidros da primeira entrada.

Ela ordenava ao porteiro por entre as grades do portão.

- ABRE ISSO AGORA!

O covarde também estava lá, do lado de dentro do portão, a uma distância segura e ordenava ao porteiro:

- Não abre!

- ABRE AGORA! Seu covarde!

Soluçava. Algo de vidro espatifou-se contra o portão. O covarde virou-se e veio em nossa direção. Sem tempo para entrar no elevador, corremos pela escada de acesso à garagem e nos escondemos entre as pilastras. Aguardamos alguns minutos.

- Parece que está calmo.

- Vamos voltar.

Na escada, o covarde nos avistou e disse, parecendo sem graça:

- É doida, né? Não liguem.

Constrangidos, voltamos a nos esconder - agora dele - entre as pilastras. Parecia insensibilidade rir às vistas dele.

Por fim, resolvemos voltar ao apartamento pelo elevador, preparados para fechar a porta à força caso parasse em algum andar diferente do nosso. Chegando, corremos de volta à segurança de nossa janela.

- Seu cachorro!

Passou mais algum tempo o xingando de todos os nomes. Dizem que o amor e o ódio são sentimentos muito próximos...

Fez-se silêncio.

love-hurts
Taí ó, tatoo perfeita praquele momento pós-chifre

Ajeitou novamente seu cabelo, literalmente sacudiu a poeira, subiu nos saltos e deu meia-volta. Saiu quebrando as cadeiras com o seu cabelo ainda esvoaçante, segurando firme sua bolsa. Triunfal, se não fossem os vinte minutos que demorou tentando acertar a chave na porta do carro. Saiu cantando os pneus em seu carro branco até a perdermos de vista.

No fim de tudo, ficou marcada a mentira do porteiro e a expressão  “rolar no chão e gritar EU AMO ESTE HOMEM” em nosso vocabulário.

A câmera digital ainda fica ao lado da janela esperando por ela. Nas noites de madrugada, ainda acordo assustada e ansiosa quando ouço alguém gritando na rua. Algumas vezes, fico minutos prestando atenção no que é dito, até ter certeza que não é nenhuma voz conhecida. Em outras, chego a correr até a janela com alguma esperança.

Mas ela foi embora, pra nunca mais voltar. E foi assim que tudo acabou.


publicado em 03 de Agosto de 2008, 19:18
71f274ea1b2309372249c88d0a836646?s=130

Michelli Lorenzi

Michelli Lorenzi é leitora da PapodeHomem, bloga no Partículas Elementares e mora num condomínio muito movimentado.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: